domingo, 13 de dezembro de 2020

CLAUDIO COSTA: PHILOSOPHICAL TEXTS - TEXTOS DE FILOSOFIA

 THIS "BLOG" IS THOUGHT AS A WAY TO MAKE MY WORK IN PHILOSOPHY ACCESSIBLE TO A WIDE PUBLICUM. THERE ARE MORE THAN 140 TEXTS, MOST OF THEM IN DRAFT FORM. MANY ARE INTRODUCTORY TEXTS. THE TEXTS MARKED WITH A # ARE THOSE THAT ARE INNOVATIVE AND CAN BE OF SOME INTEREST FOR THE SPECIALISTS. I HOPE IT CAN BE USEFUL.


ESSE "BLOG" FOI PENSADO COMO UMA MANEIRA DE TORNAR MEU TRABALHO EM FILOSOFIA ACESSÍVEL A UM PÚBLICO MAIS AMPLO. SÃO MAIS DE 140 TEXTOS, A MAIORIA EM FORMA DE DRAFT. AQUELES MARCADOS COM UM OU MAIS # SÃO OS QUE PODEM SER DE INTERESSE PARA PESQUISADORES. OS TRABALHOS MAIS ANTIGOS E INTRODUTÓRIOS ENCONTRAM-SE EM PORTUGUÊS E PODEM SER ENCONTRADOS NAS ÚLTIMAS PÁGINAS DO "BLOG". PODEM SER DIDATICAMENTE ÚTEIS JUNTO AOS VÍDEOS NO YOUTUBE.

On my CV:
After graduation in medicine, I made my M.S. in philosophy at the UFRJ (Rio de Janeiro), Ph.D. at the University of Konstanz (Germany) and post-doctoral works at the Hochschule für Philosophie (Munich) and at the universities of Berkeley, Oxford, Konstanz, Göteborg, and at the École Normale Supérieure. 
My main articles published in international journals were collected and better developed in the book Lines of Thought: Rethinking Philosophical Assumptions (Cambridge Scholars Publishing, 2014). Also from interest may be a short theory on the nature of philosophy in the book The Philosophical Inquiry (UPA, 2002). The last book I wrote aims to recuperate the credibility of the old orthodoxy in the analytic philosophy of language by reinforcing its theoretical structures. This book called Philosophical Semantics: Reintegrating Theoretical Philosophy was published by Cambridge Scholars Publishing in 2018. 

I am a full professor at the Department of Philosophy of the UFRN, Natal, Brazil, luckly with ergonomic limitation due to Asperger syndrome, which allows me to work almost full-time in independent research.

Advertisement of some published books (see Amazon):
















Image result for paisagens conceituais














 





HOW DO PROPER NAMES REALLY WORK? (ch. 1 - draft)

 draft

 

I

 

DESCRIPTIVISM

 

 

 

In this chapter I will begin our investigation of how proper names refer. There are two general kinds of theories of proper names, which might be called the descriptivist and the referentialist. The first emphasize the intermediary cognitive link existing between a name and its bearer, a link supposedly expressible by means of definite descriptions. The second emphasize the causal relationship between the bearer and its name, rejecting the relevance of the intermediate link as something primordial.

  My goal in this and the next chapter will be to provide theoretical and critical support for chapter III, in which I will present my own “full-blooded” explanation of the referential mechanisms of proper names. Thus, in this chapter I will describe and critically discuss the classic versions of descriptivism and, in the next, the main ideas of Kripkean referentialism. First of all, however, I want to critically introduce the referentialist theory of proper names suggested by John Stuart Mill in the 19th Century, since it was in the origin of the contemporary discussion.

 

John Stuart Mill: names without connotations

Mill began by distinguishing between the denotation and the connotation of a term: denotation is the reference of the term, while connotation (meaning) is the descriptive element, implying an attribute. Among the referential expressions, the definite description (called by him an ‘individual name’) has both a denotation and a connotation. It denotes through its connotation, namely, by expressing attributes that, possessed solely by its object of reference, allow us to identify this object referentially. A description such as ‘the author of Heart of Darkness’ connotes an attribute belonging to a unique individual, namely, the attribute of Joseph Conrad of having written that story. The same is not true regarding proper names. In his own words:

 

Proper names are not connotative: they denote the individuals who are called by them, but they do not indicate or imply any attributes as belonging to those individuals. When we name a child by the name Paul or a dog by the name Caesar, these names are simple marks used to enable such individuals to be made subjects of discourse. (...) Proper names are attached to the objects themselves, and are not dependent on the continuance of any attribute of the object.

 

In other words: the proper name has no connotation. It has a simple structure. As Mill says, the city of Dartmouth was so called because it is located at the mouth of the river Dart, but if an earthquake changed this river’s course and removed it to a distance from the town, the name of the town would not necessarily be changed. That is, a proper name refers independently of any connotation that it may have. It refers directly, as if it were a label glued to a bottle. Since for Mill the meaning does not lie in what a name denotes, but in what it connotes, it follows that proper names, strictly speaking, have no signification.

  I want to pause here only to note that this standard interpretation could not tell the complete story. Mill also made statements that seem to be complementary to what I have just set out, though in dissonance with the standard interpretation. As he wrote some paragraphs later:

 

We put a mark, not indeed upon the object itself, but, so to speak, upon the idea of the object. A proper name is but an unmeaning mark which we connect in our minds with the idea of the object, in order that whenever the mark meets our eyes or occurs to our thoughts, we may think of that individual object. ...By enabling [the reader] to identify the individuals, we may connect them with information previously possessed by him. By saying This is York we may tell him that it contains the Minster. But this is not by anything implied in this name.

 

It seems, therefore, that with the word ‘meaning’ Mill understood in our first cited passage the meaning linguistically expressed or at least suggested. This meaning must be distinguished from the idea of the object, which in the English empiricist tradition to which Mill belongs could be understood as a meaning” (information) in a wider sense. In fact, the proper name has no linguistically expressed meaning in a way comparable to that of definite descriptions or, as also happens with general terms (which Mill called ‘general names’) like ‘man’, ‘dog’ and ‘disease’. For him these terms connote their attributes in addition to denoting the sets of all men, all dogs and all sick organisms. However, what Mill calls ‘the idea of the object’ does seem to be simply a psychologist way of speaking of informative content, that is, of senses, which only differ from Fregean senses regarding the different ontological interpretations. If my understanding of this point is correct, then Mill’s conception of what proper names mean ends up being compatible with the suggestion that proper names have something like senses, here understood as psychological modes of presentation, resulting in no contradiction in principle between his views and descriptivism about proper names advocated by philosophers from Frege to John Searle. Although I consider this the fairer and most benevolent way to interpret Mill’s intentions, I will ignore it in the rest of this book for expositive reasons.

  The theory of direct reference allegedly proposed by Mill is easily refuted, and Bertrand Russell did not have any difficulty in doing this. In the way the theory is understood in our first quotation, it is unable to satisfactorily solve the paradoxes of reference answered by Russell in his famous theory of descriptions. The first of them was the riddle of the non-existent reference. How can we make sense of a sentence like “Santa Claus lives at the North Pole” if the name ‘Santa Claus’ has neither a connotation nor a denotation? To this, Mill could answer that Santa Claus refers to an imaginary object. But consider the case of a true negative existential like “Santa Claus does not exist.” If all that belongs to the name is its reference, such a sentence seems contradictory, for in order to apply the name one should already admit its existence. Consider now identity utterances containing co-referential names. Think about the difference between the sentence (a) “Mount Everest is Mount Everest” and the sentence (b) “Mount Everest is Chomolungma”. The first is tautological, saying nothing, while the second can be informative. But for Mill since names have no connotation, co-referential names cannot have different meanings; sentence (b) should be as trivial as (a), which is not the case. Finally, there is the problem of the lack of inter-substitutivity in opaque contexts. Consider a sentence such as “Mary believes that Cicero, but not Tullius, was a great Roman orator.” If the proper names ‘Cicero’ and ‘Tullius’ are only labels for the same person, it seems that Mary needs to be able to believe in totally inconsistent things, such as that Cicero is not Cicero. For reasons such as these and under the opposite influence of Russell’s insightful theory of descriptions, the alleged Millian theory of the direct reference of proper names soon fell into a deserved oblivion.

 

Descriptivism (I): Frege and Russell

The descriptivist theory of proper names dominated the 20th century until the 1970s, when it was gradually eclipsed by the new version of Millianism firstly proposed by Saul Kripke and Keith Donnellan. The general idea of descriptivism is that proper names refer indirectly, as shorthand for sets, bundles or clusters of descriptions applicable to the properties of their bearers. In other words, contrary to Millianism, proper names connote. They connote because their role is that of replacing clusters of descriptions, being therefore more complex and not simpler than the descriptions.

  According to a current interpretation that was disseminated by Kripke, there are two forms of descriptivism: the primitive and the sophisticated. The more primitive one, advocated by Frege and Russell, was a theory according to which the meaning of a proper name is given by a single definite description associated with it. The second, more sophisticated one, advocated by philosophers such as Ludwig Wittgenstein, P. F. Strawson and John Searle, attached the meaning of a proper name, not to a single description, but to a whole bunch of descriptions. This new theory can be called the cluster theory of proper names, since it identifies the meaning of a proper name with a cluster, a bundle or an aggregate of descriptions.

  My main goal in this chapter (whose real intention is more explanatory than investigative) is to demonstrate that this dichotomous interpretation of the development of descriptivism is obviously incorrect. My take is that a complex cluster theory of proper names was already alluded to in the writings of Frege and Russell, even though they were not sufficiently thematized. What has happened since then has been a progressive explicitation and addition of aspectual details around a common insight.

  To put my view forward, I want to start considering the Fregean formulation. In the little he wrote about the reference of proper names, Frege interpreted his senses as expressable by different descriptions or conjunctions of definite descriptions that different speakers associate with him. This interpretation appears in a well-known note from his article “On Meaning and Reference”, which can be considered (pace Dummett) the locus classicus of the descriptive theory of proper names in analytic philosophy:

 

In the case of genuinely proper names such as ‘Aristotle’, opinions as to the senses may differ. It might, for instance, be taken to be the following: The pupil of Plato and the tutor of Alexander the Great. Anybody who does this will attach another sense to the sentence “Aristotle was born in Stagira” than will a man who takes as the sense of the name ‘the teacher of Alexander the Great who was born in Stagira’. To the extent that the nominatum remains the same, these fluctuations in the sense are tolerable.

 

What this footnote suggests is that different people may associate descriptions or even conjunctions of different descriptions with the same proper name – conjunctions such as ‘Plato’s most famous student’ and ‘Alexander’s tutor’, ‘the philosopher born in Stagira’. Various partial meanings associated with the proper name are expressed by these variable definite descriptions, under the condition that speakers are able to preserve the same reference.

   It would be naïve to think that Frege would believe that a speaker should have always one or two definite description in mind. If someone uses the word Aristotle having in mind the pupil of Plato and the tutor of Aristotle, why could he not have other descriptions like ‘the author of the Metaphysics’ and ‘the husband of Pythias’ also in mind? This interpretation attributes to Frege a foolish arbitrariness.

 

   However, Frege also observed that fluctuations in sense cannot be so great as to prevent communication: if different language users associate descriptions or conjunctions of totally different descriptions with a proper name, the unity of meaning is lost and it becomes impossible for them to know if they are talking about the same object. Suppose, writes Frege, that Leo Peter went to the residence of Dr. Gustav Lauben and heard him say “I was wounded”, and this is all he knows about Gustav Lauben. Leo Peter tries to comment on what happened to Herbert Garner, who in turn knows of a Dr. Gustav Lauben who was born on September 13, 1875 in N.N., without knowing where Dr. Lauben resides, nor anything else about him. It turns out that Leo Peter and Herbert Garner cannot know if they are talking about the same person. In Frege’s formulation, they

 

do not speak the same language, since, although they do in fact refer to the same man with this name, they do not know that they do so. Therefore, Herbert Garner does not associate the same thought with the sentence “Dr, Gustav Lauben has been injured,” that Leo Peter wants to express with it.

 

From the two quotations above it is easy to conclude that Frege would agree with the cluster theorist that the full meaning of a proper name consists of a set of senses typically expressible by means of a set of descriptions. Moreover, he would also agree that each speaker usually has access to a certain sub-set of this cluster (‘Plato’s most famous student’, ‘the tutor of Aristotle’.) Only these sub-sets need to have at least enough in common to allow speakers to know that they are referring to the same object.

  Michael Dummett, Frege’s most original and influential interpreter, protested against the idea that Frege proposed a descriptivist theory of proper names. Dummett’s claim was that Frege used descriptions because they were easy ways to clarify the meaning of some examples, but that this has nothing to do with Russell’s idea that a proper name is short for a complex description, nor with the referential conception of the meaning inherent in Russell’s theory of descriptions... Moreover, writes Dummett, there is no indication that Frege would agree with the idea that the meaning of the proper name can always be expressed through descriptions. According to him, the important thing for Frege is that the proper name is associated with a criterion enabling us to recognize a given object as its referent. Dummett illustrates this point considering the multiple possible ways to identify the River Thames. Often, he writes, this is done indirectly, using collateral information, as in the case of a person who realizes that it is the same river that passes under the Radcot Bridge or through the citadel of Henley... And one can know that it passes through Oxford without knowing that it is the same river that runs through London, still identifying the river correctly. There is, he concludes, no sufficient condition that everyone needs to know for the identification of the River Thames.

  However, none of the reasons put forward by Dummett justifies his protest. First, it is perfectly possible to adopt descriptivism without a commitment to the referential conception of meaning implied in Russellian logical atomism, which seems to me the culprit of the Dummettian reaction. Then, the descriptivist does not need to argue that everything can be expressed through descriptions: from a phenomenal viewpoint, tactile, visual, and auditory sensations and associated emotions cannot in themselves be the meaning” conveyed through spoken or written words. Descriptions are naturally understood as the linguistic expressions of conventional or conventionally grounded ruleswhich is what we might call any combination of conventional rulesby which an unlimited range of meanings is able to be added to language. And considering the referential character of these descriptions, what they really express are what may be called semantic-criterial rules, whose main function is to bind a proper name to its bearer in one way or another. This understanding, however, is complementary to Dummett’s own idea that the important thing for the meaning of a proper name is that it is associated with an identity criterion for the identification of its bearer, allowing it to be recognized again as being the same.

  Our conclusion is that a philosopher like Frege was far from thinking of a single description as a the complete sense of a proper name used by a speaker. And concerning the whole sense of a proper name he was unspoken cluster theorist. I think Dummett had too narrow a view of what a descriptive theory of proper names can be, based upon a simplified but quite usual understanding of Russell’s own description theory. This will become clearer when we compare his example of the River Thames with Russell’s example of Bismark.

  Let us now move on to Russell’s conception. As already noted, he saw the proper names of ordinary language as abbreviated, truncated or disguised definite descriptions, suggesting that they could be analyzed by the same method with which he analyzed definite descriptions. As he was primarily concerned with logical analysis, he was not very much interested in the ways we really apply proper names in the practice of natural language. However, it was clear that for him a proper name does not abbreviate a single description, as many insisted on interpreting his ideas, and as he himself, for mere convenience of exposition, often did in his more technical texts. His awareness of the real complexity of applying proper names is better shown in a text with fewer formal concerns, his Problems of Philosophy. In this introductory, but nonetheless philosophically deep book, he demonstrates a much more complex understanding of the issue’s pragmatics. Here is a passage:

 

Common words, even proper names, are usually descriptions. That is to say, the thought in the mind of a person using a proper name correctly can generally only be expressed explicitly if we replace the proper name with a description. Moreover, the description required to express a thought will vary for different people, or for the same person at different times.

 

What this passage suggests is that language contains a vast repository of information about the object of a name, which can often be expressed in the form of definite descriptions. When we think or spell a proper name, we are usually keeping in mind one or more of these descriptions, so that a listener only needs to know that our descriptions apply to the same entities evoked in his mind.

  Russell presents, as an example, the name ‘Bismark’. A first and peculiar form of access to Bismark is the one that the latter has to himself in a judgment like “I am Bismark.” In this case, according to Russell, Bismark himself is a component of his judgment, without going through a description. Another way to put it is that of persons who were personally introduced to him. In this case, what they considered were Bismark’s body and mind, known through sets of data associated with him and usually able to be expressed by descriptions. But yet another way to get to know Bismark, Russell writes, is through history. In this case, we associate with his person descriptions such as ‘the first chancellor of the German empire is a cunning diplomat’ (which is a composite description, formed by the conjunction of a definite and an indefinite description). In the end, he concluded, what we usually have in mind is a vast set of historical information expressible in the form of descriptions able to identify the person uniquely. As he wrote:

 

When we, who didn’t knew Bismark, make a judgment about him, the description in our minds will probably be some more or less vague mass of historical knowledgefar more, in most cases, than is required to identify him. But here, for the sake of illustration, let us assume that we think of him as ‘the first chancellor of the German empire’.

 

This is Russell’s own text and reveals his understanding. What he suggests is that when we use a third-person first name, what we have in mind allows us to express through a complex description (the “mass of information”), which can only be constituted by the composition of a variety of descriptions. Such a composite description must have vague contours (which often vary from user to user and even for the same user on different occasions), belonging to an even larger repository of descriptions that express the non-personal totality of identifying information on the referred object.

  What kind of structure this vast repository of descriptions has, if it has one, is something that was left open. If we want, we can try to analyze this cluster as a conjunction of descriptions about the same x, namely, as a conjunction of unambiguous existential assignments of properties. If the descriptive predicates of these properties are symbolized as the set {F1, F2... Fn}, a composite definite description (formed by an indefinite number of definite descriptions) could then be analyzed in Russell’s mode as (Ex) ((F1x & F2x... & Fnx) & (y) (F1y ? y = x) & (y) (F2y ? y = x)... & (y) (Fny ? y = x)). No matter how we decide to interpret the notion of a “mass of information,” the fact is that the interpretation of Russell’s suggestions as the defense that when we use proper names we have in mind a single description is nothing but an interpretive chimera caricaturing what he actually thought.

  What these close textual readings also demonstrate is that Russell is willing to analyze the proper name ’Bismark’ in a way that does not differ substantially from the way by which Dummett analyzed the meaning of the proper name ‘Thames’. A central description, such as ‘the first chancellor of the German Empire’, is for Russell only one of the mass of descriptions that one can associate with Bismark, in the same way that for Dummett the central description ‘the river running through London’ is just one of the many descriptions that we can associate with the proper name ‘Thames’.

If we insist on thinking that Frege wasn’t a descriptivist, then it looks like we should conclude the same with regard to Russell. But since Russell has always been considered the paradigmatic descriptivist, the conclusion can only be that Frege was also a descriptivist and even a potential cluster theorist. And there is a reason to think so: if there is an effective unity in the theoretical object of descriptivist theories, then its various versions need not be inconsistent alternatives to each other, but more or less congruent approximations of the same complex phenomenon, each one of them highlighting different aspects of it, even if diverging in methods and assumptions.

 

Descriptivism (II): Wittgenstein, Strawson and Searle

After Frege and Russell, several other philosophers associated with the philosophy of natural language, mainly Wittgenstein, P. F. Strawson and J. R. Searle, presented suggestions of interest for the improvement of the theory of proper names as clusters or aggregates of descriptions only fragmentarily revealed by the former philosophers. I want to briefly consider some interesting suggestions by each of them, since they will be useful to us later.

  In section 79 of Philosophical Investigations, Wittgenstein added some commentary to Russell’s conception. According to him, ‘Moses’ may be a proper name abbreviating a variety of definite descriptions, such as:

 

the man who led the Israelites through the desert,

the man who lived in such and such a time and place and was called ‘Moses’,

the man who as a child was discovered in the Nile by the pharaoh’s daughter’, etc.

 

  To this he added that the name ‘Moses’ gains different meanings according to the description we associate with him, thus recognizing that a name’s cognitive sense can be expressed by the definite descriptions we associate with it. The question that emerges is: to what extent do descriptions of the cluster of descriptions associated with a name need to be satisfied by the object? Wittgenstein evades a direct response. He limited himself to noting that we use proper names without a rigid meaning, so that even if some descriptions fail to apply, we can still use others as support. Natural language is inevitably vague. Moreover, with time, the body of identifying descriptions of the object referred to by a proper name tends to change: characteristics that previously seemed irrelevant may, in a concept elaborated by science, become relevant and conventionally accepted, while others may weaken or be rejected...

  According to P. F. Strawson, for each proper name there is generally a set of presupposed descriptions, which he calls a propositional-set having indefinite limits. In order to know how to apply a proper name we must normally know a reasonable part of the set which consists of definite descriptions called by him genuinely identifying descriptions, understood as those applying specifically to the name’s bearer. Although neither the limits of the set nor what constitutes a reasonable and sufficient proportion of these descriptions is precisely defined, this should not concern us, because, far from being a fault, this indetermination is part of what makes the use of proper names flexible.

  An important idea from Strawson is that of reference borrowing. He wants to explain how someone can be successful in using a proper name referentially, even without having a proper identifying description. For him, when we do not have a genuinely identifying description, we can borrow the reference credentials offered by another person, who in turn borrows the reference credentials provided by someone else, until they reach those who really know a sufficient proportion of genuinely identifying descriptions to be able to safely identify the object. This is why, after a class, a student can in a sense refer to Aristotle, even if knowing only that he was the philosopher referred to by the teacher. He can do so by borrowing the identifying reference from the teacher, which is sustained by the definite description ‘the philosopher quoted by the teacher in the last class’.

  As for the meaning of a proper name, for Strawson this would be that uniquely identifying description that the speaker associates with the proper name when using it. We may mean different things with a name like ‘Aristotle’, as we associate with him the description ‘Plato’s greatest disciple’ or ‘the author of the Metaphysics’. This makes what we mean by the name something indeterminate. However, that is not a disadvantage, since communication would be much more difficult if each user of the proper name needed to know all the descriptions of the propositional-set in order to be able to apply it.

  John R. Searle, the most recent of these philosophers, was the author of the clearest and most elaborate formulation of descriptivism. Searle notes that we learn and teach the use of proper names only by ostension or by descriptions, and that both methods connect the name to the object only in virtue of specifying enough characteristics of the object to distinguish it from other objects. Hence, there is a close connection between the ability to use a proper name and the knowledge of these characteristics, which can only be expressed by means of descriptions, even if these descriptions are not analytically tied to the object. From this Searle concludes that the use of a proper name has conditions defined by the application of a sufficient but indefinite number of descriptions to a single object; only this indefinite sub-set of descriptions is sufficiently tied to the object to allow references, though no description is necessarily tied to, and no set or sub-set of descriptions requires the existence of the object. He exemplifies this with the name ‘Aristotle’, which is associated with a class of definite descriptions that includes:

 

 the tutor of Alexander the Great,

 the author of the Nicomachean Ethics, the Metaphysics, and the Organon.

 the founder of the Lyceum school in Athens.

 

According to him, the descriptions belonging to the cluster can even possess some indefinite descriptions, such as ‘a Greek’ and ‘a philosopher’. For Searle, the proper name ‘Aristotle’ warrants its application insofar as a sufficient number of such descriptions applies, a number that may vary from speaker to speaker. And we can assume that this number would, in a limiting case, be reducible to a single definite description.

  For Searle, the question of the descriptive condition for applying a proper name is also that for its meaning. Or, in Susan Haack’s summarized paraphrase: proper names have the sense of some indeterminate sub-set of some open-ended set of co-referential descriptions.

  For Searle, the fact that proper names do not connote specific meanings does not mean that they do not connote in any sense. Proper names connote by being shorthand expressions for clusters of descriptions logically connected with characteristics of their bearers in a loose way (in a loose sort of way). But far from being a shortcoming, this is what gives the proper name a flexibility of application much greater than that of an isolated definite description. As Searle wrote:

 

If the criteria for proper names were in all cases quite rigid and specific then a proper name would be nothing more than a shorthand of these criteria, a proper name would function exactly like an elaborate definite description. But the uniqueness and immense pragmatic convenience of proper names in our language lie precisely in the fact that they enable us to refer publicly to objects without being forced to raise issues and come to agreement on what descriptive characteristics exactly constitute the identity of the objects. They function not as descriptions, but as pegs on which to hang descriptions.

 

This version of descriptivism allows us to explain a variety of cases. It is possible, for example, that an object satisfies only a few, or even a single one of the descriptions belonging to the bundle of descriptions usually associated with its name. What cannot happen is that the proper name applies without any of the relevant descriptions being satisfied. As Searle noted, Aristotle cannot be the name of a waiter at a restaurant in Berkeley or the name of a prime number. Or, in his most striking example:

 

If a classical scholar claimed to discover that Aristotle wrote none of the works attributed to him, never had anything to do with the works of Plato or Alexander, never went near Athens, and was not even a philosopher but was in fact an obscure Venetian fishmonger of the late Renaissance, then the discovery would become a bad joke.

 

In possession of this theory of proper names, Searle is enabled to better explain statements of non-existence with proper names. For instance, “Cerberus does not exist” is true, because the set of descriptions associated with the proper name Cerberus (‘the hound of Hades’, ‘the multi-headed dog that guards the gates of the underworld’, ‘the offspring of the monsters Echydna and Typhon’) do not apply in the real world; but Cerberus still has a meaning which is given by descriptions like these. He also has a way to explain analytical and non-analytical identities: we say “Everest is a mountain” when a minimum but indeterminate number of descriptions applies to the object; we affirm an analytical identity, such as “Everest is Everest” or even “Tully is Cicero”, since the same sets of descriptions of each occurrence of the name-word apply to the same object; and we affirm non-analytical identities, such as “Mount Everest is Chomolungma”, since different sets of descriptions apply to the same object. Of the last two proper names he would claim that the different sets of descriptions that people can keep in mind cannot be disjointed; even if they are not identical, they at least need to intersect in a way that enables us to know that we are talking about the same object. In my understanding, these explanations are in perfect agreement with Frege’s own views.

  Although Searle developed the most elaborate exposition of descriptivism available, there are objections, good and bad, to it. An interesting objection, proposed by William Lycan in a class, though already anticipated by Searle, is the following: even if the number of descriptions satisfied by the object is not defined, it needs to be more than half the bundle of descriptions, because less than that would allow two totally different objects, each satisfying one half of the descriptions, to be identified by the same name. However, it seems quite possible that an object can be discovered that satisfies less than half of the descriptions, perhaps only one or two, and that it is still referred to by the name.

  Replying to this objection is not difficult. Like all the criteria of application, the criterion of partial satisfaction of a bundle of descriptions has its limits of application. Thus, if one object satisfies one half of the descriptions and another object satisfies the other half (assuming the descriptions have all the same relevance), there is simply no way to know which object to apply the proper name to, and it thereby loses its referential function. This does not, however, rule out the existence of cases in which only a few descriptions of the cluster are satisfied, and that this is enough for the application of a proper name: it is sufficient that no competing object has been found that satisfies a large number of identifying descriptions as relevant as those already satisfied by the supposed bearer of the first application of the same proper name. This objection shows that Searle’s theory requires some addition to keep its explanatory value. It is necessary to add at least the requirement of the absence of competitors with the same descriptive weight as the cluster of descriptions applied to the chosen object. The main problem with the descriptivist theories discussed in this chapter, as we will see later, is not quite that they contain errors, but that they are still vague and fragmentary theoretical sketches, which limits their explanatory power.

We can, however, end on a positive note. What this short historical excursion demonstrates is that, differently from what some tend to think, there is a strong complementarity and unity in what the defenders of traditional descriptivism have held, since they are in the end all cluster-descriptivists. It is not a question of several competing theories, but of a single research project, which was developed by different authors with various perspectives and interests. This suggests something in favor of its heuristic potential.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


domingo, 18 de outubro de 2020

# COMO EXPRESSÕES REFERENCIAIS REFEREM (1)

 

DRAFT E

 

 

 

 

COMO EXPRESSÕES REFERENCIAIS REFEREM?

                    

 

Uma introdução crítica à filosofia da linguagem

 

------------

 

 

 

 

 

(contracapa)

NESSE LIVRO É DESENVOLVIDA UMA CONCEPÇÃO INOVADORA DOS MECANISMOS DE REFERÊNCIA DOS TERMOS SINGULARES E GERAIS EM FILOSOFIA DA LINGUAGEM. TRATA-SE DE UMA TEORIA BASICAMENTE NEODESCRITIVISTA, CAPAZ DE SER VANTAJOSAMENTE CONTRAPOSTA TANTO ÀS VELHAS TEORIAS DESCRITIVISTAS QUANTO ÀS MAIS NOVAS TEORIAS CAUSAIS-HISTÓRICAS.

AFORA ISSO, CONSIDERANDO QUE O LIVRO CONTÉM UMA CLARA EXPOSIÇÃO DAS CONCEPÇÕES DISCUTIDAS, ELE PODE BEM SERVIR COMO UMA INTRODUÇÃO “OPINIOSA” À FILOSOFIA DA LINGUAGEM CONTEMPORÂNEA.

O AUTOR É DOUTOR EM FILOSOFIA PELA UNIVERSIDADE DE KONSTANZ E PROFESSOR TITULAR NA UFRN, TENDO REALIZADO ESTUDOS PÓS-DOUTORAIS EM MUNIQUE, BERKELEY, OXFORD, GÖTEBORG E NA ÉCOLE NORMALE SUPÉRIEURE. SEUS PRINCIPAIS LIVROS ENCONTRAM-SE EM INGLÊS, SOB OS TÍTULOS DE THE PHILOSOPHICAL INQUIRY (2002) LINES OF THOUGHT (2014) E PHILOSOPHICAL SEMANTICS (2018).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Problemen kann man nicht mit derselben Denkweise lösen, durch die sie entstanden sind.

[Problemas não podem ser resolvidos pelo mesmo modo de pensar que os produziu.]

Albert Einstein

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

SUMÁRIO

 

 

                   PRÓLOGO

 

 

              PARTE I: TERMOS SINGULARES

 

1.     CLASSIFICANDO OS TERMOS SINGULARES

2.     TERMOS INDEXICAIS

3.     DESCRIÇÕES DEFINIDAS

4.     NOMES PRÓPRIOS (I): DESCRITIVISMO

5.     NOMES PRÓPRIOS (II): CAUSALISMO

6.     NOMES PRÓPRIOS (III): METADESCRITIVISMO

 

 

         PARTE II: TERMOS GERAIS

 

7.      INTRODUÇÃO: DESCRITIVISMO VERSUS CAUSALISMO

8.      PUTNAM, A TERRA GÊMEA E A FALÁCIA

      EXTERNALISTA

9.      IRREGULARIDADES DO TERRENO CONCEITUAL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PRÓLOGO

 

 

Meu primeiro encontro com as teorias filosóficas dos nomes próprios aconteceu há mais de trinta anos, quando me encontrava na Alemanha escrevendo uma tese sobre a concepção de significado na última filosofia de Wittgenstein. Como seria de se esperar de um neófito recém-convertido, a melhor resposta parecia-me ser a teoria do feixe de descrições definidas, tal como fora comentada pelo próprio Wittgenstein na seção 79 de suas Investigações Filosóficas. Por contraste, as poucas leituras que fiz na época sobre a concepção causal-histórica da referência dos nomes próprios proposta por Kripke me deixaram escandalizado. O recurso ao batismo e às cadeias causais externas soava-me como uma explicação mágica da referência. Não que eu me sentisse à vontade com a teoria do feixe. Minha opinião era a de que seria necessário impor uma ordem ao apanhado arbitrário de descrições constitutivas do feixe e que isso só poderia ser feito pelo recurso a alguma regra de ordem superior, capaz de estabelecer o papel e o valor das descrições a ele pertencentes. Mas logo me esqueci do assunto.

   Só voltei a me interessar pela questão dos nomes próprios em 2006, por razões meramente acidentais. Lembrei-me então de meu antigo projeto. Escrevi um breve esboço no qual enfatizava o fato de que as descrições definidas pertencentes ao feixe deveriam ser interpretadas como expressões de regras de conexão do nome próprio com o seu objeto de referência. Mais do que isso, me pareceu que em seu aparato cognitivo qualquer falante competente deveria possuir de forma implícita uma regra de ordem superior, uma regra meta-descritiva para nomes próprios, capaz de conferir papel e valor aos diversos tipos de regra-descrição constitutivos de cada feixe de descrições associado a um nome próprio. Tal regra meta-descritiva se aplicaria sobretudo a regras-descrições espaciotemporalmente localizadoras e caracterizadoras da razão pela qual o portador de um nome próprio é por nós referido.

   Apresentei meu esboço em várias ocasiões, sempre surpreso com a forte reação adversa da maioria dos ouvintes. Contudo, como ninguém me apontava um erro sério e como um pouco de reflexão me mostrava que as objeções poderiam ser facilmente respondidas, prossegui. A teoria metadescritivista dos nomes próprios daí resultante encontra-se exposta no capítulo 6 do presente livro, sendo o que ele tem de mais interessante a oferecer. Embora essa teoria não deixe de incorporar intuições provenientes da concepção causal-histórica, ela as condiciona a ideias de fundo claramente descritivista, o que faz com que se deixe melhor classificar como uma elaboração muito mais satisfatória da velha teoria do feixe de descrições.

   A teoria metadescritivista dos nomes próprios tem a sua maior complexidade justificada por sua coerência interna, além da posse de um poder explicativo claramente superior ao das teorias anteriores. Entre os bons atributos que a recomendam encontram-se: (i) ser capaz de explicar adequadamente como e porque o conteúdo cognitivo (sentido) do nome próprio pode contribuir para a identificação de seu portador (objeto ou referência); (ii) ser capaz de gerar a ideia de que nomes próprios são designadores rígidos do próprio interior do descritivismo; (iii) ser capaz de explicar, sob uma perspectiva descritivista, como e porque se dá o contraste entre a rigidez dos nomes próprios e a acidentalidade das descrições definidas e, finalmente, (iv) ser capaz de responder de forma muito mais convincente aos mais importantes exemplos já levantados contra a teoria do feixe.

   A resposta à questão da natureza do nome próprio é uma pedra angular da filosofia da linguagem. Se ela for alterada, tudo se altera. A teoria causal-histórica dos nomes próprios, advogada por Saul Kripke, Keith Donnellan e outros, produziu uma verdadeira revolução na maneira como entendemos outras expressões referenciais fundamentais, que são as descrições definidas, os indexicais, os termos gerais e mesmo as sentenças, inaugurando uma nova ortodoxia causalista e externalista em filosofia da linguagem. Se proponho uma teoria neodescritivista (metadescritivista) dos nomes próprios que se revele verdadeiramente convincente, o que estou sugerindo trás em seu cerne uma contra-revolução de fundo descritivista-cognitivista, que promete responder de modo mais satisfatório aos problemas que a nova ortodoxia tem gerado desde a década de 1970. Essa é, creio eu, a explicação última da reação de rejeição de parte de meus ouvintes diante da proposta de uma teoria metadescritivista dos nomes próprios: ela demanda uma inversão na perspectiva hoje mais comum.

   Isso também explica as direções que minha pesquisa precisou tomar em seguida. Uma vez que me encontrava investigando a função dos nomes próprios, meu interesse teve de se alargar para a história das teorias descritivistas e também para a necessidade de alcançar um entendimento crítico da concepção causal-histórica que fizesse justiça ao trabalho exponencial de Kripke.

   A investigação do funcionamento dos nomes próprios inevitavelmente me levou a considerar outras expressões referenciais, como descrições definidas, termos indexicais e mesmo termos gerais, onde a mesma disputa entre a nova ortodoxia do referencialismo causal-externalista e a velha ortodoxia do cognitivismo descritivista-internalista é mantida. Minha pergunta foi irreprimível. Se havia obtido tão bons resultados defendendo uma espécie de cognitivismo metadescritivista essencialmente internalista para o caso dos nomes próprios, por que semelhante maneira de ver não seria capaz de produzir resultados igualmente interessantes quando aplicada a outras expressões referenciais? A tarefa me parecia imensa, mas a intuição era boa, de modo que decidi considerar também essas questões. O objetivo era duplo. De um lado, queria demonstrar as limitações das teorias referencialistas-externalistas aplicadas a outros termos referenciais; de outro, considerando as objeções, queria desenvolver melhores explicações em essência cognitivistas-internalistas para os modos como descrições definidas, indexicais e termos gerais referem, mesmo que ainda insuficientes.

   Alguns resultados me parecem mencionáveis. Entre eles está a compatibilização do descritivismo de “Russell” com o de “Frege”; uma defesa neofregeana da irrelevância das incongruências não-convencionais em um resgate descritivista do conteúdo semântico fregeano dos indexicais, por oposição à tese de John Perry da essencialidade do indexical; a tese da plasticidade do pensamento; uma crítica linguística detalhada à teoria externalista do significado de Putnam e, em complemento a isso, a proposta de regras meta-descritivas parcialmente análogas às dos termos singulares na constituição de ao menos certas regras de atribuição de termos gerais.

   Trata-se, como creio, de algo que nos aproxima um pouco mais de um conhecimento apto a obter consenso; mais aproximado, portanto, daquilo que em um linguajar genérico chamamos de ciência. Ainda assim, boa parte do que aqui se encontra escrito não vai muito além de esboços rudimentares, que lanço na espectativa de que possam ser melhor desenvolvidos por outros. Assim deve poder ser, dado que filosofia é work in progress por definição.

   Ao trabalhar com essas questões percebi, em retrospecto, que aquilo que estava tentando fazer poderia ser entendido como a retomada de um programa especulativamente desenvolvido por Ernst Tugendhat na década de 1970 em seu clássico livro Vorlesungen zur einführung in die sprachanalytische Philosophie (Lições introdutórias à filosofia analítica da linguagem) – um programa que pode ser considerado o canto de cisne da velha ortodoxia em filosofia da linguagem. Essa velha ortodoxia teve seus inícios com Frege e Wittgenstein, tendo sido fortemente influente até a década de 1980, pelo menos. Contudo, ela acabou perdendo sua força, à sombra do domínio sempre crescente das concepções externalistas e não-descritivistas do acesso à referência – a nova ortodoxia comandada por filósofos como Saul Kripke, Hilary Putnam e David Kaplan.

   Retomando de forma mais clara uma ideia já defendida na interpretação que Michael Dummett fez de Frege, Tugendhat sugeriu em seu livro que se entendesse o programa da velha ortodoxia como sendo, para o caso fundamental da frase predicativa singular, o de analisar o sentido cognitivo (Sinn) do termo singular como sendo a sua regra de identificação (Identifikationsregel), o sentido cognitivo do termo geral como sendo a sua regra de aplicação (Verwendungsregel), que prefiro chamar de regra de atribuição, e o sentido cognitivo ou epistêmico (epistemisches Gehalt) da frase predicativa singular completa como sendo a sua regra de verificação (Verifikationsregel). Essa última regra seria a resultante da aplicação combinada das duas primeiras (da regra de identificação seguida da aplicação da regra de atribuição), o que foi concebido por Tugendhat como uma maneira analiticamente aprofundada de se falar da verificação em termos de significado e, ultimadamente, da verdade no sentido tradicional de correspondência. Ora, meu objetivo deixa-se também explicar como sendo o de justificar e analisar em algum detalhe cada uma dessas regras em sua natureza, estrutura, subdivisões e relações, além de tentar esclarecer seu status ontológico, assim como atributos a elas relacionados, como os de existência e verdade.

   Essas são as estações do presente texto, que foi escrito na intenção de ser entendido por leitores que, apesar de versados em filosofia, não precisassem possuir conhecimento especializado de filosofia da linguagem.

   Em adição, devo observar que o trabalho com esse livro foi interrompido em 2011 para que fosse possível escrever dois livros em inglês: Lines of Thought: Rethinking philosophical assumptions (2014) e Philosophical Semantics: Reintegrating Theoretical Philosophy (2018). Os conteúdos dos três livros são parcialmente inclusivos e complementares. Estou convencido de que juntos eles oferecem uma chave sistemática mais plausível para a solução de alguns problemas fundamentais da filosofia linguístico-analítica contemporânea, baseada em uma variedade de pressupostos teóricos razoavelmente escolhidos (daí o grande número de referências cruzadas no presente texto).

   Um único exemplo para ilustrar a complementariedade em questão: foi só no livro Philosophical Semantics que tratei do enunciado completo, que não deixa de ser um caso especial de expressão referencial. O significado cognitivo do enunciado foi lá analisado em termos de regras verificacionais, o que foi feito juntamente com uma crítica a entendimentos formalistas seriamente equivocados que filósofos do Positivismo Lógico e sua descendência (que vem pelo menos de W. V. Quine a Saul Kripke, passando por Donald Davidson) tiveram do verificacionismo semântico originariamente proposto por Wittgenstein. Esses entendimentos equivocados geraram críticas igualmente equivocadas e, no final das contas, uma rejeição enganosa, posto que bloqueadora dos caminhos da investigação concernentes ao modo mais natural e potencialmente frutífero – creio que na verdade o único – de se analisar significados cognitivos de sentenças assertivas sem ter de reaplicar o próprio conceito de significado. Finalmente, também no livro Philosophical Semantics foi esboçada uma versão genuinamente abrangente da teoria correspondencial da verdade que se demonstrava compatível com o verificacionismo semântico. Tugendhat, acreditando nessa mesma compatibilidade, demonstrou-se mais uma vez presciente.

   Por fim, devo fazer uma advertência. Esse livro é como a proposta de solução de um quebra-cabeças no qual as muitas peças precisam se encaixar perfeitamente umas às outras. Não se pode solucionar um quebra-cabeças considerando encaixes isolados. Por ser assim, cada capítulo, especialmente os mais importantes (capítulos 6 e 8), só adquire credibilidade quando visto como constituindo um argumento complexo, que precisa ser seguido com atenção, podendo essa consideração ser estendida mesmo para o livro como um todo. Este é o ponto forte, a chave e a beleza da concepção nele contida. É desejável, pois, que o leitor suspenda o juízo até ter compreendido como os sub-argumentos se combinam entre si de modo a constituirem um todo complexo cuja plausibilidade se deve ao poder explicativo originado de sua coerência interna.

 

Natal, 2020

 

 

 

 

 

 

 

 

AGRADECIMENTOS

 

 

Quero agradecer aos editores da revista Dissertatio pela permissão para republicar conteúdo inicialmente publicado sob forma de artigos naquela revista. Devo agradecer ao CNPq por uma bolsa de pós-doutorado na Universidade de Konstanz junto ao professor Wolfgang Spohn, onde permaneci no período de 2008 a 2010 e onde pude desenvolver as primeiras versões do presente texto. Tenho muito a agradecer a muitas pessoas, mas em especial gostaria de agradecer ao professor Wolfgang Spohn por ler e discutir comigo uma versão inicial de minhas ideias sobre como nomes próprios referem. Também gostaria de agradecer ao professor João Branquinho pelas discussões sobre nomes próprios nos colóquios da Universidade de Lisboa, além da professora Anna-Sofia Maurin e a seus bem preparados alunos da Universidade de Göteborg. Outras pessoas a quem sou grato são o professor Manuel Garcia-Carpintero, que em 2006 me incentivou a dar início a essa pesquisa, assim como aos professores Richard Swinburne, Peter Stemmer, Marco Antônio Caron Ruffino, Guido Imaguire, Daniel Durante, Ethel Rocha, Cinara Nahra, André Leclerc e Nelson Gomes, por objeções e estímulos. Sou também grato a François Recanati pela gentileza de me ter aceito para um pós-doutorado na École Normale Supérieure em 2016, quando tive a oportunidade de ter um contato mais próximo com seu excelente trabalho em filosofia da linguagem. Finalmente, resta manifestar meus agradecimentos aos professores Raul Landim e Guido Antônio de Almeida, através dos quais há muitos anos descobri a importância das Vorlesungen de Ernst Tugendhat.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

SUMÁRIO

 

 

                   PRÓLOGO

 

 

              PARTE I: TERMOS SINGULARES

 

10.  CLASSIFICANDO OS TERMOS SINGULARES

11.  TERMOS INDEXICAIS

12.  DESCRIÇÕES DEFINIDAS

13.  NOMES PRÓPRIOS (I): DESCRITIVISMO

14.  NOMES PRÓPRIOS (II): HIPÓTESE CAUSAL-HISTÓRICA

15.   NOMES PRÓPRIOS (III): METADESCRITIVISMO

 

 

         PARTE II: TERMOS GERAIS

 

16.   INTRODUÇÃO: DESCRITIVISMO VERSUS CAUSALISMO

17.   PUTNAM, A TERRA GÊMEA E A FALÁCIA

      EXTERNALISTA

18.   IRREGULARIDADES DO TERRENO CONCEITUAL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PARTE I: TERMOS SINGULARES

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1

CLASSIFICANDO OS TERMOS SINGULARES

 

 

Quero começar mapeando brevemente o território a ser explorado ao expor a classificação tradicional dos termos singulares.

 

Tipos de termos singulares

Um termo singular é aquele que é usado para identificar um único objeto (um particular, um indivíduo), ao distingui-lo de uma multiplicidade de outros objetos.[1] Nas línguas européias, o termo singular costuma ser claramente divisível em indexical, descrição definida e nome próprio.

   Comecemos com os assim chamados termos indexicais.[2] Eles podem ser definidos como sendo aqueles termos singulares cuja referência costuma variar com o contexto do proferimento, dizendo respeito ao que se encontra espaciotemporalmente aproximado do falante. Esse é o caso dos pronomes demonstrativos, como ‘esse’ e ‘aquele’, e pronomes pessoais, como ‘eu’ e ‘ela’. Podemos distinguir entre indexicais demonstrativos e puros.[3] Os primeiros são basicamente pronomes demonstrativos e possessivos como ‘esse’, ‘essa’, ‘isso’, ‘aquilo’, ‘ele’, ‘ela’, ‘meu’ ‘seu’, ‘sua’.[4] Eles precisam vir acompanhados de algo mais para poderem selecionar seus objetos de referência. Esse algo mais pode ser um gesto de ostensão, quando não algum pressuposto contextual ou algum elemento descritivo desambiguador capaz de esclarecer o que o falante intenciona referir, como se dá nas expressões ‘essa bola’ ou ‘aquele livro de capa azul na estante’. Já os indexicais puros são aqueles cuja referência é automática, não dependendo nem de ações nem de intenções. Eles se exemplificam basicamente pelo pronome pessoal ‘eu’ e por advérbios como ‘aqui’, ‘agora’, ‘hoje’, ‘amanhã’...

   Há muitas outras expressões cujo conteúdo, em maior ou menor medida, depende do contexto. Como John Searle notou, é até mesmo razoável pensar que todos os nossos enunciados empíricos possuem algum traço de indexicalidade.[5] Considere, por exemplo, o enunciado singular “Galileu foi o primeiro a expor claramente a lei da inércia” e o enunciado universal “Todos os corpos materiais tem força gravitacional”. Parece claro que com o enunciado sobre a descoberta da lei da inércia estamos nos referindo indexicalmente a um acontecimento no planeta Terra no século XVII. Se em algum outro planeta habitado de outra galáxia alguém descobriu a lei da inércia há milhões de anos, isso não afetará a verdade desse enunciado, uma vez que ele foi indexado à história do desenvolvimento científico em nosso planeta. Quanto ao enunciado sobre a universalidade da “força” gravitacional, ele é considerado verdadeiro em relação ao nosso universo. Se existir um universo paralelo com corpos materiais incapazes de produzir um campo gravitacional, o enunciado não deixará por isso de ser verdadeiro, posto que a universalidade em questão é indexada ao nosso universo.

   Não obstante, mesmo que a maioria de nossos enunciados considerados não-indexicais contenha um elemento indexical oculto em seu pano de fundo contextual, isso não destrói nossa caracterização, pois ao falarmos de termos indexicais no sentido próprio estamos fazendo um uso muito mais restritivo da ideia em questão. Nós queremos nos limitar às expressões que, embora variando a sua referência com a variação do contexto de proferimento, fazem isso com a função prescípua de designar referentes em sua relação espaciotemporal interna ao contexto do proferimento (exs.: ‘isso’, ‘aquilo’, ‘eu’, ‘tu’, ‘agora’) ou ao menos próxima a (exs: ‘acolá’, ‘amanhã’, ‘depois-de-amanhã’, ‘ontem’, ‘antes-de-ontem’, ‘na semana passada’...).

   Quando a relação espaciotemporal se encontra muito distante desse “aqui e agora” do proferimento do falante, deixa de ser intuitivo considerar o proferimento como indexical. Considere os proferimentos: “A Próxima do Centauro está a 4,243 anos luz de distância” e “Os estromatólitos viveram há 3,45 bilhões de anos atrás”. Expressões como ‘a 4,243 anos luz de distância’ e ‘há 3,45 bilhões de anos atrás” não são, pela caracterização acima, indexicais como ‘lá’ e ‘ontem’, posto que seus referentes estão respectivamente no espaço e no tempo demasiado distantes do contexto do proferimento (limites são aqui inevitavelmente vagos).

   Passemos agora às descrições definidas. Elas são complexos nominais geralmente iniciados com um artigo definido no singular. Exemplos são ‘a dama das camélias’, ‘o marechal de ferro’, ‘a cidade luz’. O que caracteriza as descrições definidas com mais propriedade é quando elas são capazes de representar ou conotar, através de seu sentido, propriedades distintivas do objeto ao qual se referem. Assim, a descrição ‘o pai de Aristóteles’ é referencial por representar uma propriedade distintiva de uma pessoa de ser o pai de Aristóteles. Algo assim se aplica a outras descrições definidas listadas acima, capazes de conotar respectivamente as propriedades distintivas de gostar de camélias, de ser de uma dureza impiedosa, de ser uma cidade extraordinariamente bela. Por outro lado, uma expressão como ‘O Sacro Império Romano’ (o qual, como notou Voltaire, não era nem sacro nem império nem romano) não é uma descrição definida, mas um nome próprio (recebendo por isso iniciais maiúsculas), posto que não conota propriedades do objeto referido.

   As descrições definidas fazem contraste com as descrições indefinidas, que começam com artigo indefinido, como, por exemplo, ‘uma mulher’, ‘um terno azul’. Essas últimas nos permitem apenas falar de algum objeto qualquer pertencente a uma classe de objetos, mas sem demandar sua identificação. Por serem incapazes de identificar um único objeto específico distinto de todos os outros, elas não são termos singulares.

   Os nomes próprios, por fim, são expressões geralmente destituídas de complexidade sintática, ainda assim mantendo a função de designar um particular na independência do contexto do proferimento.[6] Diversamente das descrições definidas, nomes próprios não exprimem um sentido único. Por isso o filósofo J.S. Mill sugeriu que eles não conotam propriedades específicas do objeto referido; eles apenas o denotam. Mesmo quando eles possuem alguma complexidade sintática, como é o caso do nome ‘Touro Sentado’, ela geralmente de nada serve à referência.

   Nomes próprios são classificados nos livros escolares como nomes de pessoas, objetos ou lugares. Mas essa é uma classificação simplificadora se considerarmos a grande variedade de objetos particulares que podem ser referidos por eles. Além de nomes de pessoas e animais, há nomes de construções humanas como cidades, de objetos geológicos como montanhas e rios, de objetos astronômicos como planetas e nebulosas, de fenômenos naturais como furacões e vulcões, de regiões geográficas e de instituições financeiras, além de nomes de objetos abstratos como números.

 

Relações entre os tipos de termos singulares

Faz parte da concepção essencialmente cognitivista-descritivista a ser defendida nesse livro a sugestão de que não deve haver uma fronteira nítida a separar os indexicais de descrições definidas e essas últimas dos nomes próprios. Uma descrição definida como ‘o homem que está discursando naquele palanque’, por exemplo, é conotativa, mas contém o demonstrativo ‘naquele’ com função indexical. Nesse sentido ela não é uma descrição definida tão exclusiva quanto, digamos, ‘o sapo barbudo’. Considere agora um termo singular como ‘o Cristo Redentor’. Vindo antecedido de artigo definido, ele conota descritivamente a propriedade identificadora da estátua, que é a de ser uma homenagem ao Deus cristão. Ele contém, pois, elementos de descrição definida. Contudo, ele também possui alguns traços de nome próprio, na medida em que ao usá-lo não costumamos ter em mente apenas a homenagem ao filho do Deus cristão, mas a própria estátua do Cristo situada no alto do Corcovado. Assim, a expressão ‘o Cristo Redentor’ parece estar a meio caminho entre uma descrição definida e um nome próprio. Muito diferente é o caso de um nome próprio típico como ‘Machado de Assis’, referente ao grande escritor carioca. Mesmo que ‘machado’ conote uma ferramenta e ‘Assis’ uma cidade, esses elementos descritivos não tem nenhuma função identificadora, pois o escritor nem era um machado nem nasceu na cidade de Assis.

   Há uma hipótese vislumbrada por filósofos como P.F. Strawson[7], que ajuda a explicar a ausência de fronteiras nítidas entre indexicais, descrições definidas e nomes próprios. Queria expô-la como contendo a sugestão de que deve haver uma progressão genético-estrutural, que vai dos indexicais para as descrições definidas e delas para os nomes próprios.[8] Os indexicais parecem ter de algum modo prioridade como fontes originadoras da referência. Afinal, a maneira pela qual crianças aprendem a identificar objetos nos estágios iniciais do aprendizado da linguagem é por intermédio de atos de chamar a atenção e apontar por parte parte dos adultos. Como veremos, é bem razoável pensar que com base nesse uso indexical da linguagem nós assimilamos regras de identificação, as quais podem mais tarde ser expressas por meio de descrições definidas que, diversamente dos indexicais, podem ser usadas para a comunicação mesmo na ausência dos objetos por elas referidos. Essa é a vantagem da constância presente nas descrições definidas e ausente nos indexicais. Finalmente, como as maneiras de se identificar um mesmo objeto, assim como as descrições correspondentes, podem se diversificar cada vez mais, aprendemos a colocar um nome próprio no lugar de toda a variedade de descrições definidas que podem ser usadas para designar um mesmo objeto, usando esse nome indistintamente para significar essa ou aquela descrição ou conjunção de descrições identificadoras.[9] Com isso podemos nos comunicar sobre objetos sem precisarmos nos preocupar com o compartilhamento dos conteúdos de todas as múltiplas descrições específicas. Ganham assim os nomes próprios, além da vantagem da constância, típica das descrições definidas, também a vantagem da flexibilidade. Essa progressão é sugestiva de nossa hipótese de trabalho e indicadora do itinerário a ser seguido.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2

 TERMOS INDEXICAIS

 

 

Indexicais são termos singulares que nos permitem identificar particulares diferentes em diferentes contextos de proferimento. Eles são epistemologicamente importantes porque é através deles que a linguagem, por assim dizer, toca na realidade. Geralmente se admite que um indexical possui minimamente duas espécies de significado: a função lexical e o conteúdo semântico. Para explicá-los quero começar considerando cada um deles separadamente.

   A função lexical (também chamada de ‘sentido literal’, ‘significado simbólico’, ‘caráter’, ‘papel’...) é algo que não varia com a variação do contexto do proferimento. Mas antes, o que é o contexto do proferimento? A resposta é que se trata de uma composição de elementos, dos quais os mais proeminentes são:

 

(a) o falante,

(b) o auditório,

(c) o objeto (= particular) referido pelo indexical.

(d) o local e o tempo em que o proferimento ocorre.

(e) o mundo em que o proferimento ocorre (geralmente o nosso).[10]

 

É aqui importante distinguirmos o contexto de ocorrência do proferimento de seu contexto de avaliação, que podemos definir como aquele que determina o seu valor-verdade. Embora eles geralmente se identifiquem, eles também podem diferir. Assim, se digo “Viajarei amanhã”,  o contexto do proferimento é o que está presente, mas ele difere do contexto de avaliação, que só existirá amanhã, quando minha viagem se tornar o fazedor-de-verdade (o truth-maker), o conteúdo externo de meu presente proferimento. Pode haver mesmo mais de um contexto de avaliação com tempos e locais diferentes relativos a um mesmo proferimento, como em “Ontem em Natal ela me disse que amanhã viajará para o Rio”, quando dito sobre uma terceira pessoa não presente.

   A lista A expõe algumas regras que constituem funções lexicais bastante comuns:

 

            A

1.     Os demonstrativos ‘esse’ e ‘aquele’ tem a função de indicar algo que circunda o falante quando ele os profere, respectivamente, o mais próximo e o mais distante, geralmente com auxílio de algum gesto indicador (ostensão).

2.     O pronome pessoal ‘eu’ tem a função de indicar quem o está proferindo no momento em que o profere.

3.     A palavra ‘nós’ costuma indicar os falantes e ouvintes presentes em seu proferimento.

4.     Os pronomes ‘tu’, ‘vocês’, ‘ele’, ‘ela’, ‘eles’, ‘elas’, indicam componentes do auditório, respectivamente, o ouvinte, os ouvintes, um terceiro, uma terceira, os terceiros, as terceiras, primariamente no contexto do proferimento.

5.     Os advérbios ‘aqui’ e ‘agora’ têm a função de indicar respectivamente o lugar e o momento em que são proferidos.

 

A função lexical de um indexical é aqui entendida como uma invariante, uma vez que se traduz em uma única regra capaz de se aplicar a uma ilimitada diversidade de elementos contextuais do tipo por ela especificado (o pronome ‘eu’, por exemplo, é feito para se referir sempre a quem fala no momento em que fala, na independência de quem fala). Essas regras já demonstram a insuficiência da função lexical para o que nos é de interesse semântico, como o ‘eu’ em um proferimento como “Eu estou com dor de cabeça”, que tem um conteúdo de significação diferente quando dito por pessoas diferentes, pois pode em um caso tornar o proferimento indexical verdadeiro, noutro falso.

   Vejamos agora a segunda espécie de significado do indexical, a que mais nos interessa. Ela é o que tem sido chamado de conteúdo semântico. Diversamente do caso do sentido lexical, o conteúdo semântico do indexical é uma variante que depende do contexto do proferimento, da situação de fala. Não é difícil demonstrar essa variação. Os proferimentos indexicais “Eu estou com dor de cabeça’ ditos por duas pessoas diferentes produz conteúdos semânticos diferentes. “Aquilo é um golfinho” dito duas vezes apontando para objetos diferentes (ou mesmo para um mesmo objeto em tempos diferentes) também deve produzir conteúdos semânticos diferentes. A razão é que a diversidade dos objetos referidos ou dos contextos espaciotemporais no qual se encontra um objeto já basta para alterar os conteúdos semânticos do que é dito, que são pelo menos numericamente diferentes.

   Mas não parece vão notar que há, para além do que foi indicado acima, uma implícita variabilidade na riqueza do conteúdo semântico ou semântico-cognitivo implícito no contexto de avaliação. Suponha que um aluno, ao ouvir seu nome lido de forma impessoal em uma lista de presenças, responda: “Eu estou aqui”. No contexto, é o próprio aluno em carne e osso que se auto-refere: ele torna pública uma regra para a sua identificação física. Suponha agora, por comparação, que após uma operação um homem acorde em um leito de hospital e que, segurando a sua mão, sua esposa lhe diga: “Eu estou aqui”. Como no caso anterior, o pronome pessoal ‘eu’ trás a público uma regra identificadora de quem fala. Mas há um grau diverso de penetração no modo de apresentação intencionado pelo falante. No primeiro caso, o pronome indica para outros um certo aluno de um certo sexo com um certo aspecto pertencente a uma certa classe, sem maiores especificações. No segundo caso, o mesmo pronome indica uma mulher, mas, ao menos para ambos, uma mulher associada a traços físicos e psicológicos peculiares, além de uma história relacional complexa e carregada de memórias compartilhadas. Nos dois exemplos o conteúdo semântico do ‘eu’ não só inclui a localização espaciotemporal de quem fala, mas vai além disso; ele funciona como um instrumento para identificar elementos submersos de quem está falando de um modo variadamente determinado, os quais são compartilhados entre falante e ouvinte, mesmo que isso ocorra de modo restritivo.

   Imagine, para tornar o último caso mais factível, uma comunidade de pessoas que não fizesse uso de nomes próprios nem de descrições definidas, mas apenas de pronomes: nesse caso, parece claro que o conteúdo semântico aliado a pronomes pessoais como ‘eu’, ‘ele’, ‘ela’, ‘eles’, ‘elas’ precisaria abranger muito mais. Nesse caso parece que o conteúdo semântico de ‘ela’ no proferimento “Ela é minha neta” seria abrangente; o ‘ela’ traria implícitos conceitos como o de criança próxima do falante, com certa aparência específica, comportamentos, relações de consanguiniedade etc. Imagine agora que também faltassem a essa comunidade muitos termos conceituais, embora existisse conhecimento tácito deles. Digamos que falte a eles nomes comuns como ‘cadeira’ ou ‘tigre’. Eles poderão ainda dizer: “Isso... para sentar”, “Aquilo... animal perigoso”. Mas parece claro que o ‘isso’ e o ‘aquilo’ se encontram carregados de conteúdos adicionais de significação que não são expressos. (Para contrastar, compare essas observações com o caso mais simples de um aparelho que para ser encontrado sempre anuncia a frase digitalizada: “Eu estou aqui”.)

   Há duas concepções gerais competitivas sobre a natureza do conteúdo semântico, que são a da referência direta (ou milliana) e a cognitivista (ou fregeana em um sentido amplo). Segundo a primeira concepção, o conteúdo semântico do indexical é a própria referência do indexical: ele é o objeto por ele referido no mundo. Já de acordo com as teorias cognitivistas, o conteúdo semântico do indexical é um modo de apresentação fregeano, ou, em uma leitura dummettiana, uma regra criterial identificadora do objeto.

   Uma possibilidade alternativa – que será aqui preferida – é a de distinguirmos entre dois tipos de conteúdo análogos: um conteúdo semântico-cognitivo interno e um conteúdo referencial externo, embora haja razões para se dar primazia ao primeiro. Se for assim, um indexical como ‘isso’ deve ter, além de sua função lexical de indicar um objeto próximo, mais dois elementos, que são o conteúdo semântico, cognitivamente acessível na independência da existência real do objeto externo, e um conteúdo referencial externo, cuja existência independe do falante.

 

Observação sobre o status ontológico dos fatos empíricos

Como empregaremos nesse livro o conceito de fato empírico como o fazedor-de-verdade que se encontra no mundo, é importante, antes de prosseguirmos, esclarecer uma confusão incômoda acerca da referência do conceito de fato, que foi sugerida por Frege e difundida principalmente por P.F. Strawson, que definiu um fato como um ‘correlato pseudo-material do enunciado como um todo’[11], coisa que ninguém sabe ao certo o que possa querer dizer. Contudo, essa tese foi em meu juizo suficientemente relativizada em um artigo postumamente publicado, escrito por seu colega J.L. Austin.[12] Em adição aos contra-argumentos de Austin quero, no que se segue, resumir um contra-argumento que em meu humilde parecer bate o último prego no caixão da sugestão de Strawson.[13]

   Segundo Strawson, por serem correlatos pseudo-materiais, os fatos não são algo no mundo, pois diversamente de eventos ou coisas, eles não são espaciotemporalmente localizáveis. A principal razão aventada para isso é que a descrição de um fato usualmente começa com uma cláusula-que (that-clause). Por exemplo: eu posso dizer ‘o fato de que o livro está sobre a mesa’, mas não é assim tão usual dizer ‘o fato de o livro estar sobre a mesa’. Por outro lado, a descrição de um evento tipicamente proíbe o uso da cláusula-que: eu posso dizer ‘o evento do tsunami no Japão’, mas não propriamente ‘o evento de que um tsunami no Japão’.

   Meu argumento contra a oposição proposta por Strawson visa suportar a ideia de que fatos empíricos são correlatos de pensamentos verdadeiros, ou seja, arranjos de elementos no mundo, tal como a teoria correspondencial da verdade sempre sustentou. Esse argumento começa por mostrar que a oposição defendida por Strawson entre fatos (estados de coisas, situações) de um lado e eventos (e objetos) de outro é equivocada. Isso se faz notar quando percebemos que todo evento pode ser chamado de fato, mas que nem todo fato pode ser chamado de evento. Por exemplo: eu posso substituir ‘o evento do naufrágio do Titanic’ por ‘o fato de que o Titanic naufragou’; mas não posso substituir ‘o fato de que a Casa Branca está em Washinghton’ por ‘o evento de a Casa Branca estar em Washinghton’. A oposição não é simétrica. Ora, como os eventos também podem ser chamados de fatos, é mais razoável considerá-los tipos de fatos do que opor ambas as coisas. Assim, minha proposta é a de que a palavrinha ‘fato’ seja um termo guarda-chuva que inclui tanto situações e estados de coisas quanto eventos, ocorrências e processos. E a razão dessa proposta é que podemos chamar todas essas coisas de fatos, mas não podemos chamá-las todas de estados de coisas ou de eventos. Tendo percebido isso, ficamos livres para distinguir duas grandes sub-classes (hipônimos) de fatos:

 

1.     FATOS ESTÁTICOS: Podem ser tanto formais quanto empíricos, os últimos sendo no final das contas espaciotemporalmente localizados. Fatos estáticos se definem por não mudarem como um todo enquanto duram. Ou seja, a relação entre os seus componentes não muda como um todo durante o período de sua existência. Eles são fazedores-de-verdade de um tipo estático, usualmente chamados (com diferentes nuances) de ‘estados’, ‘situações’, ‘condições’, ‘circunstâncias’, ‘estados de coisas’ etc. Exemplos de fatos estáticos são o meu estado de boa saúde, a situação de que estou repousando na cama, a circunstância de o aeroporto estar fechado, o estado de coisas de a Mona Lisa se encontrar no Louvre.

2.     FATOS DINÂMICOS: Estes são sempre empíricos. Eles se definem por mudarem como um todo enquanto duram. Eles se modificam nas relações gerais entre os seus componentes durante suas existências, com adições e subtrações no todo, de modo que eles tenham um iníciom seguido de alguma espécie de desenvolvimento, e um fim. Eles são fazedores-de-verdade de um tipo dinâmico. Usualmente eles são chamados (com diferentes nuances) de ‘eventos’, ‘episódios’, ‘ocorrências, ‘processos’, ‘transformações’ etc. Exemplos de fatos dinâmicos são o evento da explosão de uma granada, a ocorrência do desabamento das Torres Gêmeas, e ainda o caso de processos mais estendidos no tempo, como a Segunda Guerra Mudial, a Revolução Digital e o término da Idade do Gelo.

 

Parece que estamos agora em condição de encontrar a verdadeira razão pela qual usamos a cláusula-que na descrição dos fatos, mas não na descrição dos eventos. Quando falamos dos fatos dinâmicos, nós evitamos as cláusulas-que. Podemos, por exemplo, falar do processo de mudança climática, mas não do processo de que o clima muda; podemos falar da ocorrência da erupção do Monte Vesúvio, mas não da ocorrência de que o Monte Vesúvio entrou em erupção. Diversamente, fatos estáticos são usualmente (mas não sempre) descritos começando com cláusulas-que. Assim, posso falar do estado de coisas de que meu livro está sobre a mesa ou de que eu estou deitado na cama, embora também possa falar do estado de coisa de meu livro estar sobre a mesa e de eu estar deitado na cama. Posso falar do estado de coisas de que o Monte Vesúvio fica perto de Nápoles, embora também possa falar do estado de coisas de o Monte Vesúvio ficar perto de Nápoles. Em contrapartida, tanto posso dizer “É um fato que o Monte Vesúvio está localizado perto de Nápoles” (referindo-me ao estado de coisas) quanto ‘É um fato que o Monte Vesúvio sofreu uma erupção” (referindo-nos a um evento). De considerações como essas se segue que cláusulas-que parecem ter a função de excluir fatos dinâmicos e enfatizar fatos estáticos. Finalmente, parece razoável sugerir que, como a palavrinha ‘fato’ pode ser aplicada em ambos os casos, ela simplesmente herda a propriedade de poder ser usada indiferentemente, com ou sem a cláusula-que.

   A conclusão relevante disso é a de que, possuindo o mais amplo escopo, a tão frequentemente vilipendiada palavrinha ‘fato’ continua sendo o melhor candidato para o papel de fazedor-de-verdade em uma concepção correspondencial da verdade. Fatos são os fazedores-de-verdade universais.[14]

 

A teoria kaplaniana dos indexicais

David Kaplan foi o inventor da mais original e mais sofisticadamente tecnicista e escorregadia teoria dos indexicais já apresentada.[15] Embora dialeticamente relevante, essa teoria se encontra repleta de dificuldades que não pretendo considerar aqui. Tudo o que farei a seguir será expor seus traços fundamentais, para então objetar contra alguns pontos específicos que não se coadunam com as teses por mim defendidas.

   O sentido lexical do indexical é chamado por Kaplan de caráter. Ele também expôs as regras constitutivas dos caráteres já expostas na lista A em termos de funções matemáticas cujos argumentos são contextos em mundos possíveis. Simplificando um pouco, essas funções constituem a lista B:

 

            B

1.     O caráter do pronome ‘esse’ é uma função de contextos cujos valores são objetos apontados.

2.     O caráter do pronome ‘eu’ é uma função de contextos cujos valores são os falantes que o proferem.

3.     O caráter do pronome ‘tu’ é uma função cujo valor, para cada contexto, é a pessoa endereçada pelo falante no contexto.

4.     O caráter do advérbio ‘aqui’ é uma função de contextos cujos valores são os inúmeros locais que podem ser referidos pela palavra.

5.     O caráter do advérbio ‘agora’ é uma função cujo valor, para cada contexto, é o tempo desse contexto.

 

Kaplan trata também assim do caráter das sentenças indexicais. O caráter de uma sentença como “Eu estou com fome”, proferida por João, é a função de um contexto cujo valor é o próprio estado de coisas de João estar com fome. Essa é uma elegante maneira alternativa de exprimir regras similares às que antes expusemos quando introduzimos a noção de função lexical ou caráter do indexical. Mas a elegância cobra o preço do obscurescimento de uma aqui indispensável base intuitiva.

   A teoria de Kaplan também deve dar conta do conteúdo semântico do indexical em sua variabilidade contextual.[16] Para tal ele advoga uma teoria da referência direta, segundo a qual o conteúdo semântico de um indexical não é algo que se encontra em nossas mentes, mas a sua própria referência. Assim, o conteúdo do demonstrativo ‘isso’ é o objeto por ele referido em um contexto CO; o conteúdo do demonstrativo ‘aqui’ é a localização CL; o conteúdo do advérbio ‘agora’ é o tempo de CT; o conteúdo do pronome ‘eu’ em C é o próprio agente ou CA o conteúdo de um predicado com respeito a C é a propriedade ou relação; e o conteúdo de uma sentença indexical proferida em um contexto C é a proposição estruturada, que poderíamos entender aqui como um fato no mundo (um estado de coisas ou um evento).[17] Esse fato-proposição pode conter não só particulares, mas também propriedades e relações como constituintes. Assim, se João diz “Eu estou com fome”, o conteúdo do pronome pessoal ‘Eu’ é, para Kaplan, o próprio João, enquanto o conteúdo do predicado ‘...estou com fome’ é a própria condição de ele estar faminto. A proposição estruturada pode ser simbolizada aqui pelo par ordenado <<eu>, faminto>.

   (Por razões que serão mais tarde expostas, prefiro entender o que Kaplan chama de proposição estruturada em termos de um conteúdo cognitivo, explicitável como um conteúdo de crença ou pensamento ou conteúdo proposicional judicado, que entendo como sendo, no final das contas, uma proposição estruturada cujo status é em última análise mental, à qual é acrescida a intenção de fazê-la corresponder ao conteúdo referencial factual capaz de torná-la verdadeira.[18])

   Além disso, para Kaplan o conteúdo semântico de uma sentença com relação ao contexto tem um valor-verdade que pode variar de acordo com o mundo possível no qual o contexto se encontra inserido. Assim, “Lá está um gato” é uma sentença falsa no mundo de C, no qual à noite o falante está apontando para um gambá; mas a mesma sentença será verdadeira no mundo possível de C*, no qual o animal apontado é mesmo um gato. Há, pois, sempre um mundo possível com um contexto no qual a proposição é verdadeira.

   Kaplan também defende que os indexicais são designadores rígidos. O termo ‘designador rígido’ foi inventado por Saul Kripke, tendo em mente especialmente o caso dos nomes próprios. Kripke definiu o designador rígido de duas maneiras. Primeiro como sendo (i) um termo que designa o mesmo objeto em todos os mundos possíveis nos quais esse objeto existe, nunca designando outro objeto com respeito a qualquer mundo, tempo ou contexto, depois como sendo (ii) um termo que designa o mesmo objeto independentemente de qualquer consideração, ou seja, em todos os mundos possíveis, mesmo naqueles onde ele não existe.[19] Fiel ao princípio de que não devemos recusar sem razão suficiente intuições linguísticas que nos parecem fundamentais, prefiro rejeitar a segunda definição como carente de significação, posto que ela claramente contradiz aquilo que intuitivamente entendemos como sendo um ato de referir ou designar; afinal, como pode um nome próprio se referir em um mundo possível no qual seu objeto de referência não existe? Avrum Stroll enfatizou esse ponto: que um termo só seja capaz de se referir no caso de realmente existir um objeto de sua referência é parte da gramática lógica de nosso conceito de referência.[20] A primeira definição de designador rígido é, porém, altamente intuitiva. É bastante razoável e, ao que parece, uma obviedade, pensar que um nome próprio como ‘Aristóteles’ se aplica em todos os mundos possíveis nos quais seu portador, Aristóteles, existe, não se aplicando em nenhum mundo possível no qual esse portador não existe. É isso que torna o nome ‘Aristóteles’ um designador rígido.

   Há, porém, uma razão sistemática pela qual a primeira definição de designador rígido não é uma obviedade, pois as descrições definidas são termos singulares que em geral não satisfazem tal condição. Elas não são designadores rígidos, mas designadores acidentais, a saber: aqueles que são capazes de designar objetos diferentes em diferentes mundos possíveis. Considere a descrição definida ‘o amante de Herphylis’. Essa descrição é um designador acidental, pois embora em nosso mundo (muito certamente) ela se refere a Aristóteles, em um mundo possível no qual o amigo de Aristóteles chamado Teofrasto é quem foi o verdadeiro amante de Herphylis, ela se refere a Teofrasto, tenha ou não Aristóteles nele existido.

   Seriam os indexicais designadores rígidos assim como nomes próprios? Para considerarmos a questão precisamos primeiro ter em conta a definição do indexical. A primeira coisa que os indexicais fazem é uma referência a algo (possivelmente um nada) situado em um certo lugar que se encontra dentro do espaço egocêntrico do falante, ou seja, em relação espaciotemporalmente centrada no falante e suficientemente próxima deste. Se o indexical é um designador rígido ele deve manter a mesma referência em qualquer situação de mundo possível no qual essa referência, existe. Para termos uma ideia clara disso devemos entender um mundo possível como o nosso próprio mundo, só que em maior ou menor medida modificado e, eventualmente, extremamente modificado (um mundo possível como o nosso, mas com pequenas modificações, será chamado de mundo possível próximo).[21] Mas como essa referência é algo que se dá em um lugar espaciotemporal, se esse algo existe nesse mesmo lugar em um outro mundo possível (uma modificação do nosso) ele será a referência do indexical. Vejamos um exemplo. Digamos que alguém aponte para um lugar e diga: “Aquele é Donald Trump”. Se, em um mundo possível M* muito próximo do nosso, Donald Trump existir, mas no qual ele nunca foi presidente dos EUA, mas onde mesmo assim pudermos reconhecê-lo e admitir que ele é o portador da referência desse ‘aquele’ específico, podemos marcar esse indexical como sendo ‘aquele*’; afinal, temos outros elementos identificadores, como local de nascimento, filiação, profissão e mesmo aparência física... O mesmo podemos dizer de “Isso é uma maçã vermelha” em um mundo possível M* próximo ao nosso, se tivermos condições de identificar essa mesma maçã vermelha com base, suponhamos, no contexto: ela se encontra na mesma cesta, no mesmo momento, no mesmo mercado... mesmo que outras coisas sejam algo diversas nesse mundo possível. Em M* o isso* terá como referência a mesma maçã vermelha. Com respeito ao pronome pessoal ‘eu’ acontece o mesmo. Se em M* existir uma única pessoa que seja indistinguível de mim mesmo, ela será o objeto de referência de ‘eu*’. O mesmo parece se dar com advérbios como ‘aqui’ e ‘agora’, conquanto tenhamos como encontrar um mesmo aqui* e agora* no outro mundo possível em questão. Essa é uma maneira razoável de entendermos os indexicais como designadores rígidos, pois os estamos fazendo funcionar como se fossem nomes próprios se referindo a algo.

   Contudo, o entendimento de Kaplan da rigidez dos indexicais não é como o recém sugerido. Ele quer que o indexical seja um designador cujas regras semânticas façam com que em qualquer mundo possível o seu referente seja o mesmo que no mundo atual.[22] Ele entende isso de tal forma que mesmo nos mundos possíveis nos quais a referência não existe, o indexical se torna capaz de cumprir com a sua função referencial, posto que ele é indexado pelo nosso próprio mundo atual. Assim, o indexical se torna um designador rígido no segundo sentido de Kripke, que é o de um designador rígido dito obstinado.

   Mas será essa sugestão coerente? Alguns exemplos sugerem que não. Imagine que você esteja em uma sala iluminada e diga “Há luz aqui”. Esse enunciado é verdadeiro. A palavra ‘aqui’ indica o lugar em que se encontra o falante quando ele fala. Mas se em um mundo possível muito próximo ao nosso (ou seja, numa circunstância contrafactual) nesse mesmo instante a mesma sala se encontra às escuras e você diz “Há luz aqui”, esse seu enunciado se torna falso. Não obstante, se o indexical ‘aqui’ fosse indexado pelo mundo atual, como Kaplan pretende, parece que o enunciado deveria continuar sendo verdadeiro, dado que aqui nesse mundo a sala se encontra iluminada. Considere ainda o proferimento “Eu estou com fome”. Ele é falso se pensado por mim agora. Mas imagine que em um outro mundo possível, nas mesmas circunstâncias presentes, eu esteja realmente com fome ao proferir a frase. Como isso seria possível no caso em que o pronome pessoal se referisse a mim mesmo no mundo atual, onde eu não estou com fome?

   Tais incoerências me parecem fatais pela seguinte razão: um algo – um local, um objeto – só costuma ser reconhecivelmente inserido como sendo o mesmo (o nosso mesmo algo, local, objeto...) em um mundo possível se o for intrinsecamente, por suas características próprias, e/ou extrinsecamente, através de suas relações espacio-temporais e causais com elementos contextuais circundantes que pertençam a esse mundo. Por isso, não é coerente que se fale de um local ou objeto em outro mundo possível, inserindo-o assim relacionalmente no contexto diverso desse outro mundo e, ao mesmo tempo, inserindo-o relacionalmente no contexto de nosso próprio mundo, pois quando isso acontece os critérios pelos quais identificamos o local ou objeto em cada mundo possível terminam sendo arbitrariamente confundidos. (Uma maneira de tornarmos a proposta de Kaplan coerente seria reduzir a aplicação do indexical em outros mundos possíveis às mesmas relações espacio-temporais e causais que ele possui em nosso mundo atual. Mas isso tornaria a sua proposta inesperadamente fraca. A referência do indexical seria feita no interior de um recorte de nosso próprio mundo transplantado em um outro, o que redundaria em dizer que o indexical não possui a referência intencionada em nenhum outro mundo possível, à exceção de nosso próprio mundo atual.)

   Devido às dificuldades acarretadas pela noção de indexação pelo mundo atual, adotarei aqui a ideia intuitivamente mais segura de admitir que indexicais são designadores rígidos no sentido de identificarem o mesmo referente em qualquer mundo possível no qual ele exista, o que é possível, conquanto tenhamos critérios contextuais que nos permitam identificar tal referente como sendo o mesmo.

 

Argumentos a favor da referência direta

Ao pensar que o conteúdo semântico do indexical deva ser a sua própria referência, Kaplan se apresenta como um defensor da teoria da referência direta, ou seja, da ideia de que o que realmente conta como o conteúdo semântico (significado) do indexical seja o seu próprio objeto de referência. Ele apresenta originais e elaborados exemplos destinados a demonstrar esse ponto. Quero examinar dois deles, mostrando que não chegam a ser bem sucedidos.

   Começo com um exemplo engenhoso que faz apelo a substituições questionáveis. Digamos que eu aponte para uma pessoa na rua que me parece ser João e digo[23]:

 

(1) Ele mudou-se para Brasília,

 

Isso é verdadeiro para João, pois sei que ele se mudou para Brasília. Contudo, quem está passando na rua não é João, mas Thiago, devidamente disfarçado de maneira a parecer João. Como Thiago não se mudou para Brasília, a proposição é falsa. Para Kaplan, se a proposição fosse mero conteúdo cognitivo, ela deveria ser verdadeira, pois a crença que tenho é a de que a pessoa por mim apontada é João,  sendo verdadeira a minha crença de que João foi para Brasília. Mas não é o que acontece. Daí a conclusão de Kaplan de que é o estado de coisas real, e não o conteúdo da crença, que constitui o conteúdo semântico envolvido.

   Não é difícil, porém, encontrar a falha no argumento. Para dizer (1) eu preciso primeiro identificar a pessoa. Ou seja: só estou autorizado a afirmar “Ele mudou-se para Brasília” porque pretendo ter reconhecido a pessoa que vejo na rua como sendo João e não somente por saber que João mudou-se para Brasília. Melhor dizendo, o proferimento (1) é implicitamente pensado por mim como a conclusão de um argumento que assume o reconhecimento correto de João. Esse argumento é o seguinte:

 

            Aquele sujeito lá é João.                                                            F

            João mudou-se para Brasília.                                                    V

            Logo: (1) Ele (aquele sujeito lá) mudou-se para Brasília.         F

 

Torna-se assim claro que a conclusão (1) não possui como conteúdo semântico a ideia de que João foi para Brasília. Ela é apenas a conclusão resultante de dois outros conteúdos judicados meus, que são o conteúdo falso de que aquele sujeito que eu vejo lá é João[24] e o conteúdo verdadeiro de que João mudou-se para Brasília. Mesmo que (1) se deixe explicar como sendo a conclusão de um argumento que contenha as duas premissas acima, (1) contém um conteúdo semântico independente delas, o qual, comparado à realidade, ao estado de coisas no mundo, se demonstra falso. É esse conteúdo semântico-cognitivo aquele que tenho em mente e que é tornado falso pelo estado de coisas no mundo, o estado de coisas de a pessoa lá (Thiago) não se ter mudado para Brasília, não precisando tal conteúdo ser confundido com o estado de coisas real.

   Suponhamos agora, para contrastar, que Thiago também tenha ido para Brasília. Ora, nesse caso o meu enunciado (1) será apenas coincidentalmente verdadeiro, o que precisará ser admitido, mesmo que eu o tenha derivado da premissa falsa de que aquele sujeito que vejo lá seja João. Eu, pelo menos, apenas penso que sei que ela é verdadeira, pois a minha justificação para sua verdade se baseia na premissa falsa de que aquele sujeito que estou vendo lá é João, quando ela deveria ser outra. Essas reflexões demonstram que a crença que tenho de que a pessoa por mim apontada é João não tem nada a ver com o conteúdo semântico-cognitivo que possa ser lido no meu proferimento de (1).

   Outro argumento de Kaplan, dessa vez inspirado no externalismo semântico de Putnam, diz respeito a dois gêmeos idênticos, Castor e Pollux, que são monitorados de modo a terem sempre os mesmos estados cognitivo-psicológicos.[25] Em um dado momento ambos dizem:

 

(1)    Meu irmão nasceu antes de mim.

 

Como Pollux nasceu antes, Castor diz algo verdadeiro e Pollux diz algo falso. Para Kaplan, como os estados cognitivos são idênticos, a diferença no conteúdo de crença só pode se encontrar no mundo lá fora, na proposição estruturada externa.

   Contudo, há algo de errado também com esse exemplo. Ele só funciona se assumirmos, como Kaplan o fez, que o externalismo de Putnam é correto. Se for, então é possível dizer ou querer dizer coisas com valor-verdade diferente mantendo o mesmo estado mental. O argumento de Putnam, porém, será demonstrado bastante implausível no capítulo 8 desse livro, quando formos discutir os significados de termos gerais. Contudo, se desconsiderarmos o externalismo de Putnam, a assunção de que Castor e Pollux estariam tendo idênticos estados cognitivo-psicológicos e querendo dizer coisas diferentes torna-se gratuita. Afinal, por meio do proferimento (1) com a expressão ‘meu irmão’ Castor deve ter em mente Pollux e Pollux Castor, e com o pronome ‘mim’ Castor tem em mente Castor e Pollux Pollux. Mesmo sendo idênticos, os gêmeos possuem nomes diferentes e se diferenciam pelas posições diferentes que ocupam e sabem que ocupam no espaço. (Castor pode até não saber onde está Pollux, mas sabe que Pollux não pode estar onde ele está, mas sempre em algum outro lugar, mutatis mutandis.)

   Sob tais assunções é mais natural pensarmos que só há duas alternativas: ou (a) eles querem dizer coisas diferentes ao custo de estados cognitivo-psicológicos diversos, ou então (b) eles pronunciam frases idênticas com os estados cognitivo-psicológicos idênticos, mas então sem serem sequer capazes de querer dizer com elas algo que vá além de um mero sentido gramatical, que é inevitavelmente o mesmo. Nesse último caso, a única maneira de se conceber que Castor diz algo verdadeiro e Pollux diz algo falso é considerar o que eles dizem sob o ponto de vista de um ouvinte capaz de entender o conteúdo do proferimento emitido por Castor como sendo verdadeiro e o conteúdo do preferimento emitido por Pollux como sendo falso. Mas nesse caso, um proferimento é verdadeiro e o outro é falso porque os estados cognitivo-psicológicos do ouvinte a considerar a frase “Meu irmão nasceu antes de mim” dita por cada um dos gêmeos é diferente. Assim, uma explicação para a impressão de que seja possível que Castor e Pollux tenham idênticos estados cognitivo-psicológicos e diferentes conteúdos de crença pode ser facilmente encontrada na falha em perceber o papel dos intérpretes na atribuição de significados semântico-cognitivos aos proferimentos.

 

Argumentos contra a referência direta

Há dois argumentos básicos contra teorias da referência direta dos indexicais como a de Kaplan. O primeiro é bastante óbvio: existem proferimentos com indexicais vazios, como no caso de alucinações, como “Lá está um cavalo branco” dito por uma pessoa com alucinose alcoólica. Tais enunciados possuem conteúdo semântico-cognitivo sem proposição estruturada. Para sua própria satisfação, teoristas da referência direta costumam responder que tais proferimentos são irrelevantes para a semântica.

   Mas o mais ilustrativo contra-argumento é o de proferimentos contendo indexicais co-referentes, mas com diferentes conteúdos semânticos. Imagine, por exemplo, que em uma loja de roupas Maria veja uma única mulher à sua frente e, em um dos espelhos ao lado, veja refletida a mesma mulher de costas.[26] Confundida, Maria pensa que são duas pessoas distintas. Ela está em condições de dizer:

 

     (1) Essa pessoa não é aquela pessoa.

 

Contudo, se o conteúdo do pensamento de Maria fosse a proposição estruturada e o objeto fizesse parte dessa proposição, parece que ela deveria saber que se trata de um mesmo objeto de referência, de uma mesma mulher. Mas não é isso o que acontece. Maria acredita falsamente na verdade do seu conteúdo de pensamento exprimível em (1).

   Da parte do defensor da teoria da referência direta, a resposta poderia ser a de que um mesmo objeto pode ser acessado sob modos diferentes, os quais são condicionados pelos caráteres dos indexicais envolvidos. Assim, os indexicais ‘essa’ e ‘aquela’ em (1) tem caráteres diversos, que para Kaplan estão no lugar dos sentidos fregeanos, permitindo o erro na identificação “dessa” ou “daquela” pessoa. Essa resposta, porém, esbarra em dificuldades óbvias. Afinal, Maria poderia ter usado o mesmo indexical duas vezes para designar objetos diferentes, como ao proferir a frase:

 

     (2) Essa pessoa não é essa pessoa,

 

e ao fazer isso apontar primeiro para a pessoa à sua frente e depois para a pessoa refletida no espelho ao seu lado.[27] Seria possível, é verdade, responder que nesse caso a primeira ocorrência do demonstrativo ‘essa’ não pode ser substituída pelo demonstrativo ‘aquela’, enquanto a segunda ocorrência pode, o que mostra que o diferente caráter dos indexicais se encontrava implícito. Mas podemos imaginar situações nas quais esse não é o caso, como quando os dois objetos que aparecem à Maria bastante próximos, digamos, em uma tela de computador.

   O que contra-exemplos como esse sugerem é que existe mais entre o indexical e o objeto do que nosso vão caráter permite imaginar.[28] Ao influir na atribuição de verdade, o modo de apresentação do objeto pelo indexical permite um detalhamento cognitivo da experiência que vai além daquilo que a função lexical do indexical é capaz de explicitar. Nós experienciamos os objetos sempre sob perspectivas, sob modos de apresentação, sob sentidos “fregeanos” com base nos quais os inferimos. Entender o conteúdo semântico em termos da própria referência, na independência desses modos de apresentação, é deixar sem explicação o caráter perspectivista ou aspectual da experiência.

   Pode ser que haja estratégias concebíveis contra as objeções acima. Podemos interpretar o objeto, a propriedade e mesmo o fato de uma maneira aspectual e mesmo assim externa, objetiva. Nesse caso (i) pode dizer respeito a dois sub-objetos: (i-a) o sub-objeto de algo que aparece à frente do falante como uma mulher vista de frente (‘a frente da mulher’) e (i-b) o sub-objeto de algo que aparece ao lado direito do falante como uma mulher vista de costas (‘as costas da mulher’). Cada um desses sub-objetos é objetivo (pois poderia ser similarmente acessado por outra pessoa que estivesse no lugar de Maria) e mesmo diversamente localizável em termos de superfícies do objeto no mundo externo. Não obstante, se levarmos em conta o que sabemos hoje sobre os mecanismos de percepção e sobre o possível engano, mesmo em nossa apreensão de semelhantes modos de apresentação (e.g., alucinação), continua parecendo bastante certo que também esses sub-objetos nos são, mesmo que de forma irresgatável para a consciência, primeiramente dados à experiência como modos de apresentação cognitivos (contendo sense data) e então, sob condições normais, naturalmente interpretados como pertencentes ao mundo externo.[29]

 

Alternativas neofregeanas

As ideias de Frege sobre os proferimentos indexicais foram muito brevemente esboçadas em algumas poucas frases de seu clássico ensaio intitulado “O pensamento” (“Der Gedanke”). Ele percebeu que no caso de proferimentos indexicais o (conteúdo de) pensamento (o sentido da frase, seu conteúdo cognitivo também chamado de proposição) vai além do que as palavras dizem. Em um exemplo seu, se alguém diz:

 

     (1) Essa árvore está florida,

 

Digamos que esse pensamento seja verdadeiro. Ele não se tornará falso daqui a oito meses, quando o inverno tiver feito a árvore secar. E a razão disso, escreveu Frege, é que nesse caso “o momento da enunciação é parte da expressão do pensamento”.[30] Frege dá a entender que os elementos contextuais que cercam o proferimento indexical são partes não-linguísticas da expressão do pensamento. Para ele, o tempo do proferimento, o gesto de apontar, o olhar, são capazes de atuar como meios complementares de expressão do pensamento. Como consequência, o proferimento “Essa árvore está florida” feito em abril ou maio no hemisfério norte exprimirá um pensamento diferente de quando é feito em janeiro. Embora Frege não tenha dito, se nesses casos o pensamento varia com o tempo do proferimento, parece claro que ele deve variar também com o lugar do proferimento, no caso, o contexto espacial no qual ele aponta para o objeto.

   Note-se, contudo, que pelo fato de semelhantes elementos contextuais serem para Frege parte da expressão do pensamento, eles próprios não são parte do pensamento. Frege sustentava, como é sabido, uma concepção platonista do pensamento como sendo uma entidade não-espaciotemporal (eterna), que somos capazes de apreender (fassen). Admitindo-se uma reconstrução cognitivista da concepção platonista que ele mantinha sobre a natureza do pensamento, devemos concluir que, como estado cognitivo-psicológico objetivamente concebido, o pensamento indexical, ou seja, o conteúdo cognitivo do proferimento indexical, precisa incluir em si mesmo a representação conceitual dos elementos contextuais acima considerados, particularmente a localização espaciotemporal. Como notou Michael Luntley, “o pensamento é conteúdo contextualmente expresso e não o próprio estado de coisas contextualmente situado; ele não é sequer um amálgama de conteúdo mais contexto”.[31]

   Outro ponto é que se o sentido (Sinn) fregeano é um modo de apresentação geralmente exprimível por meio de descrições definidas, parece que os elementos contextuais que ajudam a exprimir o pensamento indexical deveriam poder ser resgatados em termos descritivos de modo a formar frases eternas, capazes de expressar o pensamento na independência do contexto. Por conseguinte, gostaria de sugerir que um proferimento como (1) possa ser substituído pela seguinte frase eterna, uma frase capaz de exprimir o pensamento na independência do contexto concreto de seu proferimento:

 

(2) O local mais próximo apontado pelo falante F situado no local L no momento T ao dizer: “Essa árvore está florida” (ou: que a árvore que ele vê está florida),  contém algo que tem as propriedades de ser uma árvore e de ela estar florida.

 

Note-se que se considerarmos o lugar do demonstrativo ‘essa’ na frase eterna (2), veremos que ele deixou de se referir a algo contextualmente dado no mundo. Ele aparece no interior de uma frase que se encontra entre aspas ou é elidido pela frase-que entre parênteses. Como sabemos, tais frases passam a ter o que Frege chamava de uma referência indireta, que é o seu próprio sentido, e não mais sua referência direta (que para ele seria o seu valor-verdade, mas que para muitos é mais plausivelmente considerada o próprio fato ou estado de coisas de a árvore estar florida). O sentido do demonstrativo ‘essa’ pode ser aqui exprimido pela descrição definida ‘o algo situado no lugar E que o falante F no tempo T aponta’ – um modo de apresentação que reproduz cognitivanente os traços distintivos do contexto. Naturalmente, se uma dessas variáveis for diferente, o pensamento expresso também será alterado. Note-se também que a pretensão de verdade de (1) não desaparece em (2), uma vez que nesse último enunciado é afirmado que o local em questão ‘contém algo que tem as propriedades de ser uma árvore e de ela estar florida”. Concluindo: contrariamente ao que certos filósofos como John Perry pensam, podemos perfeitamente parafrasear uma frase indexical por meio de uma frase eterna, relendo o pensamento indexical como parte de um pensamento eterno. É verdade que a vivência fenomenal do acontecimento é perdida, mas isso não chega a ser relevante.

   A maneira de ver que proponho contrasta com o ponto de vista de Kaplan. Para mim, o equivalente  central do sentido fregeano (Sinn) do indexical é o seu conteúdo semântico-cognitivo, enquanto que para ele o equivalente do sentido fregeano do indexical é o seu caráter, enquanto seu conteúdo semântico é o objeto por ele referido. A sua correlação <sentido-caráter> seria mais plausível se expressões outras que não as indexicais não tivessem algo equivalente ao caráter ou função lexical. Mas não é assim. O nome próprio tem algo correspondente à função lexical (caráter), que consiste na sua função geral de nomear , que é a de se referir a um objeto específico e distingui-lo de todos os outros. Mesmo assim, o sentido fregeano do nome próprio não se reduz a essa função lexical geral de nomear, mas, como ele mesmo nos demonstrou, aos ‘modos de apresentação’ constitutivos de seu conteúdo, que embora deva incluir a função geral de nomear, de modo algum se limita a ela. Parece que o mesmo podemos dizer do termo geral: a sua função lexical (seu caráter) seria a sua função predicativa de ser capaz de dizer o mesmo de muitos, enquanto que o conteúdo cognitivo de um termo geral específico poderia ser entendido (embora Frege não tenha pensado assim[32]) como um modo de apresentação de uma expressão predicativa específica (e.g. ‘...coração’ = ‘...órgão feito para bombear o sangue’). Podemos saber que ‘César’ é um nome sem saber quem é César ou de que César se trata, e podemos saber que ‘visitar’ é um predicado relacional sem ter como aplicá-lo. A própria frase tem uma função lexical, que consiste no que tem sido chamado de o seu sentido linguístico; esse sentido literal da frase pode ser caracterizado como aquilo que podemos entender enquanto não tivermos qualquer informação que nos auxilie na efetiva identificação da referência.[33] Uma frase como “César visitou Calpúrnia”, por exemplo, tem um sentido literal, um caráter, que é anterior ao pensamento fregeano, ao seu sentido ou conteúdo cognitivo (epistemisches Gehalt), pois sabemos que ela é sintaticamente correta, mesmo não conhecendo nada da história nem dos sentidos fregeanos dos nomes ‘César’ e ‘Calpúrnia’ no contexto. Já para entendermos o sentido-pensamento-conteúdo expresso – o conteúdo cognitivo ou epistêmico – nós precisamos mais do que isso. Precisamos conhecer, ao menos em suficiente medida, os sentidos ou modos de apresentação associados aos nomes, a espécie de visita e o contexto no qual seus portadores existiram, construindo assim aquilo que doa conteúdo cognitivo ou valor epistêmico (Erkenntniswert) ao que é dito. (Historicamente, Júlio César visitou sua esposa Calpúrnia Pisônia na noite do dia anterior ao seu assassinato, quando ela lhe avisou de um sonho que continha um mau presságio, pedindo-lhe para não ir ao senado...) Ora, se mesmo em frases não-indexicais a tricotomia <função lexical – conteúdo – referência> se sustenta, por que rejeitá-la para as frases indexicais? Se ela existe para nomes próprios e aparentemente também para predicados, por que rejeitá-la para os termos indexicais?

   Podemos construir um esquema próximo ao de Frege, distinguindo níveis semânticos com relação à frase indexical predicativa singular.[34] Para tal é preciso distinguir dois subníveis semânticos do sentido cognitivo (Sinn): (i) o subnível do sentido linguístico (lexical, literal), contextualmente independente, e (ii) o subnível mais propriamente epistêmico do conteúdo semântico e do pensamento, que é aquilo que Frege mais propriamente tinha em mente ao falar do sentido. Quanto ao nível da referência, prefiro admitir a ontologia dos tropos e sugerir que ao falarmos de propriedades estamos tratando de tropos (propriedades espaciotemporalmente localizadas) simples ou complexos, enquanto ao falarmos de objetos estamos tratando de agrupamentos mais ou menos organizados de tropos compresentes (co-localizados e co-temporais) geralmente pertencentes ao mundo externo, mas possivelmente à própria mente.[35] Uma vez feitas essas admissões, temos o esquema:

 

                                              Indexical            predicado             frase

 


                       Sentido           função[36]        +     função            =    sentido

Sentido           linguístico      lexical                predicativa            linguístico

cognitivo

                       Conteúdo      conteúdo      +    conteúdo         =    conteúdo de

                       cognitivo       semântico          conceitual              pensamento

 

Referência                             objeto          +     propriedade   =   fato

                                             (agrupamentos    (simples ou         (combinação            

                                             de propriedades)   composta)         de proprieda-

                                                                                                    des e agrupa-

                                                                                                    mentos de pro-

                                                                                                    priedades)

 

Vemos, pois, que a função lexical do indexical também pode ser entendida como fazendo parte (secundária) do sentido cognitivo, pois a função lexical consiste na determinação geral de um tipo de entidade a ser apresentada. Mas ela precisa ser complementada por aquilo que é epistemicamente relevante, pelo conteúdo semântico-cognitivo, que no caso é o modo de apresentação de alguma coisa contextualmente dada. O mesmo acontece com a própria frase indexical. Considere a frase “Aquilo é uma raposa”. A articulação gramatical da frase não deixa de fazer parte do sentido que ela exprime. Mas ele só se torna relevante e se completa como pensamento ou proposição se contiver também um procedimento verificacional, que deve incluir os critérios específicos de identificação de um certo animal no local e no momento em que ele é apontado.

   Um outro ponto a ser considerado é a ideia fregeana de que os sentidos determinam as suas referências. Embora isso seja correto e também no proferimento indexical o sentido determine a referência, antes disso e simultaneamente a isso aqui é a referência que costuma determinar o sentido. Ao ser avistada, a árvore florida real determina causalmente a sua identificação pelo demonstrativo ‘aquela’, o qual, tendo ganho conteúdo cognitivo, passa a determinar intencionalmente para o falante onde e como a árvore se encontra. Mas não parece que essa mutualidade requeira alguma modificação relevante no princípio fregeano de que o sentido determina a referência. Afinal, é certo que muitas vezes as regras semânticas são estabelecidas tendo como base causal a própria referência; isso acontece com nomes próprios e termos gerais, cujas regras semânticas são originadas da experiência que respectivamente temos de objetos e propriedades. A diferença é que no caso dos nomes próprios e dos termos gerais essa experiência deu-se geralmente no passado e gerou convenções semânticas tácitas, mais ou menos compartilhadas entre os falantes. Essas convenções são os sentidos fregeanos, devidamente reconstruídos sem um desnecessário apelo ao realismo ontológico, os quais por sua vez são usados para determinar a referência.[37] A diferença com relação ao indexical não está, pois, no fato de o conteúdo cognitivo ser determinado pela referência, mas no fato de ele estar sendo presentemente determinado pela sua referência e pelo fato de que a regra que o constitui – que não deve se distinguir do próprio conteúdo semântico-cognitivo do indexical – não ter chegado a se instituir na forma de uma convenção entre os falantes (embora, como veremos, ela possa se tornar eventualmente uma convenção, no caso em que partes importantes de seu conteúdo acabem se tornando explicitáveis através de descrições definidas suficientemente compartilhadas entre os falantes).

   Finalmente, uma concepção neofregeana do funcionamento dos indexicais como essa que estou sugerindo responde bem ao problema do conteúdo das frases indexicais falsas. Suponhamos que nossa vítima de alucinose alcoólica tenha a alucinação perfeita de um cavalo branco. A pessoa diz “Lá está um cavalo branco” apontando para o espaço vazio. Para a teoria da referência direta, a crença falsa que a pessoa está tendo precisaria ter uma natureza semântica intrinsecamente diversa da natureza da crença que ela tem quando aponta para um cavalo de carne e osso no mundo atual. Afinal, só no último caso o conteúdo semântico do indexical está sendo dado como uma proposição estruturada no mundo externo! Contudo, não há qualquer diferença intrínseca entre um e outro conteúdo fenomenal de crença, posto que na alucinose alcoólica as alucinações são qualitativa e quantitativamente perfeitas. O que nos evidencia tratar-se de uma alucinação é na verdade a ausência de um contexto adequado e, sobretudo, a ausência de intersubjetividade. A ideia de um “modo de apresentação intencional” capaz de interpretação fenomenal não diferencia radicalmente as crenças indexicais falsas das crenças indexicais verdadeiras.[38]  Para ela, o proferimento “Lá está um cavalo branco” tem exatamente o mesmo conteúdo semântico-cognitivo, o mesmo modo de apresentação, seja ele verdadeiro ou falso, o que está em perfeito acordo com nossas intuições.[39]

 

O problema do indexical essencial

Contra o recém-esboçado entendimento neofregeano do conteúdo semântico dos indexicais há algumas objeções importantes. Quero agora apresentá-las seguidas de suas respostas.

   A primeira é a de que devem existir conteúdos de pensamento irredutivelmente indexicais. John Perry[40] introduziu essa objeção por meio de um bem conhecido exemplo. Encontrando-se uma vez em um supermercado ele percebeu um rastro de açúcar no chão e pôs-se à procura do responsável. Após dar uma volta ao redor da estante ele percebeu que o rastro vinha do seu próprio carrinho! A constatação inicial era:

 

     (1) Alguém está fazendo uma bagunça.

 

No final a sua constatação se tornou:

 

     (2) Eu estou fazendo uma bagunça.

 

A constatação (2) não é a mesma que (1), pois acompanhou-se de uma súbita mudança de comportamento. Ela também não pode ser substituída por (3) “Perry está fazendo uma bagunça”, pois suponha que Perry estivesse sofrendo de demência, tendo esquecido o seu próprio nome... A constatação poderia, é certo, ser substituída por (4): “Perry está fazendo uma bagunça e Perry sou eu”. Mas nesse caso apenas se reconhece a indispensabilidade do indexical.

   O ponto em questão é o seguinte. Se Frege estivesse certo, então o modo de apresentação do objeto expresso pelo indexical deveria poder ser sempre parafraseado por uma descrição definida. Mas o exemplo de Perry demonstra que o pronome pessoal ‘Eu’ em “Eu estou fazendo uma bagunça” não pode ser substituído por descrição alguma sem que o seu conteúdo se altere. Ora, isso parece suportar a ideia de que o conteúdo semântico do indexical é o próprio objeto referido e que a concepção referencialista do conteúdo semântico dos indexicais é correta.

   Uma resposta a essa objeção foi apresentada por John Searle. Ele admite a conclusão de Perry de que é impossível encontrar uma paráfrase descritiva que preserve exatamente os mesmos critérios de verdade da frase indexical (2). Contudo, Searle pensa que essa constatação não basta para derrubar a ideia de que os indexicais possuem sentidos fregeanos como conteúdos semânticos, pois mesmo que não possamos substituir o indexical por uma descrição equivalente, isso não implica que o conteúdo semântico não seja um sentido fregeano.[41] Afinal, é perfeitamente possível que o indexical se refira através de um modo de apresentação sem que este último seja resgatável por descrições, ou pelo menos sem que ele seja inteiramente resgatável por elas.

   Não creio, porém, que sequer essa concessão seja necessária. Minha resposta já foi inadvertidamente dada quando parafraseei o proferimento de Frege “Essa árvore está florida” ao discutir o externalismo semântico de Kaplan. Pretendo mais adiante mostrar que é fácil aplicar o mesmo procedimento aos exemplos dados por Perry. Antes disso, porém, quero discutir outras objeções apresentadas por esse autor com finalidades similares.

   Eis um segundo contra-exemplo que adapto de Perry[42]: Maria profere o enunciado:

 

      (1) Hoje é 7 de setembro.

 

no dia 6 de setembro. Logo, a crença é falsa. Perry supõe que para Frege é preciso haver alguma descrição que capture o sentido do indexical ‘hoje’. Suponha que Maria esteja pensando na descrição definida ‘o dia da proclamação da república’. Nesse caso, ao dizer (1) Maria está querendo dizer:

 

(2)    O dia da proclamação da república é 7 de setembro.

 

Nesse caso, pensa ele, o descritivismo fregeano implica que a palavra ‘hoje’ dita no dia 6 se refere ao dia 7 de setembro e que o proferimento (1) dito em 6 de setembro expressa uma crença verdadeira, o que é absurdo. Portanto, a ideia de Frege não pode estar correta.

   Mas há problemas com essa objeção de Perry. Primeiro: mesmo que Maria tenha em mente em (2), não é obviamente isso o que ela está querendo dizer com (1). Embora ela também possa estar implicitamente querendo informar que hoje é o dia em que se comemora a proclamação da república, explicitamente o que ela está apenas querendo dizer que hoje, o dia no qual ela está produzindo o proferimento (1), é realmente o dia 7 de setembro, o que sabemos ser falso. O certo seria desdobrar o enunciado de maneira a expor por completo o que ela de fato diz e o que ela tem em mente:

 

(3)    O dia de hoje é o dia 7 de setembro e o dia 7 de setembro é o dia da proclamação da república.

 

A conjunção (3) é, pois, a que melhor explicita aquilo que Maria tem em mente ao proferir (1) no entendimento fregeano. Mas essa é uma conjunção obviamente falsa. Até aqui nada de errado com Frege.

   Mas podemos ir além, demonstrando que o conteúdo do proferimento não precisa ser essencialmente indexical. Ele pode ser reinscrito em terceira pessoa como:

 

(4)    No dia 6 de setembro de 2011 Maria diz “Hoje é o dia 7 de setembro”.

 

Ou ainda, contendo a descrição explicitadora do que Maria supostamente quer informar, ele pode ser expresso assim:

 

(5) No dia 6 de setembro de 2011 Maria diz que hoje é o dia 7 de setembro, assumindo que 7 de setembro é o dia da proclamação da república.

 

É verdade que os enunciados (4) e (5) não são sinônimos de (1): aqui informações adicionais são acrescentadas. Mesmo assim, os enunciados ainda contém o indexical ‘hoje’, incluindo o conteúdo de (1). Não obstante, esse o núcleo indexical foi transformado. Os enunciados (4) e (5) transformaram o indexical ‘hoje’ em uma palavra que possui o que Frege chamaria de referência indireta dada no contexto de uma frase sobordinada. Nesse caso, pensava ele, a referência da frase subordinada passa a ser o seu sentido, donde o indexical ‘hoje’ perde a sua referência indexical originária passando a se referir ao modo de apresentação interno do dia 7 de setembro (o sentido), o qual deixa de ser contextualmente relativo. Os enunciados (4) e (5) são verdadeiros e são frases eternas, que nem por isso deixam de assinalar o valor-verdade falso do proferimento (1) nelas contido. Essa paráfrase descritiva salva a explicação fregeana da crítica de Perry ao situá-la em um contexto enunciativo mais complexo que a inclui inteiramente, suspendendo a dependência do contextual concreto que havia no proferimento inicial.

   Em um outro exemplo de Perry[43], elaborado de forma mais enfática por John Searle[44], imagina-se que David Hume diga:

 

     (1) Eu sou Hume,

 

e que nesse mesmo momento, em um planeta distante chamado Terra-Gêmea – onde quase tudo acontece exatamente do mesmo modo que aqui na Terra  –, o Doppelgänger de David Hume, que se chama Heimson, mas que não escreveu o Treatise e os Essays, diga

 

     (2) Eu sou Hume.

 

Parece que o pensamento é o mesmo: ambos acreditam ser o filósofo David Hume. Contudo, a sentença (1) é verdadeira, enquanto a sentença (2) é falsa. Parece, portanto, que Frege está errado e que o conteúdo semântico do indexical não se reduz ao pensamento. Ele deve ser a própria referência, que só no primeiro caso é o próprio Hume, enquanto no segundo caso é apenas Heimson!

   Para responder a essa objeção é preciso em primeiro lugar considerar que para uma concepção como a de Frege não só o tempo, mas também o lugar do proferimento podem (e na verdade devem) ser considerados pertencentes ao pensamento indexicalmente expresso, na medida em que forem considerados, sendo essa pertinência estabelecida pelo fato de esses fatores contribuirem para o valor-verdade do pensamento em questão. Ora, como o verdadeiro Hume se encontra em um lugar chamado Terra e não em um outro chamado Terra-Gêmea, (1) é um proferimento verdadeiro porque o pensamento por ele expresso diz respeito ao Hume da Terra, enquanto (2) é falso porque o pensamento por ele expresso diz respeito a quem não é o Hume da Terra.[45] (Mais adiante veremos que aquilo que Frege chama de pensamento, incluindo o pensamento indexical, poderia ser mais circunstanciadamente parafraseado em termos de uma regra verificacional.)

   A essa resposta se poderia ainda objetar que “Eu sou Hume” é verdadeiro para o Hume da Terra e falso para Heimson, mesmo que eles não saibam de nada acerca da Terra e da Terra-Gêmea; afinal, não precisamos, para usarmos indexicais corretamente, conhecer muito mais além das circunstâncias imediatas de sua aplicação. Contudo, essa objeção advém de não termos percebido que o pensamento indexical implicitamente envolve a localização no espaço como um todo e não só no espaço que circunda o falante, posto que até onde sabemos nosso espaço forma (como diria Kant) uma unidade. Assim, se adicionarmos que Hume disse “Eu sou Hume” em sua casa em Edimburg, na Escócia, no planeta Terra, que é o terceiro do sistema solar e que se encontra no braço Órion da via Láctea... essas informações encontram-se pelo menos implicadas pelo pensamento indexical, uma evidência disso sendo que elas seriam certamente admitidas pelo próprio Hume como implicações legítimas caso ele fosse devidamente informado a respeito. Assim, quando Heimson diz (1) “Eu sou Hume”, com a intenção de identificar-se com David Hume, ele não pode estar dizendo outra coisa senão:

 

     (2’) Eu sou o Hume histórico do planeta Terra.

 

Mas com isso Heimson faz repousar o seu pensamento sobre a assunção contextualmente falsa de que ele é Hume, escreveu o Treatise e se encontra na Terra e não na Terra-Gêmea, quem quer que saiba que o Hume histórico do planeta Terra não é Heimson, saberá que o proferimento (2’) é falso.[46]

   Kaplan adiciona às objeções de Perry um problema modal. Suponha que eu diga:

 

     (1) Se eu existo então eu estou falando.

 

e suponha que o indexical ‘eu’ seja substituido pela descrição definida ‘a pessoa que está falando’. Nesse caso o enunciado passa a significar o mesmo que:

 

(2) Se a pessoa que está falando existe, então a pessoa que está falando está falando.

 

Contudo, pensa Kaplan, (2) exprime uma verdade necessária, uma proposição verdadeira em todos os mundos possíveis, diversamente de (1), que é contingente. Logo (2) não pode querer dizer o mesmo que (1).

   Esse argumento nos deixa inicialmente perplexos. Afinal o enunciado (1) faz tão pouco sentido quanto “Se eu existo então eu estou correndo” ou “Se eu existo então eu estou espirrando”. Não há literalmente relação alguma entre antecedente e consequente, a menos que (1) seja entendido como uma forma abreviada de (1a): “Se enquanto estou falando isso eu existo então eu estou falando”. Mas (1a) parece ser um proferimento necessário. Afinal, em qual mundo possível seria verdadeiro que eu, ao dizer o que estou falando, não existo? Agora, substituindo ‘eu’ por ‘a pessoa que está falando’ em (1a) o que temos é uma verdade igualmente necessária:

 

(5)    Se, enquanto estou falando isso, a pessoa que está falando existe, então ela está falando.

 

Conclusão: ou o problema modal de Kaplan não faz sentido ou, se faz, não representa problema algum.

   Não parece, pois, que indexicais precisem ser preservados em seus contextos de proferimento para não perderem os seus conteúdos semânticos. Só o compromisso com teorias da referência direta é que conduziu filósofos a insistirem na essencialidade do indexical.

 

Contra o indexical essencial

A maneira neofregeana de pensar a distinção entre sentido lexical e conteúdo semântico tem em meu juízo uma vantagem teórica importante ao permitir-nos uma tradução suficientemente adequada dos proferimentos indexicais em frases eternas – uma tradução que dissolve o problema do indexical essencial.

   Usando exemplos do próprio Perry, imagine que em diferentes ocasiões ele diga:

 

            A

1       Eu estou fazendo uma bagunça.

2       Hoje está chovendo.

3       Agora preciso ir à reunião.

4       Hoje é 4 de julho de 1972.

 

Suponha também que os proferimentos (1) e (2) sejam verdadeiros, enquanto (3) e (4) sejam falsos. O proferimento (3) é falso por ter sido cancelada a reunião sem que o falante tenha sido informado, sendo (4) falso por ter sido proferido em 3 de julho de 1972. Para Perry esses são indexicais essenciais porque não podem ser substituidos por sentenças não indexicais (“descrições”). Não obstante, os proferimentos listados em A podem ser correspondentemente parafraseados no interior das seguintes frases eternas, cuja relação indexical com nosso mundo é suspensa, como as listadas na coluna B:

 

            B

1       Na seção de adoçantes do supermercado Fleuty em Berkeley às 8 horas da noite do dia 23/06/1968, vendo que o seu carrinho está deixando um rastro de açúcar pelo chão, Perry diz que ele está fazendo uma bagunça (ou diz: “Eu estou fazendo uma bagunça”).

2       No Willard Park, em Berkeley, às nove horas da manhã do dia 12/05/1972 começa a chover e Perry diz que está chovendo (ou diz: “Está chovendo”).

3       Na entrada da UCLA-Berkeley pouco após o meio dia de 2/08/1972 Perry consulta seu relógio e conclui que precisa ir à reunião, que é às 13 horas (ou conclui: “preciso ir à reunião”).

4       No dia 3 de julho de 1972, às 9 da manhã, em Berkeley, Perry diz que hoje é 4 de julho de 1972 (ou diz: “Hoje é 4 de julho de 1972”).

 

Aqui as mesmas observações se repetem. Primeiro, embora os indexicais compareçam nessas paráfrases, eles o fazem após cláusulas-que no interior de frases subordinadas ou no interior de frases apresentadas entre aspas. Ora, para Frege essas frases, e com isso os indexicais que a elas pertencem, perdem a sua função referencial usual.[47] As frases indexicais passam a se referir aos seus sentidos, chamados por ele de pensamentos, e não mais ao mundo. Quanto aos indexicais que nelas se encontram, eles devem passar a se referir então, não mais aos seus objetos próprios de referência no mundo, mas ao modo como eles o apresentam, aos seus sentidos, em outras palavras, a conteúdos semânticos internos.[48] Esse procedimento permite que evitemos que as paráfrases sugeridas se tornem frases propriamente indexicais no sentido próprio, ou que contenham termos indexicais com funções verdadeiramente indexicais, transformando-as em frases ditas eternas. Além disso, esse mesmo procedimento é capaz de capturar a propriedade de reflexividade-token das frases-que subordinadas ou entre aspas que expressam proferimentos indexicais, uma vez que as relações contextuais que participam na expressão do pensamento são explicitadas no interior das próprias paráfrases.

   É indispensável perceber que não estou tentando defender que todos os aspectos do sentido realmente pensados pelos falantes das respectivas sentenças do primeiro e do segundo grupo são exatamente os mesmos. No que concerne à relação entre B1 e A1, por exemplo, é possível que Perry tenha esquecido o próprio nome e que ele não saiba o nome do supermercado onde se encontra. Mas isso não tem a menor importância para o que pretendo demonstrar, pois nós percebemos que um número indeterminado de detalhes pode ser adicionado na complementação das frases eternas da coluna B. Posso, por exemplo, dizer que o supermercado Fleuty está ao norte da cidade de Connecticut, nos EUA, que o Willard Park é uma praça em Berkeley, que a manhã de 12/05/1971 é estabelecida pelo calendário gregoriano baseado no tempo histórico do planeta Terra etc. Essa possibilidade de complementação da determinação espaciotemporal tem a ver, certamente, com o elemento indexical pervasivo de todo o discurso empírico. O que quero fazer notar, porém, é que Perry pode ter maior ou menor consciência dos conteúdos A1, A2, A3 e A4, mas que aquilo que Perry tem consciência ou que é capaz de aprender se encontra ao menos implicado respectivamente por B1, B2, B3 e B4, a saber, está sendo de algum modo pressuposto nesses pensamentos, mesmo que a eles não pertença. Em outras palavras, o que faço ao traduzir uma sentença indexical da coluna A em uma sentença eterna da coluna B é adicionar implicações que o falante possivelmente desconhece, ainda assim capturando o máximo daquilo que o proferimento do falante é capaz de expor. O que as paráfrases da coluna B fazem é uma reprodução do mesmo conteúdo sob a adição de elementos factuais novos, não pensados ou até mesmo não sabidos pelo falante, embora o falante seja em geral capaz de aceitá-los prontamente como complementos verídicos, o que vale também para os ouvintes.

   Mas se é assim, então por que o indexical ainda parece possuir algo essencial e insubstituível? Receio que a resposta a semelhante questão seja muito mais trivial do que se possa imaginar. Ela reside no simples fato de que os elementos fenomenalmente dados à percepção não podem ser linguisticamente reproduzidos por descrições. Não posso reproduzir através de descrições linguísticas o perfume da água de colônia, o calor do sol, a beleza de uma paisagem, a não ser por intermédio de paráfrases indiretas, que só serão compreendidas por quem já possui experiências fenomenais semelhantes. Reconheço que quanto a isso os conteúdos semânticos dos indexicais permanecem intraduzíveis em termos descritivos. Ninguém pode reproduzir linguisticamente as impressões visuais de quem contempla uma catedral gótica nem as impressões auditivas de quem ouve uma sinfonia. Contudo, não é esse elemento fenomenal o que nos importa aqui, pois ele não satisfaz a função primordial da linguagem de comunicar com base em convenções. Considere, por exemplo, o proferimento “Eu estou fazendo uma bagunça”. Só quem participa da situação indexical como falante ou ouvinte pode ter acesso aos sentimentos de surpreza, perturbação e vergonha do falante. Mas do ponto de vista do conteúdo semântico-cognitivo isso é irrelevante.

   Com efeito, os conteúdos dos proferimentos do grupo A só são relevantes para a comunicação na medida em que se tornam resgatáveis pelas frases eternas do grupo B, mesmo que essas últimas não conservem nada do conteúdo fenomenal vivenciado no proferimento. Mais ainda, essas substituições são frequentes e realmente úteis quando reportamos conteúdos de proferimentos indexicais a terceiros. Assim, o que há de realmente único (essencial) no indexical são apenas os aspectos fenomenais de seus sentidos, que respondemos através de colorações (Färbungen) emocionais, as quais podem ser episódicas e irrepetíveis. Contudo, por serem esses elementos escassamente comunicáveis a quem não compartilha da situação de fala, eles deixam de importar à linguagem. Assim, embora no que concerne ao elemento fenomenal o episódio identificador e verificacional no qual se dá o pensamento (proposição) indexical seja único e insubstituível a tal ponto que o próprio falante não seria capaz de reproduzi-lo, o mesmo não acontece com o pensamento indexical. Esse pensamento, entendido como um modo de apresentação fregeano, ou, tal como prefiro interpretá-lo, como uma combinação episódica de regras relacionando o falante ao contexto, pode ser descritivamente registrado e reproduzido. A regra constitutiva do conteúdo semântico do indexical é episódica, tal como o elemento fenomenal, mas diversamente da última, ela se deixa ser linguisticamente reproduzivel no ouvinte e comunicável através dele. Como a função da linguagem comunicacional não é a de preservar o elemento fenomenal, mas a de selecionar o que pode ser comunicado, o essencial do proferimento indexical é preservado nas paráfrases da classe B. Em suma: o assim chamado “indexical essencial” de Perry não é mais do que um mito filosófico entre tantos outros.

   A favor de minhas paráfrases está ainda o fato de que o próprio Perry seria facilmente capaz de reconhecer as substituições B1, B2, B3 e B4 como sendo válidas. Ele poderia ser informado, por exemplo, que ao dizer que estava fazendo uma bagunça isso aconteceu no dia 23/06/1968 e que ele estava no supermercado Fleuty, ao norte de Connecticut etc., estendendo assim o seu saber em torno daquilo que ele mesmo experienciou. Ou seja: os sentidos dos substitutos não-indexicais dos proferimentos indexicais podem ser considerados complementos adequados, uma vez que aquilo que eles perdem são elementos fenomenais subjetivos e episódicos, enquanto o que eles adicionam são extensões não-próprias, mas inferencialmente legitimáveis, do conteúdo semântico dos indexicais por eles capturados.

   O que foi dito acima pode ser melhor esclarecido quando percebemos que a tensão entre esse “sentido episódico” do proferimento indexical e o sentido da sua paráfrase não-indexical só vem a acontecer enquanto o conteúdo do proferimento é acessível ao falante e ao ouvinte, mas não à comunidade linguística em geral. Se o avaliador do conteúdo dos proferimentos da coluna A não for o próprio Perry, mas uma terceira pessoa que os reporta, nós implicitamente admitiremos que os seus conteúdos são descritivamente explicitáveis. Por exemplo: Mary ouviu Perry dizer que está chovendo. Mas Perry ingeriu uma droga que o tornou provisoriamente delirante e, como resultado disso, além de acreditar que é outra pessoa, está alucinando que se encontra exposto a uma tempestade. Mais tarde, ao contar o episódio a alguém, Mary diz algo como “Quando estávamos no Willard Park em Berkeley, no diz 12, Perry disse que estava chovendo quando na verdade não estava...”. Aqui, para o propósito de comunicação, A2 já foi completamente substituída por ao menos parte de B2.  Ora, como o proferimento com indexicais só ganha interesse em termos informativos para a comunidade linguística na medida em que ele for substituível por proferimentos em terceira pessoa, proferimentos cujo conteúdo é interpessoalmente acessível através de descrições independentes do contexto e nos quais o elemento fenomenal se perde por ser limitado ao episódio em que o indexical tiver sido inicialmente usado, sua irrelevância comunicacional fica demonstrada.

   Em resumo: constatamos ser possível a substituição do proferimento indexical por uma frase descritiva eterna que o contém de modo a preservar o que mais interessa: o conteúdo semântico, entendido como o sentido cognitivo ou epistêmico convencionalmente fundado da frase indexical  É verdade que ao fazermos isso adicionamos elementos que não foram pensados pelo falante. Contudo, eles são geralmente capazes de ser reconhecidos por ele mesmo e pelos outros falantes como assunções complementadoras do proferimento. Por ser comunicável na independência do contexto, tal paráfrase descritiva é a que realmente importa. Ela pode ser mesmo desejável como um filtro que exclui aspectos fenomenais não-convencionalmente fundados e comunicacionalmente irrelevantes.

 

A plasticidade do pensamento

Considere agora os seguintes pares de proferimentos e pergunte-se se eles têm ou não têm o mesmo sentido:

 

     1a   Hoje é um belo dia em Natal (dito hoje) e

     1b   Ontem foi um belo dia em Natal (dito amanhã).

 

     2a    Eu estou com fome (dito por João) e

     2b    Você está com fome (dito por Maria para João).

 

A resposta de Frege para casos como esses não parece ser muito coerente. Explicitamente, ao analisar um caso do tipo (1), ele sugeriu que se trata do mesmo pensamento-proposição (Gedanke), que para ele é o sentido da frase[49], o que parece razoável. Mas essa sugestão não parece estar de acordo com o critério para a identidade do pensamento por ele sugerido, segundo o qual, dados dois pensamentos P1 e P2, eles serão idênticos quando não for possível atribuir um valor-verdade a P1 sem atribuir o mesmo valor a P2. Ora, é possível a atribuição de verdade a (1a) sem que se seja capaz de atribuir verdade a (1b); é possível a atribuição de verdade a (2a) na independência da atribuição de verdade a (2b).

   A consideração acima levanta a questão de se saber se pares de sentenças como os acima mencionados não seriam em certas condições capazes de exprimir pensamentos (proposições, significados de sentenças declarativas, conteúdos cognitivos...) que não são idênticos. Afinal, se entendermos os pensamentos como intrinsecamente fundados sobre os critérios utilizados para a determinação da verdade, eles podem diferir. Maria pode ter razões para pensar que João está faminto, afinal ela não o viu comer nada o dia inteiro; mas ela pode estar enganada (2b). João, porém, muito dificilmente se enganará acerca de sua fome, uma vez que o modo de acesso que ele possui é mais direto (2a). Além disso, hoje alguém pode se enganar acreditando que ontem foi um belo dia em Natal simplesmente por não ter estado ontem em Natal e ter sido confundido por falsas informações (1b). Mas é bem mais difícil alguém estar sendo enganado pelo belo dia que está atualmente presenciando em Natal (1a). Se admitirmos essas conclusões encontramo-nos diante de um dilema: qual das alternativas devemos aceitar como identificadora do pensamento?

   Para chegar a uma resposta, minha primeira sugestão é a de que é preciso identificar o pensamento ou o sentido cognitivo da frase com a sua regra de verificação, tal como fez Ernst Tugendhat para o caso do enunciado predicativo singular e tal como muito antes dele de forma muito própria sugerido por Wittgenstein. A mainstream contemporânea diria que essa é uma ideia que há muito foi demonstrada inadmissível. Eu respondo que não: o que testemunhamos aqui é na verdade um dos maiores blunders da filosofia analítica contemporânea, que foi capaz de produzir uma uma falsa e vastamente empobrecedora sabedoria herdada. Explico: muitos acreditam que o princípio da verificação foi ideado pelos membros do positivismo lógico (como Moritz Schlick, A. J. Ayer e Rudolph Carnap...) e que mais tarde ele foi problematizado e rejeitado por eles mesmos e pelos filósofos por eles influenciados (de Carl Hempel a W. V. Quine, tendo isso sido tomado como dogma pelos que os seguiram, de Davidson a Kripke). Ao se pensar assim, porém, se esqueceu que esse princípio foi originariamente proposto para os membros do Círculo de Viena pelo próprio Wittgenstein em 1929, que foi a primeira pessoa a identificar o significado de uma frase com o método pelo qual ela é verificada.[50]  Se voltarmos às origens do princípio, ou seja, aos textos de Wittgenstein, descobriremos que o “princípio da verificação” construido pelos filósofos do Círculo de Viena era na verdade um homem de palha com objetivos precisionistas e anti-metafísicos alheios aos de Wittgenstein, e que aquilo que eles posteriormente destruiram não foi o verdadeiro princípio da verificação, mas o homem de palha que eles mesmos construiram e depois se apressaram a destruir. Se nós voltarmos a Wittgenstein, ficaremos surpreendidos em perceber que na forma germinal como ele aparece em seus escritos, o princípio da verificação indicava um caminho muito diverso. Ele seria o de uma variada e complexa análise pragmática de tipos de enunciados em sua relação com o mundo, a qual, pelo que me consta, jamais foi sistematicamente desenvolvida. Aqui eu posso exemplificar a ideia apenas muito resumidamente, pela citação de um de seus textos:

 

Ler que Cambridge venceu a corrida de barcos, o que confirma que ‘Cambridge venceu’, não é obviamente o significado, mas é conectado com ele. ‘Cambridge venceu’ não é a disjunção: ‘eu vi a corrida ou eu li o resultado ou...’ É mais complicado. Mas se você excluir quaisquer meios de checar a sentença, você muda o seu significado. Seria uma violação das regras gramaticais se você desconsiderasse algo que sempre acompanhou o significado. E se você excluir todos os meios de verificação, você destruirá o significado. Claro, nem toda a espécie de checagem é presentemente usada para verificar ‘Cambridge venceu’, nem qualquer modo de verificação tem a ver com o significado. As diferentes checagens do ato de vencer a corrida de botes tem diferentes lugares na gramática de ‘vencer a corrida de botes’.[51]

 

Ou seja, o que poderíamos chamar de regra geral de verificação formando o significado cognitivo de uma sentença declarativa é nesse exemplo algo como uma árvore cheia de ramificações, cujo tronco é a observação oficial da equipe de Cambridge ultrapassando a linha de chegada. Ela deve incluir um entremeado mais ou menos amplo de sub-regras criteriais que  possuem diferentes valores: ver Cambridge vencer e ouvir a decisão do juiz tem certamente muito maior valor do que condições dependentes como a de ler em um jornal, ouvir o testemunho de alguém ou encontrar uma taça com inscrições no clube.

   Podemos entender o caso acima como o de uma regra geral que se desdobra em sub-regras. Ao modo de Tugendhat nós entenderíamos a regra geral de verificação (Verifikationsregel) da sentença “Cambridge venceu a corrida de botes” como sendo constituida de uma regra de identificação (Identifikationsregel) do bote da equipe de Cambridge que, uma vez aplicada, permite a subsequente aplicação da regra de atribuição (Aplikationsregel) da predicação de que essa equipe venceu a corrida de botes. Mas essas regras são, por sua vez, o que poderíamos chamar de regras criteriais, regras que possuem critérios de aplicação, os quais podem ser múltiplos. Há, porém, como também notou Wittgenstein, critérios primários e secundários, mais tarde respectivamente chamados por ele de critérios e sintomas. Ele oferece um exemplo com respeito à frase “Está chovendo”:

 

Podemos distinguir entre critérios primários e secundários para o estar chovendo. Se alguém pergunta: “O que é chuva?”, você pode apontar para a chuva caindo ou derramar água de uma caneca d’água. Esses constituem critérios primários. Pavimentos molhados constituem um critério secundário e determinam o significado de “Chove” de um modo menos importante.[52]

 

Critérios primários para a regra de identificação do vencedor no primeiro exemplo são os de se identificar visualmente o bote da equipe de Cambridge e o de vê-lo cruzar a linha de chegada antes dos outros, além de ouvir a informação dos juízes de que a equipe venceu a corrida, para a regra de atribuição. Esses são fundamentais. Há, também, as múltiplas ramificações possíveis da árvore: os critérios secundários, como o de ter sido informado por testemunho que a equipe de Cambridge venceu, o de ter lido em um jornal etc. Obviamente, os critérios secundários dependem dos critérios primários, mesmo assim trazendo, para Wittgenstein, alguma contribuição para o significado da sentença.

   Finalmente, o conceito de critério possui uma ambiguidade subjetivo-objetiva. Ele pode ser visto como uma condição interna à regra, mas pode também ser visto como a condição externa que a satisfaz. Por isso, dizer que o conteúdo de pensamento de uma sentença declarativa é verificado por um fato é o mesmo que assumir alguma forma de teoria correspondencial da verdade: trata-se de uma outra maneira de se dizer que esse conteúdo corresponde ao fato, dado que os criterios verificacionais, sejam eles quais forem, devem possuir uma estrutura subjetiva isomórfica à estrutura objetiva do fato ou aspecto sub-factual que os satisfaz, o que constitui a essência daquilo que chamamos de correspondência.

   Como vemos, não se trata de algo que possa ser generalizado através de um única formulação lógica universalmente válida, como pensaram os filósofos do Círculo de Viena. Mais do que isso, as objeções dos positivistas lógicos e de sua prole contra as suas próprias versões do verificacionismo não afetam o que Wittgenstein queria dizer. Me limitarei aqui a um único exemplo. Considere a conhecida objeção holista de W. V. Quine à identificação do significado do enunciado com a sua regra verificacional, segundo a qual “...nossos enunciados sobre o mundo externo fazem frente ao tribunal da experiência sensível não individualmente, mas como um corpo corporativo.”[53] Ao escrever isso Quine confundiu a regra verificacional de uma frase declarativa, que lhe doa significado, com o background verificacional, que sem dúvida contribui para sustentar a sua verdade, mas cuja verificação já está sendo pressuposta por ela. Esse backgound, por sua vez, constitui-se de enunciados cujos significados entram na conta de outros procedimentos verificacionais, os quais são muito diferentes dos que podem verificar e dar significado ao primeiro enunciado. Essa simples consideração, pareando significados de sentenças com suas respectivas regras de verificação, confirma a identificação do significado cognitivo com a assim chamada regra de verificação, ao menos contra Quine. Não é aqui o lugar de me estender sobre esse ponto; irei apenas assumir sem mais um verificacionismo semântico de um tipo “wittgensteiniano”. [54]

   Volto agora à sugestão inicial de que nosso conceito de pensamento-proposição ou sentido cognitivo da sentença enunciativa ou regra verificacional, dependendo da formulação e contexto, possui a propriedade de ter diferentes critérios de aplicação efetivamente satisfeitos em sua verificação, o que conduziria a uma diferença naquilo que é semanticamente considerado, a uma diferente ênfase semântica. Se esse for o caso poderemos admitir que é possível usar a expressão ‘o mesmo pensamento’ de maneira mais ou menos exigente, atentando para os diversamente valorizados critérios de uma mesma regra verificacional a ser compartilhada entre os falantes, uma condição geral que estabeleça de antemão se estamos falando da regra geral como um todo ou do critério efetivamente aplicado. Sob essa leitura, frases dos tipos (a1-a2) e (b1-b2) sob uma perspectiva mais tolerante exprimem pensamentos iguais, enquanto sob uma perspectiva mais exigente passam a exprimir pensamentos mais ou menos diferentes.[55]

   Esse ponto pode ser melhor explicado. Quando digo que você e eu tivemos “o mesmo” pensamento estamos falando de similaridade entre dois conteúdos de pensamento. Mas o grau de congruência exigido poderá incluir ou não os critérios verificacionais diretamente envolvidos no contexto do que é pensado no proferimento. Consideremos outra vez os exemplos. Os pensamentos (2a) e (2b) são similares, pois compartilham de alguns critérios de verificação, mas não de outros. Maria sabe que João está com fome porque tem evidências de que ele ficou sem comer por muitas horas; João sabe que ele próprio está com fome porque sente a barriga roncando. Os dois critérios são inferencialmente interligados, a satisfação do primeiro usualmente gerando a do segundo, a própria fome de João – a condição última de verdade, o critério primário, o fato verificador fundamental. Por isso, embora grosso modo os proferimentos (2a) e (2b) exprimam um mesmo núcleo de pensamento, que atribui a João a sensação de fome, um exame mais exigente mostra que é possível encontrar diferenças em detalhes semânticos – naquilo que Wittgenstein justificadamente enfatizou como sendo o uso ou aplicação – pois tais pensamentos envolvem a consideração frequentemente pública de modos de apresentação algo diversos de um mesmo estado de coisas, melhor dizendo, de critérios verificacionais (no caso, fazedores-de-verdade) algo diversos, o de (2a), baseado em um critério verificacional primário, e o de (2b), consistindo em uma ramificação verificacional limitada a um critério verificacional secundário. O mesmo se aplica a (1a) versus (1b). O proferimento “Hoje é um belo dia em Natal” geralmente se verifica diretamente pela percepção, que é o critério verificacional primário, enquanto “Ontem foi um belo dia em Natal” se verifica por meio de critérios secundários, digamos, por intermédio da memória da percepção de algo que foi diretamente verificado, ou por testemunho... Em tais casos, o mesmo estado de coisas é apresentado por intermédio de caminhos verificacionais mais indiretos, que pressupõem o primeiro. Contudo, o critério mais próprio está no que muitas vezes é chamado de a ‘condição de verdade’: no fazedor-de-verdade que podemos chamar de o fato verificador. Sumarizando: de um ponto de vista genérico, que envolve somente a regra geral de verificação, os pensamentos (2a) e (2b) são os mesmos, o mesmo se dando com (1a) e (1b). Por outro lado, se tomarmos como base a diferença no modo de apresentação do estado de coisas geralmente refletida na diversidade do indexical empregado, os critérios usados deixam de ser os mesmos, resultando disso uma diferença no sentido cognitivo, uma vez que estamos assumindo que o sentido cognitivo contextualmente relevante enfatizado pelo enunciado é o mesmo que a sub-regra verificacional que estabelece o critério pelo qual ele é efetivamente verificado.

   Diante de tais considerações pode ser argumentado que do ponto de vista da condição última para a identidade do pensamento no proferimento indexical, a alternativa mais coerente poderia ser a de elevar as exigências ao máximo, demandando que qualquer diferença criterial capaz de produzir alguma variação na avaliação do valor-verdade da frase nos permita identificar uma diferença ao nível do pensamento, ou seja, no conteúdo de significação do enunciado. Quero apresentar dois exemplos que parecem mostrar que essa sugestão corresponde à nossa práxis linguística até o ponto de sua impraticabilidade. O primeiro é espacial e diz respeito a uma visita que fiz ao museu egípcio em Berlim, quando pude contemplar o busto de Nefertitis. Ao entrar no salão repleto de gente, divisei o busto ao longe, me aproximei e, já perto, o rodeei lentamente, admirando a qualidade da escultura. Há uma série de crenças indexicais espaciais que posso ter tido nessa ocasião. Algumas delas seriam formuláveis como:

 

            A

1       Lá está Nefertitis (quando a distingo de longe),

2       Ali está Nefertitis (quando me aproximo dela),

3       Aqui está Nefertitis (quando a examino de perto),

4       Aqui está Nefertitis (quando a vejo de lado),

5       Aqui está Nefertitis (quando a vejo de trás)...

 

Outro exemplo, agora temporal, diz respeito à informação sobre o terremoto no Haiti. Alguém pode dizer:

 

           B

      1   Acaba de haver um terremoto no Haiti (dito minutos após).

      2   Acaba de haver um terremoto no Haiti (dito horas depois).

      3   Hoje houve um terremoto no Haiti.

      4   Ontem houve um terremoto no Haiti.

      5   Há um ano houve um terremoto no Haiti. 

 

A questão é: em que medida e sob que critérios podemos dizer que os pensamentos de cada grupo são os mesmos? Se mantivermos a tese da plasticidade semântica do pensamento temos uma resposta.

   Primeiro, se decidirmos ignorar as diferenças entre os componentes linguísticos e contextuais da expressão do pensamento, considerando apenas a condição de verdade, entendida como o fato verificador fundamental demandado pela regra geral de verificação sugerida pelos proferimentos, podemos dizer que há um único pensamento expresso pelos cinco proferimentos de cada grupo, qual seja, o de que eu no dia tal e tal vi o busto de Nefertitis, no primeiro, e o dizer de que ocorreu um terremoto no Haiti, no segundo. Escolhemos aqui os dois núcleos de pensamento contidos nas variantes de cada grupo. O primeiro núcleo de pensamento possui como condição de verdade última o fato fundamentador que é o busto de Nefertitis no museu de Berlim. Esse núcleo é implicado por cada variante do grupo A. O segundo núcleo de pensamento tem como fato fundamentador último o fato-evento de ter havido um terremoto no Haiti, sendo esse núcleo implicado por cada variante do grupo B.

   Se decidirmos ser menos exigentes, fazendo apelo às diferenças linguísticas, então podemos encontrar para o grupo A três pensamentos diferentes, distinguidos pelos sentidos lexicais dos indexicais ‘lá’, ‘ali’ e ‘aqui’, que são A1, A2 e (A3, A4 e A5). Além das diferenças no sentido lexical, as regras criteriais aplicadas são sub-regras de algum modo geradas pela regra geral de verificação, demandando a satisfação de sub-fatos como o da face esquerda de Nefertitis e correspondentes modos de apresentação constituidos pelos critérios das regras de identificação aplicadas. Já para o grupo B há quatro pensamentos diferentes, distinguidos pelos sentidos lexicais dos indexicais ‘acaba de haver’, ‘hoje houve’, ‘ontem houve’, ‘há um ano houve’, que são respectivamente (B1, B2), B3, B4 e B5. Há aqui também ao menos quatro sub-regras criteriais (que podem ser entendidas como ramificações da regra verificacional geral dependentes de critérios secundários) que demandam, para serem satisfeitas, a existência de sub-fatos como o de o terremoto ter ocorrido um ano antes do tempo do proferimento.

   Pode-se aqui objetar que essas diferenças não são realmente semânticas, pois se o significado dos pensamentos expressos pelos grupos A e B de sentenças são capazes de incluir todas as ramificações verificacionais, pouco importa qual ramificação verificacional deve ter verificado o pensamento, se aquela expressa por A1 ou uma outra expressa, digamos, por A4. Mas também podemos responder diversamente. Podemos dizer que se for A1 então uma ramificação verificacional será enfatizada, realçada para além das outras, e mesmo que há um sub-fato verificador, que é a apresentação de Nefertitis sob a perspectiva da entrada da sala do museu, enquanto A4 realça uma outra ramificação verificacional, que é devida à apresentação de um lado da face de Nefertitis, uma perspectiva fundamentada pelo sub-fato que é a Nefertitis de perfil. Seriam essas diferenças semânticas? É possível dizer que se trata de diferenças no realce, na ênfase, no aspecto semântico.[56]

   Finalmente, se quisermos elevar o nível de exigência ao extremo, demandando que a condição de identidade do pensamento seja dependente de qualquer coisa que efetivamente tenha influido na avaliação de seu valor-verdade, deveremos considerar o contexto espaciotemporal que pode envolver perspectiva e distância da experiência sensorial que tenho do objeto em A (explicitadas entre parênteses) como constituintes da expressão de um certo pensamento. Nesse caso poderíamos dizer que em A há aqui cinco pensamentos (ou sub-pensamentos) diferentes em cada grupo, um para cada proferimento, pois as perspectivas e distâncias diferentes no espaço e no tempo contam, posto que dão ao falante diferentes modos factuais de apresentação do objeto (sub-fatos verificacionais), produzindo diferentes caminhos referenciais ou sentidos capazes de contribuir diversamente para o valor-verdade do pensamento. (Se o busto de Nefertitis estivesse no interior de uma câmara incrustada na parede, de modo que não se pudesse vê-lo por-de-trás, eu estaria sob a perpectiva de A5 impedido de atribuir verdade ao pensamento; quanto ao terremoto do Haiti, se a pessoa se encontrasse em um lugar muito distante e sem condições de receber informações atuais sobre o terremoto, intervalos de tempo muito curtos logo após o acontecimento teriam de ser descartados).

   As considerações acima nos conduzem a uma questão embaraçosa: o que devemos levar em conta como uma diferença semanticamente relevante de perspectiva? Será que eu teria um pensamento diverso a cada 90 graus? Ou a cada 10 graus? Ou a cada mudança perceptível de perspectiva? E o que contaria para uma alteração significativa da distância? Deveríamos então aceitar que qualquer alteração perceptível na distância ou na perspectiva é suficiente para produzir alguma alteração no conteúdo do pensamento, produzindo assim um limite mínimo racionalmente compreensível, mesmo que ocioso? Deveríamos aceitar essa mesma conclusão com respeito aos intervalos de tempo entre os relatos do grupo B? De um lado parece que sim, pois uma pessoa pode conhecer uma ramificação de um pensamento, que ela sabe estar sendo satisfeita, e ignorar ou desconhecer outras. Pode ser então que o nível em que um sujeito epistêmico aplica a regra verificacional àquilo que ele sabe das ramificações dessa regra seja importante. Mas a um nível mais geral parece que isso não é válido, pois afora uma diferença no realce semântico, naquilo que está sendo enfatizado por ser a ramificação efetivamente satisfeita da regra verificacional, o que realmente conta como o sentido ou significado cognitivo ou pensamento é uma única coisa nas variantes de A e uma única coisa nas variantes de B. Parece então mais razoável limitarmos o que está sendo pensado ao que está sendo indexicalmente expresso, caso no qual teremos três pensamentos (ou sub-pensamentos), três ramificações criteriais verificacionais e três sub-fatos para o caso A e quatro para o caso B, uma vez que A3, A4 e A5 são linguisticamente idênticos, o mesmo acontecendo com B1 e B2. Afinal, por serem linguisticamente idênticos as diferenças entre eles permanecem de certo modo avessas à comunicação interpessoal. Mesmo assim, não deixa de haver diferenças contextuais entre A3, A4 e A5 de um lado e B1 e B2 de outro. São diferenças sub-factuais e de perspectiva com algum importe semântico e comunicacionalmente explicitáveis, como o demonstram os complementos de A3, A4 e A5 e de B1 e B2 que comparecem entre parênteses.

 Minha conclusão é a de que partindo-se do menos para o mais precisamente determinado podemos claramente divisar três possibilidades:

 

1       O critério do fato fundamentador referido – dado pela condição de verdade (o fato fundamentador fazedor-de-verdade) e pela regra verificacional geral sugerida pelo proferimento, constituindo o núcleo comum de pensamento.

2       O critério linguístico dado pela função lexical do indexical, que é respaldado por algum sub-fato e permite a aplicação de uma ramificação criterial secundária da regra verificacional, resultando em um pensamento aspectual.

3       O critério da proximidade e perspectiva espacial e/ou proximidade temporal, também respaldado por algum sub-fato, nesse caso sendo dado por alterações contextualmente indicadas no proferimento, ainda que não por um termo indexical, pois isso também permite o realce semântico de uma ramificação criterial secundária da regra verificacional.

 

Creio que podemos agora responder ao que no início se apresentou como um dilema. A oscilação acerca do critério de identidade do pensamento inicialmente observada resulta de uma alternância implícita entre a aceitação do critério (2) (diferenças nos indexicais) ou mesmo (3) (diferenças contextuais) e a aceitação do critério (1) (o pensamento entendido em termos genéricos como representação do fato). Se atentarmos para nossa possibilidade de escolha, o dilema desaparece. A oscilação entre o que podemos chamar de pensamento é função da plasticidade daquilo que podemos entender como sendo o pensamento, que depende da variabilidade dos critérios verificacionais e do elemento factual que estivermos levando em conta.

 

Indexicais, descrições, regras de identificação

Arthur Burks foi quem propôs que o sentido completo do indexical depende de sua função de localização espaciotemporal, de “direções” (geralmente dadas por gestos de ostensão ou pelo contexto) e de descrições. Como ele notou “a menos que (uma descrição do objeto indicado) esteja presente, explícita ou implicitamente, o signo não pode indicar um objeto definido”[57] Para ele a forma lógica usual do proferimento indexical é “Esse A é B”, onde A está para um elemento descritivo, que pode ser uma qualidade simples como em “Esse vermelho é belo” ou um sortal como em “Esse livro é vermelho”.

   Não pretendo considerar aqui os questionamentos que podem ser feitos a essa ideia, como é o caso de sua suposta inaplicabilidade a indexicais puros. Pretendo apenas mostrar como proferimentos indexicais podem ser explicitados por enunciados contendo descrições definidas, uma vez que considero parte da função comunicacional das descrições definidas proverem substitutos de proferimentos indexicais que se tornem comunicacionalmente independentes do contexto.

   Posso esclarecer o que quero dizer através de um exemplo. Digamos que na preparação de um jantar, a anfitriã entre em um quartinho contíguo, onde há várias cadeiras, aponte para a que está no canto e diga ao seu ajudante: “Leve essa cadeira para junto da mesa quando for para servir o jantar”, ou mesmo “Leve isso para junto da mesa quando for para servir o jantar”. Dessa maneira, ela cria uma regra de identificação para uma cadeira específica. Isso fica claro quando, passado algum tempo o auxiliar vai ao quarto, pega a mesma cadeira e a leva para junto à mesa. Ele reidentifica o objeto corretamente. A regra de identificação foi aqui criada tendo como critério duas coisas: Primeiro, a indicação de um local no espaço egocêntrico (digamos, a anfitriã apontou para o canto direito no fundo do quartinho ao lado da cozinha do velho casarão). Esse critério constitui o conteúdo semântico, o sentido fregeano do demonstrativo ‘isso’ junto ao gesto de ostensão. Depois disso foi adicionada a especificação do tipo de coisa que preenche o local indicado, o que aqui pode ser feito pelo sortal ‘cadeira’, ao que se adicionam as propriedades perceptíveis da cadeira em questão. A estrutura da regra nos é resumida nas palavras ‘essa cadeira’, que forma aquilo        que Wittgenstein chamaria de uma expressão de regra (Regelausdruck)[58], a saber, o símbolo linguístico de uma regra, que no caso é uma regra de identificação. Essa regra, cujo domínio se deixa compartilhar entre falante e ouvinte, permite que o objeto em questão seja interpessoalmente reidentificável. Ao menos parcialmente, os critérios de identificação inclusos na regra podem ser resgatados por uma descrição definida mais elaborada como, digamos, ‘o objeto com forma de cadeira antiga, feito de madeira, com estofado de pano vermelho, que uma hora antes do jantar se encontrava no canto direito do fundo do quartinho que fica ao lado da cozinha da casa...’[59], ou ainda, sob a forma de uma descrição russelliana como “Existe no mínimo um x e no máximo um x, tal que antes do jantar x se encontrava no canto direito do quartinho ao lado da cozinha e x tem a forma de cadeira antiga com estofado vermelho”.[60] Tais paráfrases são apenas expressões mais completas da regra cognitivo-criterial de identificação do objeto a ser levado para junto da mesa. O que a regra apresenta é:

 

(a)    uma localização e carreira espaciotemporal do objeto (a cadeira se encontra no velho casarão, foi vista no canto direito do quartinho ao lado da cozinha antes de ir para a mesa de jantar etc.)

(b)    uma regra de caracterização daquilo que é relevante no objeto (uma cadeira antiga com estofado vermelho etc.)

 

Que essa regra foi firmada torna-se claro, pois se o ajudante tiver esquecido dela, a anfitriã poderá lembrá-lo de que se trata da cadeira de estofado vermelho que está no canto direito do quartinho ao lado da cozinha, recorrendo assim a uma descrição. A vantagem da regra ser explicitada na forma de uma descrição definida reside no fato de ela possibilitar a referência interpessoal mesmo na ausência do objeto.

   Os indexicais são os termos capazes de codificar informacionalmente nosso acesso perceptual ao mundo através de alguma perspectiva contextualmente dada, cada qual traduzindo não só uma função lexical, como um conteúdo semântico-cognitivo cuja forma é a de um modo de apresentação, de um sentido “fregeano”, de uma regra de identificação a ser criterialmente satisfeita por meio de correspondência com sub-objetos pertencentes a sub-fatos de um fato fundamentador. Essa regra pode ser tornada comunicável na independência do contexto quando resgatada através de descrições definidas, adquirindo então a vantagem da permanência.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

3

 DESCRIÇÕES DEFINIDAS

 

 

Quero nesse capítulo passar às descrições definidas, considerando-as primeiro sob a perspectiva da celebrada teoria das descrições de Russell[61], para então comparar os resultados com os da teoria alternativa que pode ser de algum modo extraída da obra de Frege. Geralmente somos tentados a pensar que uma dessas teorias deva ser correta enquanto a outra deva ser falsa, mesmo que ambas pareçam conter alguma verdade. Minha suspeita é a de que se ambas parecem conter alguma verdade então é porque ambas realmente contém alguma verdade. Por isso sugiro o caminho da conciliação como o mais apropriado, procurando demonstrar que ambas as teorias são compatíveis no que possuem de verdadeiro, mas não no que possuem de falso. Melhor dizendo, quero demonstrar que se ambas as teorias forem suficientemente revisadas – ou seja, depuradas de seus comprometimentos metafísicos dubiosos e dispensáveis – e se algumas premissas bastante razoáveis lhes forem adicionadas, elas deixarão de se mostrar competitivas, revelando-se tão somente maneiras diferentes de se tentar dizer o mesmo. Quero, porém, começar didaticamente com uma breve introdução à teoria das descrições.

 

A teoria das descrições de Russell

Considere uma sentença como “O autor de Waverley é Scott”, que começa com uma descrição definida. Aparentemente, a sua forma lógica é a mesma que a gramatical: trata-se de uma sentença do tipo sujeito-predicado, com a descrição definida ‘o autor de Waverley’ no lugar do sujeito. Mas para Russell a forma gramatical é enganadora. Ela oculta uma forma lógica mais complexa, quantificada. Para ele a sentença “O autor de Waverley é Scott” é na verdade constituída por uma conjunção de três sentenças:

 

1.     Há no mínimo uma pessoa que foi o autor de Waverley

2.     Há no máximo uma pessoa que foi o autor de Waverley.

3.     Se alguém foi o autor de Waverley, esse alguém foi Scott.

 

 Representando o quantificador existencial por , o predicado ‘...autor de Waverley’ por W e ‘Scott’ por s, essa conjunção de sentenças se deixa simbolizar como:

 

x (Wx & (y) (Wyy = x) & s = x)

 

Com isso o valor-verdade de “O autor de Waverley é Scott” passa a depender da conjunção das três sentenças sob o escopo do quantificador existencial, só sendo esse valor verdadeiro no caso em que todas as três forem verdadeiras.

   Na análise russelliana, ao serem parafraseadas por predicados quantificados, as descrições definidas desaparecem da posição de sujeitos, revelando-se símbolos incompletos. Para Russell, isso evidencia duas teses:

 

(a)  Descrições definidas não nomeiam coisa alguma.

       (b)  Descrições definindas nunca têm significado em si mesmas.

 

Para Russell o significado é o objeto. Como as descrições definidas não são expressões referenciais porque em sua forma analisada não contém nomes, reduzindo-se a conjunções de predicados quantificados, elas não podem ter significados. Além do mais, como as descrições definidas enquanto tais não nomeiam nada, não podendo ter qualquer sentido por conta própria, elas tem sentido apenas como parte da sentença. Como ele escreveu:

 

A expressão (descrição definida) per se não tem nenhum significado porque em qualquer proposição na qual ela ocorre, a proposição, inteiramente expressa, não contém a expressão, a qual foi desmembrada.[62]    

 

A razão pela qual Russell pensou assim deve ter sido a de que ele assumia uma concepção referencialista do significado de qualquer termo efetivamente referencial, uma concepção segundo a qual esse significado seria a sua própria referência. Como ele mais tarde sugeriu, isso só aconteceria efetivamente no caso de nomes próprios lógicos como o demonstrativo “isso”, ditos diante de sua referência, seja ela um sense datum ou um universal... Como descrições definidas não tem nada a ver com verdadeiras expressões referenciais – o que fica claro após a sua análise lógica – elas não deveriam ter significado por si mesmas, já que enquanto tais não apontam para nada. Todavia, há muito boas razões para se pensar que a concepção referencialista do significado mais tarde defendida por Russell seja completamente insustentável[63]. Como veremos mais tarde, admissões como essa acabam por tornar as teses (a) e (b) insustentáveis.

   Russell estendeu sua análise das descrições definidas aos nomes próprios usuais, que para ele são descrições truncadas ou abreviadas. Assim, um nome próprio como ‘Bismark’ poderia abreviar ao menos uma descrição como ‘o primeiro chanceler do império Germânico’. E um nome próprio sem referente, como ‘Pégaso’, poderia abreviar uma descrição como ‘o cavalo alado de Belerofonte’. Uma sentença como “Pégaso é rápido” significa então o mesmo que “O cavalo alado de Belerofonte é rápido”, a ser analisada como “Há no mínimo um e no máximo um cavalo alado de Belerofonte e ele é rápido”. Chamando o predicado ‘cavalo alado de Belerofonte’ de B e o predicado ‘é rápido’ de R, essa última sentença pode ser simbolizada como:

 

(1) x (Bx & (y) (Byy = x) & Rx).

 

Essa sentença é falsa, pois “(Ex) (Bx)” é uma sentença falsa.

   Russell defrontou-se então com o seguinte problema. Considere a negação de (1):

 

(2) O cavalo alado de Belerofonte não é rápido.

 

Pela teoria das descrições, a análise dessa sentença parece ser: “Há no mínimo um e no máximo um cavalo alado de Belerofonte, e ele não é rápido”. Mas essa também é uma sentença falsa, dado que a primeira sentença da conjunção permanece a mesma e que ela é falsa. Assim, tanto a sentença analisada (1) quanto a sua negação (2) são falsas. Mas essa conclusão infringe o princípio lógico da bivalência, do qual se segue que a negação de uma sentença verdadeira é sempre falsa e vice-versa.

   A solução encontrada por Russell para o problema consiste em entender sentenças similares a (2) como sendo ambíguas, admitindo duas leituras. Na primeira, a descrição definida não é constituinte de uma expressão mais complexa, tendo escopo amplo (ocorrência primária). Nesse caso temos

 

(3) x (Bx & (y) (Byy = x) & ~Rx),

 

que é uma sentença também falsa, posto que “(Ex) (Bx)” é falso. Mas (3) não é a negação de (1) e sim o seu contrário. A negação de (1) é aquela na qual a descrição definida se torna constituinte de uma expressão mais complexa, passando a ter escopo estreito em relação a ela (ocorrência secundária). Nesse caso ela será:

 

(4) ~(x) (Bx & (y) (Byy = x) & Rx).

 

Ora, segundo essa interpretação a negação da sentença “Pégaso é rápido” é a sua contraditória, ou seja, “Não é o caso que: Pégaso é rápido”. Essa sentença, diversamente da anterior, deixa-se analisar como uma sentença verdadeira, demonstrando que a infração do princípio da bivalência era apenas aparente.

 

Objeções de Strawson

Quero agora considerar algumas objeções mais importantes feitas à teoria das descrições, apenas para mostrar que nenhuma delas chega a ser muito convincente.

   Entre as objeções mais influentes destacam-se as de P.F. Strawson.[64] Uma primeira e mais geral objeção é a de que Russell analisa sentenças (sentences), enquanto o que precisa ser analisado são sentenças enquanto estão sendo usadas por seres humanos na conversação, a saber: enunciados (statements) – pois é aí que se dá o ato de referir.

   Essa objeção só se aplica propriamente a sentenças que contém indexicais, como é o caso da sentença escolhida por Strawson, que é

 

(i)               O presente rei da França é sábio,

 

cujo sentido cognitivo é completado pelo contexto. Outras sentenças, como “O autor de Waverley é Scott”, ficam imunes a essa objeção. Além disso, como já vimos, mesmo no caso de a sentença conter um elemento indexical, ele pode ser suficientemente explicitado em palavras no interior de sentenças, como acontece na sentença (i’) “O Rei da França em 2020 é sábio”.

   A segunda e mais famosa objeção é a de que enunciados sobre objetos inexistentes não são falsos, como a teoria das descrições exige, mas destituídos de valor-verdade. Considere outra vez o exemplo (i). Se perguntarmos a alguém se o presente rei da França é sábio, a pessoa não responderá que isso é falso. Ela dirá: “Mas como assim? A França não tem rei!” Em outras palavras, o enunciado em questão, embora possuidor de sentido, é falho, não chegando a possuir valor-verdade. Strawson tinha suas razões para pensar assim. Para ele o enunciado “O presente rei da França é calvo” não implica no enunciado “Existe um atual rei da França”, como pensa Russell, mas o pressupõe. Para Strawson um enunciado B pressupõe um enunciado A quando B só pode ser verdadeiro ou falso no caso de A ser verdadeiro. Ora, como o enunciado “O presente rei da França existe” é falso, o enunciado “O presente rei da França é calvo”, que o pressupõe, não pode ser nem verdadeiro nem falso.[65] Contudo, resta saber se a falsidade da pressuposição realmente desfaz o valor-verdade do enunciado, pois contra isso há a intuição de que a posse de um valor-verdade é função própria dos enunciados, posto que quando isso não pode acontecer eles nada enunciam, perdendo a sua própria função cognitiva.

   Outro ponto, notado pelo próprio Russell em sua resposta a Strawson, é que a linguagem natural não é suficientemente perspícua para forçar-nos a concordar com Strawson: se ela não nos fornece a intuição de que “O presente rei da França é sábio” é uma sentença falsa, ela também não nos diz que a sentença não possui valor-verdade.[66]

   De minha parte, não tenho dúvidas de que a resposta mais acertada é a de Russell. Primeiro, considere a seguinte negação: “O presente rei da França não é sábio porque não há um atual rei da França”. Essa é uma sentença verdadeira, mesmo que o pressuposto seja falso.[67] Contudo, o ponto mais fundamental foi elaborado por defensores da teoria das descrições na forma da seguinte explicação.[68] Embora não nos pareça intuitivamene claro qual possa ser o valor-verdade do enunciado “O presente rei da França é sábio”, ou mesmo que ele tenha um valor-verdade, ele é de fato falso. E a razão disso fica clara quando o comparamos com enunciados falsos usuais como, digamos, “A presente rainha da Inglaterra tem cabelos ruivos” (dito em 2020). É que na imensa maioria dos casos, quando predicamos falsamente alguma coisa, nós já estamos assumindo a existência do objeto referido pela sentença, para só então constatarmos que o predicado não se aplica a este objeto. Como no enunciado selecionado por Strawson isso não acontece, nós o achamos estranho e confusivo, posto que ele é inútil no contexto de nossas práticas conversacionais. Só por isso hesitamos em chamá-lo de falso. No entanto, também nesse enunciado ocorre de o predicado não se aplicar, se não pela razão usual, que seria a de não ser satisfeito por propriedades do objeto referido pelo termo singular, ao menos pela razão não-usual de que não há nenhum objeto sendo referido pelo termo singular. Seja como for, o que é semanticamente decisivo é se o predicado se aplica ou não. E como ele não se aplica é logicamente mais razoável dizer que é falso.

   Essa explicação fica mais convincente quando percebemos que o enunciado escolhido por Strawson é na verdade um caso isolado, e que muitos outros enunciados destituídos de referência são intuitivamente vistos como sendo falsos. Considere os seguintes:

 

(ii)              O presente rei da França decidiu proibir os turistas de visitar o palácio de Versalhes.

(iii)           O presente rei da França está namorando a minha mãe.

(iv)             Encontrei o presente rei da França fazendo exercícios na praia essa manhã.

(v)                O presente rei da França está sentado naquela cadeira.

 

Apesar de não possuírem referência, os enunciados de (ii) a (v) nos parecem claramente falsos.[69] Mas por que eles contrastam com o exemplo de Strawson? A razão parece-me ser a seguinte: por ser o termo geral ‘sábio’ mera qualificação desprovida de articulação sintática, o enunciado “O presente rei da França é sábio” enfatiza a descrição definida ‘o atual rei da França’, voltando-nos a atenção para o fato de que essa descrição não se refere a coisa alguma. Mas nesse caso, por que predicar? Por que atribuir uma qualidade ao que não existe? Já nos exemplos de (ii) a (v) os predicados possuem maior densidade semântica, revelada na capacidade de nos chamar a atenção, quer pela mais complexa articulação sintática (ii-iv), quer pela relevância que damos ao elemento indexical em um enunciado como (v), o que torna o enunciado relacional. Os predicados de (i) a (iv) e o indexical em (v) nos chamam então mais a atenção do que a descrição definida, fazendo-nos atentar para o fato de eles não se aplicarem, o que já nos inclina a atribuir falsidade aos enunciados correspondentes. Eles nos desviam do fato perturbador da inutilidade conversacional de enunciados predicativos referencialmente vazios. Mas, como a estrutura dos enunciados de (ii) a (iv) é idêntica à do exemplo escolhido por Strawson, é mais natural e coerente estender a atribuição de falsidade também àquele exemplo ao invés de recorrer ao artifício da pressuposição.

   Uma terceira objeção diz respeito à ideia de unicidade. A sentença

 

(1)     A mesa redonda está coberta de livros.

 

começa com uma descrição definida. À primeira vista a paráfrase russelliana dessa sentença seria:

 

(2)     Existe no mínimo uma mesa redonda, no máximo uma mesa redonda, e ela está coberta de livros.

 

Mas isso é absurdo, pois implica que só existe uma mesa redonda no universo.

   Há duas estratégias mais conhecidas para se responder a essa objeção. A primeira consiste em sugerir que um enunciado como (1) é elíptico, vindo no lugar de uma descrição mais complexa como

 

(3)     A mesa redonda localizada no meio da sala de estar do apartamento 403 do edifício Villagio da rua... está coberta de livros.

 

A análise russelliana disso não nos comprometeria mais com a afirmação de que só existe uma mesa redonda no mundo.

   Uma objeção contra essa espécie de solução é que não existe uma regra que nos permita identificar qual é a descrição completa. Considere a descrição definida em

 

(4)     A mesa redonda que foi comprada por Ana Lúcia no ano passado está coberta de livros.

 

Sendo verdadeira e se referindo à mesma mesa que (1), a descrição em (4) tem o mesmo direito de figurar como a descrição completa que a descrição em (3), pois a descrição em (2) pode ser considerada uma forma elíptica tanto de (3) quanto de (4). Como em geral não somos capazes de dizer qual descrição completa tínhamos em mente ao usar a suposta descrição elíptica, a solução parece ser arbitrária.[70]

   Uma estratégia alternativa consiste em limitarmos contextualmente o domínio dos quantificadores. Assim, na sentença resultante da análise de (1) o domínio dos quantificadores deve ficar contextualmente restringido, digamos, ao conjunto dos objetos que se encontram no apartamento 403 do edifício Villagio. Chamando um domínio qualquer de D, chamando a predicação inclusa na descrição definida de F (como “...é mesa redonda”) e a predicação adicional de G (como “...está coberta de livros”) podemos generalizar analisando descrições definidas do tipo (1) como possuindo a forma:

 

(5)     Existe somente um x pertencente ao domínio D, tal que x é F e para todo y pertencente ao domínio D, se y é F, y = x, e x é G.

 

Além de evitar ambiguidades, essa estratégia é condizente com o fato de que em nossa linguagem quantificadores muito dificilmente são usados em um domínio verdadeiramente universal. (Um enunciado como “Todos os homens são mortais”, por exempli, se refere ao domínio dos homens que viveram até hoje, desconsiderando, por exemplo, homens que venham a nascer no futuro como efeito de alguma manipulação genética capaz de impedir o envelhecimento.)

   Uma objeção feita a essa solução seria que ela mostra que a descrição analisada tem uma extensão maior do que a descrição original, não podendo ser ambas equivalentes.[71] Mas uma objeção baseada apenas no comprimento da sentença é frágil demais. Afinal, é intuitivo que através de (1) queremos dizer elipticamente a mesa dessa sala ou desse apartamento e não de qualquer outro lugar ou de nenhum lugar específico, pois em tais casos o proferimento perderia o sentido. Considere que em sua formulação analisada a sentença (1) quer dizer apenas (6): “Existe uma única mesa redonda nesse apartamento que está coberta de livros”. Contudo, com (1) queremos dizer intuitivamente o mesmo que (7) “A mesa redonda desse apartamento está coberta de livros”. O ponto é que não parece haver uma diferença real entre (6) e (7). É perfeitamente razoável pensarmos em (7) como sendo uma sentença implicitamente quantificada, cujo domínio é estabelecido pelo contexto conversacional como sendo o espaço do apartamento em questão, dizendo por isso a mesma coisa que (6).

   Ainda uma objeção seria a de que a resposta baseada na limitação do domínio quantificacional não se aplicaria no caso de haver mais de uma mesa redonda no apartamento. Nesse caso, a análise não se aplicaria. Mas nesse mesmo caso o enunciado “A mesa redonda está coberta de livro” seria ambíguo. Ele só seria desambiguado se estivesse no lugar de “Aquela mesa redonda está coberta de livros” ou, digamos, “Dentre as mesas redondas da sala, uma delas está coberta de livros”. Tanto quanto vimos até agora, parece razoável pensarmos que no caso de descrições definidas russellianas a unicidade da predicação pode ser garantida por uma restrição no domínio da quantificação, o qual varia com a prática linguística na qual o proferimento é feito.

 

Keith Donnellan: usos atributivo e referencial

Outra objeção influente foi feita por Keith Donnellan.[72] Esse filósofo partiu de uma distinção que foi interessantemente desenvolvida por ele entre dois usos da descrição definida, por ele chamados de uso atributivo e uso referencial.

   Vejamos primeiro o uso atributivo, tipicamente considerado na teoria das descrições de Russell. Nele a descrição vale pelas propriedades que ela atribui a algo. Assim, se é mostrado a alguém o cadáver de Mário, que foi brutalmente assassinado, a pessoa pode ser levada a proferir a frase “O assassino de Mário é insano”. Mesmo que desconheça o assassino de Mário, a pessoa atribui as propriedades de ser o assassino de Mário e de ser insano a uma única pessoa em seu uso da descrição definida ‘o assassino de Mário’.

   Vejamos agora o uso referencial identificado por Donnellan. Digamos que alguém esteja em um tribunal e que o réu acusado de ter assassinado Mário se comporte de forma insana. Querendo comentar o seu comportamento, a pessoa pode ser levada a proferir a frase “O assassino de Mário é insano”. Mas aqui não importa se o réu é realmente o assassino de Mário. Pode até ser que Mário não tenha sido realmente assassinado. Mesmo assim, todos entendem a quem a pessoa está se referindo. No uso referencial as propriedades conotadas pela descrição não têm importância; o que importa é a intenção demonstrada pelo falante de se referir a uma certa pessoa.

   Na opinião de Donnellan, a teoria de Russell não se aplica nem ao uso referencial nem ao uso atributivo. Não se aplica ao uso referencial porque ao afirmar que o assassino de Mário é insano dentro do contexto em questão, não se está querendo dizer que existe exatamente um assassino de Mário, como a análise de Russell sugere, pois, como já notei, o enunciado pode ser verdadeiro mesmo que o réu não seja o assassino, diversamente do que a análise russelliana prevê. Está-se aqui apenas usando a descrição como uma ferramenta para a referência. Além disso, como Donnellan aceita a teoria pressuposicional de Strawson, para ele a teoria de Russell também não dá conta do uso atributivo.

   Contra a opinião de Donnellan pode ser observado que no que concerne ao uso atributivo não há razões suficientes para crermos que a análise russelliana não se aplica, dado que exames mais cuidadosos acabaram por revelar que a crítica de Strawson nada tem de muito convincente. Mas que dizer do uso referencial? Antes de responder, vale expor a importante análise do uso referencial sugerida por Saul Kripke.[73]

   Segundo Kripke há no uso referencial duas espécies de referência: a referência semântica (semantic reference) e a referência do falante (speaker reference). A referência semântica diz respeito ao sentido literal das palavras na descrição, o qual pode ser analisado pela aplicação da teoria das descrições. Para explicá-la, considere outra vez o proferimento “O assassino de Mário é insano” em seu uso referencial. Considerado pelo seu sentido literal, ele será um proferimento falso no caso do réu em questão não ser o assassino de Mário. Mas esse sentido literal não é o que está sendo tematizado no uso referencial. O que importa no uso referencial é a referência do falante, que é o sentido não-literal da referência mediado pelo contexto. Ao tematizar a referência do falante, a descrição definida passa a funcionar indexicalmente, como uma espécie de demonstrativo. A descrição ‘O assassino de Mário’ tem o sentido de, digamos, ‘aquele réu que nós vimos hoje no tribunal’; eis porque o proferimento é verdadeiro mesmo que o réu seja inocente e não tenha sido o assassino de Mário. (No presente exemplo a descrição não identifica algo que se encontra no campo perceptual do falante, mas isso não invalida a tese de que ela funciona como um indexical, posto que demonstrativos não tem por necessário que o objeto referido pertença ao campo perceptual próximo do falante.)

   No uso referencial, a referência semântica é apenas um veículo para a referência do falante. Esse ponto essencial é facilmente obscurecido pelo fato de haver entre o uso atributivo e o uso referencial uma variedade indefinida de graus intermediários, em que a referência semântica ainda mantém uma maior ou menor importância. Se desconsiderarmos essa gradualidade veremos que a tematização da referência do falante torna a análise russelliana irrelevante para o caso do uso tipicamente referencial.

   Seja como for, o que a distinção kripkiana sugere é que o uso atributivo é característico das descrições definidas, o referencial lhes sendo secundário. Essa suspeita é reforçada quando percebemos que o fenômeno da indexicalização do termo singular não se restringe às descrições definidas. Ele também pode acontecer com nomes próprios. Digamos que no final de uma festa alguém diga: “A Joana está soltando a franga”, referindo-se ao comportamento estravagante de uma mulher que na verdade tem outro nome. Nesse caso ‘a Joana’ está no lugar de um demonstrativo como ‘aquela moça loira...’ Isso apenas reforça a ideia de que o uso referencial é secundário, não-literal, adventício. Aqui o termo singular é usado como um indexical capaz de conotar apenas um tipo genérico de coisa, tal como ‘ele’ (‘o assassino de Mário’) ou ‘ela’ (‘a Joana’). A análise russelliana não se aplica a esses casos simplesmente porque ela não foi concebida para ser aplicada a indexicais camuflados na forma de descrições definidas.

   Por fim, parece-me possível argumentar no sentido de mostrar que a análise russelliana se aplica até mesmo à própria referência do falante no uso referencial. Afinal, se o indexical também envolve um conteúdo semântico suficientemente resgatável em termos descritivos, como já foi sugerido no capítulo anterior, então uma análise russelliana também deve se aplicar ao indexical e, por conseguinte, ao próprio uso referencial. Ao invés de “O assassino de Mário é insano” podemos dizer “Aquele sujeito que vimos hoje lá no tribunal é insano”, ressaltando o que Kripke chamou de referência do falante. Mas esse enunciado pode ser substituido por “Existe no mínimo um x e no máximo um x que vimos hoje lá no tribunal, e x é um sujeito insano”. Ao invés de “A Joana está soltando a franga” podemos dizer “Aquela moça loira dançando no final da festa está soltando a franga”, ou ainda “Existe no mínimo um x e no máximo um x que é uma moça loira dançando no final da festa, e x está soltando a franga”.

 

Enigmas da referência: soluções russellianas

A teoria das descrições foi criada para resolver os chamados enigmas da referência, concernentes a descrições definidas e a nomes próprios. Quero agora expor esses enigmas seguidos das soluções de Russell.

   (i) Referência a inexistentes. Considere outra vez uma sentença cujo sujeito gramatical não se refere a nada, como “O presente rei da França é calvo”. Como é possível predicar calvície de algo que não existe? A resposta de Russell é que esse problema só existiria se a descrição ‘o presente rei da França’ fosse uma expressão referencial funcionando como um nome próprio. Mas esse não é o caso. Chamando os predicados ‘...presente rei da França’ de F e ‘...é calvo’ de C, a teoria das descrições nos permite simbolizar “O presente rei da França é calvo” como: “(Ex) (Fx & (y) (Fyy = x) & Cx)”. Ou então, para usar uma formulação mais intuitiva na qual parafraseamos ‘no mínimo um e no máximo um’ por ‘exatamente um’ temos a seguinte sentença:

 

     Existe exatamente um x, tal que x é o presente rei da França e x é calvo.

 

Em qualquer das formulações, uma coisa fica clara: não estamos predicando calvície do presente rei da França! Eis porque podemos dar sentido a essa sentença falsa sem sermos obrigados a assumir a existência do presente rei da França.

   (ii) Existenciais negativos. O segundo enigma, uma variante do primeiro, diz respeito à aparente impossibilidade de se negar a existência de um objeto quando o enunciado que nega a existência é sobre esse mesmo objeto. Para esclarecê-lo, considere as seguintes frases:

 

(1) O presente rei da França não existe.

(2) (1) é sobre o presente rei da França.

 

Ambas parecem ser verdadeiras. Mas elas são inconsistentes entre si. Se a frase (2) é verdadeira e (1) é sobre o presente rei da França, então a frase (1) precisa ser falsa e vice-versa.

   Russell resolve o enigma sugerindo que (2) é uma sentença falsa. Para tal, ele interpreta a negação em (1) como possuindo um escopo amplo em relação à descrição definida. A forma analisada da sentença (1) fica sendo ~(x) (Fx & (y) (Fyy = x)), ou ainda, em uma formulação mais intuitiva:

 

     Não é o caso que existe exatamente um x, tal que x é o presente rei da França.

 

Essa é uma sentença verdadeira, pois é a negação de uma conjunção falsa. Mas com ela não nos comprometemos com a existência do presente rei da França para podermos negar que ele existe. Nos comprometemos apenas com a negação da existência de algo que tenha a propriedade de ser o presente rei da França.

   (iii) Sentenças de identidade. O terceiro enigma é o paradoxo fregeano da identidade. Considere o enunciado: (1) “O autor de Waverley é Scott”. Ele contém duas expressões referenciais, ambas denotando a mesma pessoa. Mas se é assim, então a sentença (1) deveria ser tautológica, dizendo o mesmo que (2) “Scott é Scott”. Contudo, sabemos que (1) é uma sentença informativa e contingente. Por quê?

   A solução de Russell consiste outra vez em fazer desaparecer a descrição definida. Chamando Scott de s, podemos parafrasear a identidade como “x (Wx & (y) (Wyy = x) & (x = s))”. Ou, mais intuitivamente:

 

     Existe exatamente um autor de Waverley e ele é Scott.

 

Através dessas formulações fica claro que (1) é uma sentença informativa, pois o que dizemos deixa de parecer uma identidade tautológica para se mostrar como uma afirmação substantiva.

     (iv) Opacidade. Um quarto enigma que a teoria das descrições é chamada a resolver é o da intersubstitutividade em sentenças que exprimem atitudes proposicionais, que são estados relacionais conectando uma atitude mental a uma proposição ou pensamento. Considere, por exemplo, a sentença “George IV acredita que Scott é Scott”. Para acreditar nisso de forma indubitável, uma pessoa precisa apenas saber aplicar o princípio da identidade, posto que “Scott é Scott” é uma verdade necessária. Como o nome ‘Scott’ e a descrição ‘o autor de Waverley’ se referem reconhecidamente a uma mesma pessoa, parece que podemos substituir a primeira ocorrência da palavra Scott na primeira sentença por essa descrição, disso resultando “George IV acredita que o autor de Waverley é Scott” sem que a sentença se torne falsa. Mas não é isso o que acontece: pode muito bem ser que essa última sentença seja falsa, apesar de a primeira ser verdadeira. Por que é assim?

   Para responder a essa objeção, podemos usar a teoria das descrições para parafrasear a descrição que vem após ‘George IV acredita’ como:

 

   George IV acredita que existe somente um autor de Waverley e que ele é Scott.

 

Certamente, essa é uma crença informativa, claramente distinta da crença tautológica de que Scott é Scott. Por isso ela pode ser falsa.

 

Soluções fregeanas para os enigmas da referência

Frege tem uma solução explícita para os dois últimos enigmas da referência. Quanto aos dois primeiros, a solução pode ser reconstrutivamente buscada segundo o modelo da semântica fregeana.

(i) Referência a inexistentes. Frege sugeriu que na linguagem ideal o termo singular sem referência deva se referir ao conjunto vazio. Aplicando essa sugestão à linguagem natural, podemos sugerir que uma frase (Satz) como

 

     (1) O presente rei da França é sábio,

 

é falsa, posto que o conjunto vazio não pode ser sábio. Contudo, além de ser artificiosa, essa sugestão conduz a conclusões absurdas, como a de que a frase “Pégaso é o presente rei da França” é verdadeira, posto que tanto ‘Pégaso’ quanto ‘o presente rei da França’ se referem à mesma coisa, a saber, ao conjunto vazio.

   Uma alternativa consiste em sugerir que os termos singulares sem referência adquirem em sentenças referência indireta, passando o predicado a eles ligado a aplicar-se ao seu sentido e não mais ao seu objeto. Assim, o predicado ‘...é sábio’ na frase ‘O presente rei da França é sábio’ passa a se referir ao sentido da descrição ‘o presente rei da França’. Como não faz sentido se perguntar se esse sentido é ou não é sábio, não entra em questão a verdade do pensamento, mas apenas a complementação do sentido do termo singular pelo sentido do predicado na constituição do pensamento. Contudo, isso não nos ajudaria a explicar a evidente falsidade de frases como “O presente rei da França jantou comigo na semana passada”.

   Parece-me que uma menos comprometedora resposta neofregeana consistiria tão somente em admitir que, como os termos de frases sem referência já possuem sentidos, modos de apresentação, isso já nos torna capazes de compreender de que maneira o sentido incompleto do predicado pode ser completado pelo sentido completo do termo singular de modo a constituir um conteúdo de pensamento, posto que podemos em medida suficiente conceber como seria a aplicação combinada das regras conceptuais que constituem esses sentidos ou modos de apresentação em casos supostos. Só isso já basta para tornar a predicação ‘...é sábio’ em “O presente rei da França é sábio” inteligível, mas, diversamente do que Frege teria pensado, falsa, uma vez que se o sujeito não se aplica o predicado também não. Isso fica mais claro na frase “O presente rei da França jantou comigo na semana passada”, que é claramente falsa, considerando o quão clara fica a inaplicabilidade do seu predicado.

(ii) Existenciais negativos. O enigma dos existenciais negativos pode receber uma explicação similar. Considere, por exemplo, a frase:

 

     (1) O presente rei da França não existe.

 

Como a descrição definida está no lugar do termo singular, a melhor solução do ponto de vista da semântica fregeana seria entender que a descrição também possui um sentido, um modo de apresentação, que se traduz por uma regra de identificação do objeto que podemos conceber como algo que está sendo aplicado (podemos imaginar um presente rei da França sendo procurado no palácio de Versalhes, participando de uma comemoração etc.). Quando dizemos que o presente rei da França não existe, o que estamos querendo dizer é apenas que semelhante regra não se aplica, e que nenhum objeto a satisfaz. Afora isso, se nomes próprios, como Frege implicitamente sugeriu, são abreviações de feixes de descrições definidas,[74] então uma estratégia semelhante seria aplicável a existenciais negativos com nomes próprios vazios, como “Pégaso não existe”. O que se quer dizer com essa frase é que o sentido, o modo de apresentação de alguma maneira expresso pelo feixe de descrições definidas abreviado pelo nome ‘Pégaso’ é concebível como aplicável, mas não determina nenhum objeto. Ou seja: a regra de identificação de ‘Pégaso’ como o cavalo alado de Belerofonte é em alguma medida concebível, sendo inclusive aplicável no domínio da mitologia, mas não é aplicável ao mundo real. A aplicação de tais regras ao mundo real é apenas um produto fantasioso da imaginação.

(iii) Sentenças de identidade. O enigma da identidade entre descrições pode ser exemplificado pela frase mais discutida da filosofia analítica: “A estrela da manhã é a estrela da tarde”. Para Frege tal frase de identidade é informativa porque as descrições ‘a estrela da manhã’ e ‘a estrela da tarde’ têm sentidos ou modos de apresentação do objeto que são diferentes, apesar de ambas terem a mesma referência: o planeta Vênus. Ora, é informativo dizer que esses dois sentidos diversos determinam um mesmo objeto, que eles são regras de identificação diferentes a serem satisfeitas pelo mesmo objeto.

(iv) Opacidade. Quanto ao enigma dos contextos opacos, Frege sugere que em proferimentos de atitudes proposicionais a frase subordinada não tem a referência habitual, mas uma referência indireta, que é o seu próprio sentido. Assim, no proferimento “George IV acredita que o autor de Waverley é Scott”, a referência da frase subordinada “o autor de Waverley é Scott” não é nem o seu valor-verdade nem um fato no mundo; ela é o pensamento por ela expresso. Como “o autor de Waverley é Scott” exprime um pensamento (proposição) diferente de “Scott é Scott”, a substituição salva-veritate entre eles deixa de ser possível.[75]

   Não pretendo discutir aqui as objeções de detalhe que poderiam ser feitas a cada uma dessas soluções. Quero responder apenas à objeção geral feita às soluções fregeanas dos enigmas da referência, segundo a qual elas nos comprometem com um realismo platonista de sentidos, pensamentos e conceitos fregeanos, diversamente da solução ontologicamente mais econômica de Russell.

   Não creio que o compromisso com entidades abstratas seja forçoso. Afinal, os sentidos fregeanos podem ser facilmente identificados com regras ou combinações de regras semântico-cognitivas, as quais determinam usos referenciais das expressões.[76] Sob esse entendimento, o sentido da descrição definida deve ser uma regra capaz de identificar o objeto a ela associado. E o mesmo pode ser suposto com respeito a outras expressões categoremáticas, disso resultando uma paráfrase do discurso sobre sentidos através de um discurso sobre regras cognitivas, o qual pode ser visto como ontologicamente inócuo.

   Aqui também poderá ser feita a objeção de que estamos apenas substituindo a palavra ‘sentido’ pela palavra ‘regra’, e que essa é uma solução meramente verbal, pois se os sentidos são entidades abstratas, as regras (entendidas como regras-type) também parecem sê-lo. Não obstante, também aqui é possível responder alegando que as regras de que estamos falando não existem fora de suas instanciações como eventos cognitivo-psicológicos capazes de se evidenciar publicamente pelas manifestações comportamentais de suas aplicações, nada mais existindo além de tais eventos. Regras-eventos podem ser identificadas e reidentificadas como iguais umas às outras, não por serem instanciações de algum objeto abstrato a ser chamado de “A Regra”, mas por serem percebidas como qualitativamente idênticas. Ou seja: tudo o que realmente precisamos é sermos capazes de perceber uma identidade qualitativa (ou similaridade precisa) entre um atos de aplicação da regra (efetivo ou apenas concebido) que nos possa servir de modelo e outras instanciações. (Nesse sentido, as regras podem ser entendidas em termos de tropos de aplicações de regras, sem nos compromissar com universais platônicos ou aristotélicos nem com qualquer forma de nominalismo.)

 

Revisando os pressupostos fregeanos

Quem estaria certo? Russell ou Frege? Muita tinta já foi derramada na disputa sobre a resposta adequada. Como já observei logo no início, minha sugestão é que não se trata de uma questão de escolha entre uma e outra teoria, uma vez que se ambas fossem revisadas de maneira suficientemente radical, elas poderiam ser demonstradas como sendo maneiras diversas de se dizer praticamente o mesmo. Afinal, é razoável supor que a incompatibilidade entre as duas teorias resulta dos pressupostos metafísicos implausíveis que seus autores lhes adicionaram na crença de que fossem complementos necessários. Assim, minha proposta é reapresentar essas teorias retirando-lhes a gordura metafísica e preenchendo as lacunas com novos pressupostos, o principal deles sendo a interpretação dos sentidos fregeanos (Sinne) como regras semântico-cognitivas. É isso o que farei a seguir.

   Comecemos com Frege. Já vimos que é preciso eliminar o anacrônico realismo ontológico dos sentidos fregeanos, que devem ser vistos como simples instanciações psicológicas de conteúdos ou regras semânticas – basicamente, tropos mentais usados como modelos e acrescidos à disposição para reconhecer identidades qualitativas com outros. Devemos muito desse nosso entendimento de Frege a Michael Dummett,[77] que influenciado pelo último Wittgenstein revisou a semântica fregeana. Ernst Tugendhat, por sua vez, a clarificou em seu detalhado estudo do enunciado predicativo singular – um clássico da filosofia da linguagem influenciado pelo seu longo estudo anterior da filosofia de Edmund Husserl. Fazendo uma leitura pessoal da análise feita por Tugendhat do enunciado predicativo singular, sugiro que[78]:

 

(i)                     o sentido da termo singular (modo de apresentação do objeto) é o mesmo que a regra de identificação (Identifikationsregel) do termo singular, cujos critérios de aplicação são propriedades identificadoras do objeto;

(ii)                  o sentido do termo geral (seu conteúdo conceitual) é o mesmo que a regra de aplicação (Verwendungsregel) da expressão predicativa, que prefiro chamar de regra de atribuição do predicado (ou conceitual), cujos critérios de aplicação deveriam ser propriedades particularizadas (tropos) associadas ao objeto;

(iii)               o sentido do enunciado (diríamos, o pensamento-proposição expresso pela frase ou Satz) é o mesmo que a regra de verificação do enunciado predicativo singular, cujos critérios de aplicação seriam os fazedores-da-verdade (truth-makers), que prefiro chamar aqui de fatos.[79]

 

Para Tugendhat a regra de atribuição do predicado se aplica com base na aplicação da regra de identificação do objeto, ambas em combinação constituindo a regra de verificação do enunciado predicativo singular, que, se demonstrada aplicável, o torna verdadeiro no sentido de corresponder aos fatos.

   Outra coisa que podemos fazer é parafrasear a noção de existência. Sabemos que para Frege a existência é a propriedade que um conceito tem de sob ele cair pelo menos um objeto.[80] A ideia fregeana de conceito (Begriff) como a referência do termo geral é implausível e desnecessária. O conceito deveria ser, como a palavra sugere, o próprio sentido fregeano da expressão predicativa, não nos surpreendendo, pois, que Frege não tenha encontrado nada a dizer sobre tal sentido. Minha sugestão alternativa é considerar a referência do termo geral em enuciados predicativos singulares como sendo a propriedade espaciotemporalmente particularizada ou tropo do objeto ao qual a expressão predicativa se aplica. Se temos ao menos um objeto com a propriedade particularizada esperada, então essa propriedade existe, satisfazendo o termo geral ou expressão predicativa. Se a regra de atribuição do termo geral tem a propriedade de aplicar-se de modo efetivo (e não meramente suposto, como resultado de um ato de imaginação) à correspondente propriedade particularizada do objeto durante um certo período de tempo (no qual essa propriedade é dita existente) então dizemos que o objeto de fato possui essa metapropriedade de aplicabilidade da regra-conceitual de atribuição durante esse período – digo metapropriedade porque é uma propriedade disposicionalmente  manifesta da regra de atribuição. Como objetos (assumindo a teoria dos tropos) são como novelos mais ou menos estruturados de propriedades espaciotemporalmente localizadas, podemos aplicar um argumento similar para falar da existência de objetos (o que pode ser logicamente demonstrado quando transformamos termos singulares em predicados, e.g., “Isso é uma mesa verde” no lugar de “Essa mesa é verde”). Se dizemos saber que um objeto existe, o que queremos dizer é que sabemos que a sua regra conceitual é efetivamente e continuamente aplicável enquanto o objeto puder ser dito existente. Admitindo que conteúdos conceituais são sentidos e que sentidos são regras, então o que chamamos de a existência desse objeto passa a ser a propriedade de uma regra de atribuição conceitual de se aplicar efetiva e continuadamente a ele. Mais ainda, devemos notar que isso não retira da existência a sua objetividade. Pois se ela é a efetiva aplicabilidade de uma regra de atribuição conceitual, então o seu objeto de referência pode ser dito existente (e não meramente imaginário ou suposto) na medida em que ele possui a metapropriedade disposicional de satisfazer a regra, ou seja, de ter essa regra efetiva e continuamente aplicável a si mesmo. Note-se também que essa exigência não é antropomórfica. Ela não demanda nem a existência da regra e nem mesmo a existência de um sujeito cognitivo capaz de aplicar a regra, uma vez que se trata de uma exigência meramente modal. Podemos imaginar um mundo possível sem seres cognitivos nem regras cognitivas no qual existam objetos-propriedades entendidos como entidades que possuem a disposição de terem suas regras conceptuais de identificação efetivamente aplicáveis a si mesmos, diversamente de como seria se fossem entidades meramente concebidas.[81]

   A conclusão acima pode ser admitida para cada uma das regras consideradas: (i) a existência de um objeto é a efetiva aplicabilidade da regra de identificação do seu termo singular (a propriedade de um suposto objeto de ter a sua regra de identificação efetivamente aplicável a si mesmo), (ii) a existência de uma propriedade particularizada (tropo) é a efetiva aplicabilidade da regra de atribuição de seu predicado (a propriedade de um suposto tropo de ter a sua regra de atribuição efetivamente aplicável a si mesmo), e (iii) a existência de um fato é a efetiva aplicabilidade da regra de verificação de seu enunciado (a propriedade de um suposto fato de ter a sua regra de verificação efetivamente aplicável a si mesmo) – o que para nós só pode ser constatado através de comprovações experienciais (e não imaginárias) de sua aplicação.[82]

   Ora, se as existências do objeto e da propriedade que lhe predicamos são, respectivamente, a efetiva aplicabilidade da regra de identificação de seu nome e a efetiva aplicabilidade da regra de atribuição do seu predicado, então a existência do fato deve ser a propriedade da regra de verificação da frase de ser efetivamente aplicável ao que a frase descreve. E como a regra de verificação – seu conteúdo cognitivo – é o mesmo que o pensamento ou proposição, a existência do fato deve ser também o mesmo que a efetiva aplicabilidade do pensamento expresso pela frase, ou ainda, a existência do fato é a efetiva aplicabilidade do pensamento do fato ao próprio fato real, o que confere a esse pensamento a propriedade de ser verdadeiro ou adequado ou correspondente ao fato.

   Com isso passamos à relação entre existência e verdade. Se a existência da referência do pensamento ou proposição, ou seja, do fato, como vimos no capítulo anterior, é a propriedade desse pensamento ou regra de verificação de ser efetivamente aplicável, melhor dizendo, a propriedade de um fato suposto (imaginado, concebido) de ter a sua regra de verificação efetivamente aplicável a si mesmo, fazendo dele um fato real, e se, como também sugerimos, a verdade do pensamento, da regra de verificação da frase, é também a sua efetiva aplicabilidade, então a atribuição de existência ao fato deve ser algo análogo à atribuição de verdade ao seu pensamento. Melhor dizendo: a atribuição de existência ao fato redunda no mesmo que a atribuição de verdade ao seu pensamento. Em um exemplo: dizer que “Cambridge venceu a corrida de botes” exprime um pensamento verdadeiro é o mesmo que dizer que o pensamento – a regra verificacional expressa por essa frase – é efetivamente aplicável ao fato, e, mais aproximadamente, dizer que as configurações criteriais cuja satisfação é exigida pela regra correspondem (são isomórficas) às configurações criteriais constitutivas do fato que as satisfaz, ou ainda, que é um fato real que Cambridge venceu a corrida de botes, que esse fato existe. Conversamente, atribuir existência a um fato é a mesma coisa que atribuir efetiva aplicabilidade à regra verificacional constitutiva de seu pensamento, o que é o mesmo que atribuir verdade ao pensamento expresso pela frase que o exprime: a existência do fato implica na verdade de seu pensamento, quer ele exista ou não. Mesmo assim, a existência do fato não é a mesma coisa que a verdade de seu pensamento, pois o fato pode existir sem ser pensado, ainda que a eventual existência de seu pensamento o faça necessariamente verdadeiro.

   E o que tem isso a ver com a concepção correspondencial da verdade? Ora, identificar verdade com a efetiva aplicabilidade da regra verificacional que constitui o pensamento tem diretamente a ver com a concepção correspondencial da verdade, na medida em que uma regra verificacional é uma regra criterial, ou seja, uma regra dependente da satisfação de configurações criteriais (geralmente aspectuais e múltiplas). A condição de satisfação da regra verificacional, por sua vez, é a de que as configurações criteriais por ela demandadas possuam isomorfismo estrutural com as configurações criteriais que a satisfazem, relacionadas ou constitutivas do fato. Esse é um ponto importante, mas para muitos problemático, e complexo em seus detalhes, não sendo possível discuti-lo aqui.[83]

   Finalmente, quero tratar as frases sem referentes como sendo no final das contas falsas e não como sendo destituídas de valor-verdade, como Frege sugeriu em alguns exemplos. Afinal, a razão pela qual Frege pensava que frases com componentes sem referência são destituídas de valor-verdade está em sua insistência na ideia artificial de que a referência da frase deva ser o seu valor-verdade. Mas como, contrariamente a Frege, estou plenamente disposto a admitir que a referência do enunciado seja um fato no mundo, a ausência desse fato – devida à falta de referência do termo singular – conduz apenas à falsidade do enunciado. Ora, isso já aproxima esse nosso Frege já bastante retificado da posição de Russell, que via sentenças contendo descrições definidas vazias como sendo falsas.

 

Revisando os pressupostos russellianos

Passemos agora à revisão dos pressupostos da teoria das descrições de Russell. Um primeiro passo consiste em descartarmos a tese (a) de Russell, segundo a qual descrições definidas e nomes próprios usuais (que para ele são descrições) não nomeiam, não sendo sequer expressões referenciais no sentido próprio.

   O ponto a ser objetado à tese (a) é que sob o ponto de vista da própria definição do que deva ser uma expressão referencial, descrições definidas precisam sê-lo. Afinal, o que entendemos intuitivamente como sendo um ato de referir, designar, nomear? Tugendhat expôs essa intuição muito claramente: a referência no sentido de nomeação nada mais é do que a singularização de um objeto indicando qual ele é dentre todos os objetos de um certo domínio. Isso é o que distingue termos singulares como nomes próprios, indexicais e, obviamente, descrições definidas. Descrições definidas são, pois, termos singulares unicamente referenciais, precisamente por obedecerem a definição de serem capazes de singularizar um objeto e separá-lo de todos os outros, em um certo domínio. Trata-se daquilo que é modelar em nosso entendimento do que seja a nomeação.

   Descrições e nomes próprios usuais só podem deixar de ser termos singulares quando se pretende reformar a linguagem. Esse é o caso da moldura peculiar do referencialismo semântico sustentado pelo atomismo lógico de Russell, segundo o qual somente demonstrativos como ‘esse’ (that), funcionando como ‘nomes próprios lógicos’, seriam verdadeiramente capazes de nomear alguma coisa, não podendo falhar, posto que seu significado é a própria coisa.[84] Certamente, dentro dessa moldura de pensamento, descrições definidas atributivas e nomes próprios não são termos capazes de funcionar como os supostos nomes próprios lógicos, pois a técnica da teoria das descrições mostrou que eles são parafraseáveis em termos de funções predicativas quantificadas. Contudo, a doutrina dos nomes próprios lógicos defendida por Russell é claramente incoerente e seu referencialismo implausível. O seu nome próprio lógico só teria significado para o próprio sujeito no momento da nomeação, posto que o seu significado é o próprio objeto. Mas essa é uma posição reconhecidamente solipsista, na qual o significado do nome não teria permanência fora da presença do objeto, não sendo possível criar acordo sobre ele, ou seja, inseri-lo na linguagem convencional de maneira a torná-lo  compartilhável.

   Ora, uma vez que rejeitamos a existência dos nomes próprios lógicos e não encontramos razões suficientes para reformar a linguagem, a função referencial das descrições definidas torna-se indiferenciável da sua função de nomear, o que faz com que elas sejam nomeadoras no sentido próprio da expressão, no mesmo sentido dos termos singulares. Pois se o termo singular é o que nomeia, sendo a nomeação definitoriamente entendida como a função de singularizar um objeto ao indicar qual ele é dentre todos, e se a descrição definida e o nome próprio usual são termos singulares (que mesmo quando russellianamente analisada continua a nos informar da existência de exatamente um único objeto com propriedades que, devidamente contextualizadas, se tornam identificadoras de objetos particulares), então esses termos continuam a preservar sua função unicamente referencial. Que isso possa ser feito através de funções predicativas quantificadas é indiferente. Em conclusão: se abandonarmos a incoerente doutrina dos nomes próprios lógicos, devemos abandonar também a distorciva metafísica russelliana que os hipostasia, disso resultando que as descrições definidas russellianamente analisadas, tanto quanto os nomes próprios usuais, voltam a se afigurar como expressões autenticamente capazes de nomear alguma coisa.[85]

   Em segundo lugar, devemos rejeitar também a tese (b) de Russell: a sua confusa sugestão de que as descrições definidas não possuem qualquer sentido em si mesmas.[86] Confesso que não sei ao certo de onde Russell tirou essa ideia. Talvez ela seja proveniente de um amálgama escassamente inteligível do princípio fregeano do contexto e da noção de incompletude da predicação: se o significado é algo como o objeto e a descrição definida deixa de nomeá-lo para designar propriedades, ela não pode ter significado fora do contexto de um algo mais que só pode ser oferecido pela referência da sentença completa. Contudo, uma vez que rejeitamos a doutrina de que os sentidos dos supostos nomes próprios lógicos são os seus referentes e admitirmos que o sentido é sempre dado por regras semânticas e suas combinações, fica claro que a exigência da aplicação do predicado a um único objeto com tais e tais propriedades feita pela análise russelliana da descrição já constitui uma regra de identificação constitutiva de um sentido completo. Uma descrição definida deve funcionar como um termo singular unicamente referencial com pleno significado cognitivo, o qual deve ser dado pela regra identificadora por ela expressa.[87]

 

Compatibilizando as soluções corrigidas

Uma vez de posse das análises de Frege e Russell despojadas de seus implausíveis invólucros especulativos, o essencial de nossa estratégia passa a ser usar a identificação dos sentidos com regras semânticas e a identificação da existência com as efetivas aplicabilidades dessas regras para construir uma ponte capaz de nos permitir trafegar dos sentidos “fregeanos” para as definições contextuais “russellianas” e vice-versa. Esse estratagema deve demonstrar que ao menos formas revisadas das respostas fregeanas e russellianas aos enigmas da referência são intertraduzíveis. Eis como isso pode ser feito com respeito às soluções dos enigmas fregeanos da referência:

 

Referência a inexistentes. Como já vimos, a resposta fregeana mais razoável para o problema de como podemos predicar coisas de objetos inexistentes consiste em notar que como os termos de frases sem referência já possuem sentidos, podemos ao menos compreender de que maneira o sentido incompleto do predicado pode ser completado pelo sentido completo do termo singular, constituindo assim um conteúdo de pensamento. É isso o que nos permite pensar que o presente rei da França é sábio sem ter de assumir sua existência.

   Um melhor entendimento emerge quando traduzimos os sentidos fregeanos em termos de regras semântico-cognitivas. Nesse caso diremos, retornando à sugestão de Tugendhat, que em frases predicativas singulares verdadeiras a regra de atribuição do predicado se aplica a sua referência usual, auxiliada pela aplicação da regra de identificação do termo singular. Considere, por exemplo, a frase de Iuri Gagarin ao ver a Terra pela primeira vez à distância:

 

A Terra é azul.

 

Primeiro ele precisou identificar alguma coisa no espaço, um objeto: o planeta Terra. Só com base nessa identificação ele pôde aplicar o predicado ‘...é azul’ ao objeto que ele havia individuado. Vemos que a regra de atribuição do predicado ‘...é azul’ precisa ser orientada pela aplicação da regra de identificação do objeto a ser referido (que seleciona dentre outros aquele chamado ‘Terra’) de maneira a encontrar o objeto, só então podendo aplicar-se a ele de maneira a identificar sua propriedade particularizada de ser azul. A regra de atribuição do predicado precisa, pois, aplicar-se em combinação com a regra de identificação do objeto, pois só assim ela pode encontrá-lo de modo que ele possa satisfazê-la ou não. Note-se que se o enunciado fosse “A Terra é vermelha”, ele seria falso, pois o objeto individuado pela regra de identificação do nome não satisfaria a regra de atribuição do predicado ‘... é vermelho’. O que Frege havia identificado como sendo “o pensamento” (der Gedanke) é a regra de verificação da frase (Satz), que pode ter a propriedade de ser efetivamente aplicável ao fato, de ser verdadeira adequando-se efetivamente a ele, ou de ser apenas concebivelmente aplicável ao fato, não tendo, pois, tal propriedade, sendo por isso considerada falsa, não se adequando a ele.

   Vejamos agora o caso de termos singulares vazios, da pretensa referência a inexistentes, como a encontrada na sentença “Vulcano é vermelho”. Vulcano, como é sabido, é um pequeno planeta que os astrônomos desde Le Verrier acreditavam que deveria existir entre o Sol e Mercúrio de maneira a explicar as variações no periélio do último, tendo sido inclusive calculado que ele se encontraria a cerca de 21 milhões de quilômetros do Sol. Esse é o sentido fregeano do termo, que para ele seria o modo de se dar (Art des Gegebenseins) de seu objeto. Mas para grande decepção dos astrônomos, Vulcano nunca foi encontrado. E toda a discussão sobre Vulcano foi esquecida depois que a aplicação da teoria geral da relatividade ao caso demonstrou com precisão que a variação de seu periélio resultava da curvatura gravitacional do espaço. Hoje temos certeza de que Vulcano não existe, de que a referência desse nome é vazia, de que a sua regra de identificação não é aplicável. Como resultado disso, a aplicação da regra de atribuição do predicado ‘...é vermelho’ também fica impossibilitada. Como a regra de identificação do termo singular não chega a se aplicar a seu objeto, a regra de atribuição do predicado também não o alcança, não chegando a ser satisfeita por nenhuma propriedade realmente dada, o que faz com que o predicado não se aplique e que por conseguinte a frase (pace Frege) seja falsa.

     Contudo, as considerações acima tornam fácil encontrar uma explicação mais apropriada para o que acontece. Isso só é possível devido à imaginação. Nós somos capazes de ao menos conceber como seria a aplicação de ambas as regras em combinação, mesmo que não possamos aplicá-las ao mundo real. É só na medida em que somos capazes de conceber a possibilidade de aplicação de ambas as regras de modo combinado em uma situação real, na constituição do que Tugendhat chamou de uma regra de verificação (Verifikationsregel), que compreendemos o sentido cognitivo da frase, algo equivalente ao pensamento (Gedanke) fregeano.

   É por isso que uma frase como “O presente rei da França é calvo” já é capaz de exprimir um sentido completo, um pensamento. É porque somos capazes de conceber as duas regras sendo usadas em combinação de modo a formarem alguma regra de verificação, doando algum sentido à frase, o pensamento, que por falta de objeto (e, portanto, de um fato correlato) fica sem aplicação, tornando a frase falsa.

   À questão de se saber como é possível predicar calvície de algo que não existe, a resposta fica agora sendo: nós somos capazes de conceber a aplicação das regras e ao fazermos isso damos sentido aos termos e à frase como um todo. Só na medida em que o sentido do termo singular passa a ser concebido pela imaginação como podendo ser combinado com o sentido do predicado de modo a construir um pensamento completo é que somos capazes de ter esse pensamento como sendo em princípio aplicável, mesmo que ele permaneça efetivamente inaplicável à realidade. Nós só predicamos, pois, de maneira a dar sentido à frase, ou seja, de maneira a produzir um uso combinado da regra de atribuição com a regra de identificação, de modo a formar a regra de verificação que é o pensamento, aplicável a um fato meramente concebível. Mas nós não predicamos da maneira forçosa que se dá quando a regra de atribuição do predicado se aplica à propriedade local do próprio objeto identificado pelo termo singular, posto que tal objeto não existe. Trata-se de uma predicação meramente imaginada, sem força assertórica, pois sem uma pretensa relação com o mundo.

   Ora, à luz dessa reconstrução fica mais fácil fazer a teoria do sentido concordar com a teoria das descrições. Podemos parafrasear a descrição ‘o presente rei da França’ russellianamente como ‘somente um x, tal que x é presentemente rei da França’. E podemos dizer que aquilo que ganhamos com isso é uma formulação analisada do mesmo sentido fregeano, ou seja, da mesma regra de identificação para o presente rei da França, que passa a ser vista como possuindo dois componentes:

 

(i)               a condição de unicidade,

(ii)            a regra de atribuição do predicado ‘...é presentemente rei da França’.

 

Trata-se de uma regra de identificação de objeto na medida em que ela nos faz distinguir um e não mais do que um objeto através de uma propriedade criterial sua, que é a de presentemente reinar na França. A inexistência do presente rei da França corresponde à inaplicabilidade desse predicado e, portanto, à inaplicabilidade da regra de identificação formada por (i) e (ii) e, por conseguinte, à falta de referência do sentido por ela formado. Quanto ao predicado ‘x é calvo’, ele também não se aplica, posto que não existe algo com a propriedade de ser o presente rei da França a que ele possa se aplicar. Mas esse predicado também expressa uma regra de atribuição e, portanto, um sentido fregeano. Juntando os fios: ao pensarmos a sentença “Existe somente um x tal que x é presentemente rei da França e x é calvo” nada mais fazemos do que ensaiar uma tentativa de aplicação da mesma regra de verificação que a expressa pela frase “O presente rei da França é calvo”, ou seja, nada mais fazemos que ensaiar a asserção do mesmo sentido, do mesmo pensamento, percebendo então que a regra não possui aplicação efetiva, que esse pensamento não corresponde ao fato, que ele é falso, posto que pela inaplicabilidade da regra de identificação a regra de atribuição do predicado não tem como encontrar seu objeto (em termos fregeanos, não há objeto a cair sob o conceito). Analisando o caso da referência a inexistentes já vemos como é possível transitar de uma explicação “fregeana” para uma explicação “russelliana” e vice-versa.

(ii) Existenciais negativos. Em um entendimento fregeano, a negação da predicação de existência não é problemática, pois é a negação da propriedade do conceito de ter ao menos um objeto que sob ele caia. Tendo rejeitado como implausível e desnecessária a noção fregeana de conceito entendido como a referência do predicado, e tendo identificado o conceito com o sentido da expressão predicativa, dizer que o presente rei da França não existe torna-se o mesmo que dizer que o sentido de ‘o presente rei da França’ não chega a determinar uma referência.

   Como expressaríamos isso falando de regras semântico-cognitivas no lugar de sentidos? Ora, diríamos que o sentido ou conceito expresso por um termo singular como ‘o presente rei da França’ é dado pela regra de identificação desse termo. Como a existência nada mais é do que a efetiva aplicabilidade de uma regra conceitual, dizer que o objeto referido por essa regra conceitual de identificação não existe é o mesmo que dizer que essa regra não possui a efetiva (e continuada) aplicabilidade requerida.

   Passemos agora à análise “russelliana”. Nela uma descrição como ‘o presente rei da França’ é transformada em ‘ao menos um x e não mais que um x tal que x é o presente rei da França’. Com isso o que temos é um sentido, uma regra de identificação, dado que ela deve distinguir um objeto particular. Essa regra deve ser composta por duas sub-regras:

 

(i)                a condição de unicidade e

(ii)             a regra de atribuição do predicado ‘...é presente rei da França’.

 

Dizer que o presente rei da França não existe é ao menos dizer “Não é o caso que existe ao menos um x e não mais que um x, tal que x é presentemente rei da França”, e isso é o mesmo que dizer que a regra de identificação composta pelas condições (i) e (ii) não é efetivamente aplicável (mesmo que sua aplicação seja concebível na imaginação). Qual a diferença entre essa regra, a regra anterior e o sentido (fregeano) da descrição? A resposta é que se trata de exposições diferentes de algo pelo menos bastante similar. A regra de identificação é apenas decomposta pela análise “russelliana” em duas: a regra de unicidade e a regra de atribuição do predicado. Dizer que o presente rei da França existe é dizer que a regra de atribuição do predicado ‘...presente rei da França’ é efetivamente aplicável a um único objeto. E dizer que o presente rei da França não existe é dizer que a regra de atribuição do predicado ‘...presente rei da França’ não se aplica à propriedade local de um objeto específico. Como o que temos são formas diversamente analisadas do modo como a referência é determinada, as análises “russelliana” e “fregeana” dos existenciais negativos convergem no sentido de se tornarem duas maneiras diversas de se dizer praticamente o mesmo (isso fica mais claro quando pensamos em uma descrição definida realmente aplicável como em “A presente rainha da Inglaterra tem cabelos brancos”: o único x que é a presente rainha da Inglaterra possui uma porção de propriedades individuadoras bem conhecidas que são criterialmente demandadas por seu conceito, além da propriedade adicional de ter cabelos brancos).

(iii) Identidade. Considere agora sentenças de identidade como “A estrela da manhã é a estrela da tarde”. Como podem ser tais sentenças informativas, se as descrições se referem a um mesmo objeto? A resposta de Frege é que apesar disso essas descrições exprimem modos de apresentação diferentes, sentidos diferentes, e que expor modos de apresentação diferentes dizendo que eles se referem a uma mesma coisa é informar. Parafraseando o conceito de sentido em termos de regra, o que Frege acaba por nos sugerir é que a frase acima é informativa porque nos diz que identificamos o mesmo objeto através de duas regras de identificação diferentes, que apelam a configurações criteriais diversas.[88]

   Por meio da teoria das descrições, chamando o predicado ‘estrela da manhã’ de M e o predicado ‘estrela da tarde’ de T, a frase de identidade pode ser simbolizada como

 

(1)    x (Mx & Tx & (y) (Myy = x)) & (z) (Tzz = x)).

 

 Ou seja:

 

(2)    Existe somente um x que é estrela da manhã e esse mesmo x é estrela da tarde.

 

 Mas o que (1) e (2) querem dizer é que tanto a regra de atribuição do predicado ‘estrela da manhã’ quanto a regra de atribuição do predicado ‘estrela da tarde’ efetivamente se aplicam a não mais que um único objeto que acontece de ser o mesmo. Assim, a análise russelliana nos garante que a regra de identificação constituída por “x (Mx & (y) (My → y = x))” se aplica ao mesmo objeto que a regra de identificação constituída por “x (Tx & (z) (Tz → z = x))”, dado que por transitividade y = z. Mas isso é praticamente o mesmo que dizer que temos duas regras de identificação diferentes, dois modos de apresentação ou sentidos fregeanos diferentes para o mesmo objeto. Outra vez, as duas análises demonstram-se suficientemente intertraduzíveis.

   (iv) Contextos opacos. Finalmente, considere os proferimentos de atitude proposicional como:

 

     (1) George IV acredita que Scott é Scott.

 

          e

 

     (2) George IV acredita que o autor de Waverley é Scott.

 

Por que a verdade de (1) não garante a verdade de (2), se ambas as frases subordinadas são frases de identidade sobre a mesma pessoa?

   Para Frege a resposta é que em tais casos a frase subordinada não tem a sua referência usual, que para ele é o valor-verdade. Ela se refere, pensa ele, ao sentido ou pensamento da frase subordinada. Como consequência, o valor-verdade da frase que exprime atitude proposicional deixa de ser função do valor-verdade da frase subordinada, tornando a intersubstituição salva veritate impossível.[89]

   Como rejeitamos a ideia fregeana contra-intuitiva de que a referência usual da frase deva ser o seu valor-verdade, precisamos primeiro refazer a sua solução. Podemos preservar a sua excelente sugestão de que a referência da frase subordinada seja o seu sentido em proferimentos de atitudes proposicionais. Podemos simbolizar esse ponto como “aAp”, em que ‘a’ refere-se a uma certa pessoa, ‘_’ torna a referência o próprio sentido, de modo que ‘p’ refere-se a um dado pensamento, e ‘A’ refere-se a uma atitude, que pode ser de crença, de conhecimento, de desejo etc. Mas isso significa que nessa posição p não se refere mais ao fato (como uma concatenação de elementos dada no mundo) que lhe possa eventualmente corresponder, deixando de entrar em questão o papel do fazedor-de-verdade, a sua correspondência com o fato no mundo[90]. Na frase de atitude proposicional, o que importa é certa relação entre o conteúdo da frase principal (geralmente expressando uma disposição ou ato mental que atribuímos a certa pessoa ou a nós mesmos) e o pensamento expresso pela frase subordinada, de modo que a verdade ou falsidade da frase de atitude proposicional dependa apenas de essa relação respectivamente se dar ou não se dar de fato na mente da pessoa a. O fato que torna a frase do tipo aAp verdadeira é o próprio pensamento de que p tido por a. E isso se dá na independência do pensamento p da frase subordinada corresponder ou não ao fato no mundo que lhe deveria ser correlato, na independência de esse pensamento ser factualmente verdadeiro ou não. Em outras palavras: a referência da frase subordinada é um conteúdo de pensamento em relação ao qual afirmamos que a pessoa tem uma atitude ou disposição, de modo que:

 

Um enunciado do tipo “aAp” é verdadeiro see a sua referência aAp for um fato constituído pela existência da pessoa a em sua atitude A  em relação ao pensamento p que ela que ela tem.

 

É por isso, afinal, que o pensamento expresso pela frase subordinada não pode ser substituído salva veritate: é ele próprio o fato referido pela frase subordinada.

   Parafraseando agora pensamentos como regras de verificação de frases, podemos dizer que as regras de verificação das frases subordinadas de (1) e (2) são diferentes sem para isso nos comprometermos com a efetiva aplicabilidade dessas regras, com a existência real daquilo que as satisfaz. Assim, considerando o sentido do termo singular como uma regra de identificação, podemos parafrasear (1) como

 

     (1’) George IV acredita que a regra de identificação (sentido) que ele conhece para Scott se 

     aplica ao mesmo objeto que a regra de identificação (sentido) que ele conhece para Scott,[91]

 

e (2) como

 

(2’) George IV acredita que a regra de identificação (sentido) que ele conhece para Scott se aplica ao mesmo objeto que a (diferente) regra de identificação (sentido) que ele conhece para o autor de Waverley.

 

 Como em (1’) e (2’) os conteúdos de pensamento com relação aos quais George IV tem a relação de crença são diferentes, e como enunciados de atitude proposicional como esses dependem apenas da correspondência entre a relação de crença enunciada e pensada por quem enuncia e a relação de crença factualmente dada (supostamente, um conteúdo cognitivo de crença atribuido a George IV) para serem verdadeiros, as frases subordinadas não podem ser substituídas salva-veritate, pois os pensamentos ou regras verificacionais a serem por elas referidos são diferentes.

   Passemos agora à paráfrase russelliana. A frase subordinada de (1) é analisada como:

 

(1’’) George IV acredita que existe precisamente um x que é Scott e que esse x é Scott.

 

E a frase subordinada de (2) é analisada de modo a obtermos:

 

(2’’) George IV acredita que existe precisamente um x que é autor de Waverley e que esse x é Scott.

 

 Ora, como as locuções ‘somente um x que é Scott’ e ‘somente um x que é autor de Waverley’ contém diferentes predicações, “Scott é Scott” não pode querer dizer o mesmo que “Scott é o autor de Waverley”.

   O ponto a ser notado é o de que aquilo que a análise russelliana faz é apenas explicitar melhor um aspecto de nossa versão da análise fregeana. Afinal, a análise fregeana em (2’), por exemplo, também pode ser apresentada como

 

(2’’’) George IV acredita que existe somente um x tal que a regra de identificação que ele conhece para Scott, tanto quanto a (diferente) regra de identificação que ele conhece para o autor de Waverley, a ele se aplicam.

 

Mas (2’’’) e (2’’) não diferem essencialmente. Afinal, dizer ao modo de Russell que George IV acredita que a regra de identificação que ele conhece para o predicado ‘Scott’ e que a regra de identificação que ele conhece para o predicado ‘o autor de Waverley’ se aplicam a um único e mesmo objeto vem a dar praticamente no mesmo que dizer ao modo de Frege que George IV acredita que a regra de identificação (o sentido) que ele conhece para o termo singular ‘Scott’ tem o mesmo referente que a regra de identificação (o sentido) que ele conhece para ‘o autor de Waverley’. Conclusão: também no caso das atitudes proposicionais, as análises são praticamente intertraduzíveis.

 

Conclusão

Podemos sumarizar analisando a função referencial das descrições definidas de três maneiras: (i) em termos de “entidades abstratas”, como Frege fez ao falar de sentidos, (ii) em termos de regras de identificação cognitivo-criteriais, inspirados em abordagens como as de Dummett e Tugendhat, e ainda (iii) usando os recursos da lógica predicativa, como Russell fez em sua teoria das descrições. Trata-se, porém, tão somente de maneiras diversas e complementares de se tentar dizer o mesmo.

   Críticos dogmáticos diriam que me vali de contorcionismos argumentativo para demonstrar que ambas as teorias são modos difererentes de se dizer (quase) o mesmo. Mas na verdade foram descontorcionismos, posto que os contorcionismos já se encontravam presentes nos pressupostos metafísicos de Frege e Russell. A impressão de que se trata de abordagens conflitivas fica somente por conta desses pressupostos metafísicos implausíveis que impregnam aquilo que cada um desses filósofos escreveu.

   Muito diversamente do que Russell pensava, as paráfrases produzidas pela teoria das descrições nada mais são do que um artifício pelo qual se torna possível exprimir formalmente a função referencial-identificadora das descrições definidas em seu uso atributivo, fazendo isso através de expressões predicativas usadas em um domínio que lhes garanta aplicação unívoca. E isso as faz figurar como expressões de sentidos fregeanos – expressões de modos de apresentação que são melhor parafraseados como regras de identificação. Como essas regras só se aplicam realmente em instanciações cognitivas, fica claro o compromisso da teoria das descrições, assim revisada, com o cognitivismo semântico que nos importa investigar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

4

NOMES PRÓPRIOS (I): DESCRITIVISMO

 

Nesse capítulo começaremos a investigação de como os nomes próprios referem. Existem duas espécies gerais de teorias dos nomes próprios: as descritivistas, que enfatizam o elo intermediário cognitivo descritivamente exprimível, que deve poder existir entre o nome e o objeto, e as referencialistas, que enfatizam o objeto referido e sua relação causal com o proferimento, rejeitando a relevância de um elo intermediário. Meu objetivo nesse e no próximo capítulo será o de fornecer suporte para o capítulo 6, no qual apresentarei minha própria explicação do mecanismo de referência dos nomes próprios. Assim, no presente capítulo discutirei as versões clássicas do descritivismo e no próximo as principais ideias do referencialismo kripkiano. Antes de tudo, porém, quero introduzir criticamente a teoria referencialista dos nomes próprios sugerida por John Stuart Mill ainda no século XIX, posto que ela está na origem da discussão contemporânea.

 

Stuart Mill: nomes sem conotação

Mill começou por distinguir entre a denotação e a conotação de um termo: a denotação é a referência do termo, enquanto a conotação (sentido ou significado) é o seu elemento passível de descrição e que implica um atributo. Entre as expressões referenciais, a descrição definida (chamada por ele de ‘nome individual’) possui tanto denotação quanto conotação. Ela denota através de sua conotação, nomeadamente, por expressar atributos que, possuídos unicamente pelo seu objeto, nos permitem identificá-lo referencialmente. Uma descrição como ‘o autor de O coração das trevas’ conota um atributo que somente um único indivíduo possuiu, qual seja, o atributo de ter sido o autor de um certo livro. O mesmo não acontece com o nome próprio. Em suas palavras:

 

Nomes próprios não são conotativos: eles denotam os indivíduos que são chamados por eles, mas não indicam ou implicam quaisquer atributos como pertencentes àqueles indivíduos. Quando chamamos uma criança pelo nome Paulo ou um cão pelo nome César, esses nomes são simples marcas usadas para permitir aos indivíduos se tornarem objeto do discurso. (...) Nomes próprios são ligados aos objetos em si mesmos, não dependendo da continuidade de nenhum atributo do objeto.[92]

 

Em outras palavras: o nome próprio não tem conotação. Ele tem uma estrutura mais simples, ele refere diretamente, como se fosse um rótulo colado em uma garrafa. Como para Mill o significado não reside naquilo que um nome denota, mas naquilo que ele conota, segue-se que nomes próprios não possuem significado.

   Quero fazer aqui uma pausa para notar que Mill também fez afirmações que se encontram em dissonância com a interpretação standard que acabo de expor. Como ele escreveu:

 

Um nome próprio não é mais do que uma marca sem significado que conectamos em nossas mentes com a ideia do objeto, de modo que sempre que essa marca encontra nossos olhos ou ocorre em nosso pensamento, podemos pensar naquele objeto individual.[93] (grifo nosso).

 

Parece, pois, que por significado Mill entendia aqui o significado linguisticamente expresso, que se distingue da ideia do objeto. De fato, o nome próprio não tem nenhum significado linguisticamente expresso do modo como acontece com a descrição definida ou como parece acontecer com termos gerais (que ele chamava de ‘nomes gerais’) como ‘homem’, ‘cão’ e ‘doença’, que para ele também conotam os respectivos atributos além de denotarem os conjuntos de todos os homens, de todos os cães e de todos os organismos doentes. Contudo, o que Mill chama de ideia do objeto não parece menos do que um modo psicologista de se falar de conteúdos informativos, a dizer, de sentidos que só diferem dos de Frege no aspecto ontológico. Se for esse o caso, então a concepção de Mill acaba sendo compatível com a sugestão de que nomes próprios possuem algo como sentidos entendidos como modos de apresentação psicológicos, daí resultando que deixa de haver uma contradição categórica entre a sua posição e o descritivismo sobre nomes próprios defendido por Frege e outros. Embora eu considere essa a maneira mais benevolente de se interpretar o que Mill estava tentando dizer, ignorá-la-ei aqui por razões expositivas.

   A teoria da referência direta alegadamente proposta por Mill é facilmente refutável. Na forma apresentada na primeira citação ela não é capaz de resolver satisfatoriamente os enigmas da referência já considerados em nossa discussão da teoria russelliana das descrições. Quanto ao enigma da referência a inexistentes, como dar sentido a uma frase como “Papai Noel vive no Pólo Norte”, se o nome ‘Papai Noel’ não possui nem conotação nem denotação? A isso Mill poderia responder que Papai Noel se refere a um objeto imaginário. Mas considere o caso de um existencial negativo verdadeiro como “Papai Noel não existe”. Se tudo o que pertence ao nome for a sua referência, tal frase parece contraditória, pois aplicar o nome já seria admitir sua existência. Quanto aos enunciados de identidade contendo nomes co-referenciais, considere a diferença entre a frase (a) “Hesperus é Hesperus” e a frase (b) “Hesperus é Phosphorus”. A primeira é tautológica, nada dizendo, enquanto a segunda pode ser informativa. Como para Mill, por não conotarem, os nomes co-referenciais não podem possuir diferentes valores semânticos, a sentença (b) deveria ser tão trivial quanto (a). Finalmente, quanto ao problema da ausência de intersubstitutividade em contextos opacos, considere uma sentença como “Maria acredita que Cícero, mas não Túlio, é um orador romano”. Se os nomes próprios ‘Cícero’ e ‘Túlio’ são apenas rótulos para uma mesma pessoa, parece que Maria precisa ser capaz de acreditar em coisas totalmente inconsistentes, como a de que Cícero não é Cícero. Por razões como essas e sob a influência contrária do descritivismo de Russell, a teoria milliana da referência direta dos nomes próprios cedo caiu no esquecimento.

 

Descritivismo (I): Frege e Russell

A teoria descritivista dos nomes próprios dominou o século XX até a década de 1970, quando acabou sendo eclipsada pela nova versão do millianismo inicialmente proposta por Saul Kripke e Keith Donnellan. A ideia geral do descritivismo é a de que o nome próprio refere indiretamente, por alusão a propriedades geralmente exprimíveis através de conjuntos ou feixes (bundles) de descrições. Ou seja: contrariamente ao millianismo, nomes próprios conotam. Eles conotam por estarem no lugar de feixes de descrições, sendo por isso logicamente mais complexos e não mais simples do que elas. 

   Segundo uma interpretação corrente que foi difundida por Kripke, há duas formas de descritivismo: uma mais primitiva, defendida por Frege e Russell, segundo a qual o sentido de um nome próprio é dado por uma única descrição definida associada a ele, e outra mais sofisticada, defendida por filósofos como Wittgenstein, Strawson e Searle, segundo a qual o sentido do nome próprio é dado por um feixe ou agregado de descrições[94]. Meu principal objetivo nesse capítulo é o de demonstrar que essa interpretação é obviamente incorreta. Uma complexa teoria descritivista dos nomes próprios já era aludida nos escritos de Frege e Russell, mesmo que neles se encontrasse apenas fragmentariamente tematizada. O que houve desde então foi uma progressiva explicitação e adição de detalhes aspectuais em torno de um insight comum.

   Para demonstrar minha tese quero começar considerando a formulação fregeana. No pouco que escreveu sobre a referência dos nomes próprios, Frege interpretou os seus sentidos como exprimíveis por diferentes descrições ou conjunções de descrições definidas que a ele associamos. Essa interpretanção aparece em uma conhecida nota de seu artigo “Sobre sentido e referência”, onde a teoria descritivista propriamente se origina:

 

No caso de nomes genuinamente próprios, como ‘Aristóteles’, opiniões sobre o seu sentido podem divergir. O seguinte sentido pode ser sugerido: discípulo de Platão e tutor de Alexandre o Grande. Quem quer que aceite esse sentido irá interpretar o sentido do enunciado “Aristóteles nasceu em Estagira” diversamente de quem interpreta o sentido de Aristóteles como o professor estagirita de Alexandre o Grande. Na medida em que o nominatum permanece o mesmo, essas flutuações no sentido são toleráveis.[95]

 

O que essa nota sugere é que pessoas diferentes podem associar descrições ou mesmo conjunções de descrições diferentes a um mesmo nome – conjunções como ‘o discípulo de Platão e o tutor de Alexandre’. Os diversos sentidos associados ao nome são expressos pelas diversas descrições definidas, sob a condição de que elas preservem a referência.

   Contudo, Frege também observou que as flutuações no sentido não podem ser tão grandes a ponto de impedir a comunicação: se diferentes usuários da linguagem associam descrições ou conjunções de descrições totalmente diferentes a um nome próprio, perde-se a unidade do sentido e torna-se impossível para eles saberem se estão falando da mesma pessoa. Suponha, escreveu Frege, que Leo Peter tenha ido à residência do doutor Gustav Lauben e o tenha ouvido dizer “Eu fui ferido”, sendo isso tudo o que ele sabe sobre Gustav Lauben. Leo Peter tenta comentar o ocorrido com Herbert Garner, que por sua vez sabe de um Dr. Gustav Lauben que nasceu em 13 de setembro de 1875 em N.N., não sabendo, porém, onde o Dr. Lauben reside agora, nem qualquer outra coisa acerca dele. Disso resulta que Leo Peter e Herbert Garner não conseguem saber se estão falando da mesma pessoa. Pois no dizer de Frege eles

 

não falam a mesma língua, ainda que com esse nome eles de fato designem o mesmo homem; pois eles não sabem que fazem isso. Herbert Garner não associa, pois, à frase “Dr. Gustav Lauben foi ferido”, o mesmo pensamento que Leo Peter quer com ela exprimir.[96]

 

Do que foi considerado deixa-se facilmente concluir que Frege concordaria com a tese descritivista de que o sentido completo de um nome próprio é constituído por um conjunto de sentidos geralmente exprimíveis através de descrições; cada falante tem geralmente acesso a um certo subconjunto desse conjunto de sentidos; mas tais subconjuntos precisam ter em comum ao menos o suficiente para que os falantes possam saber que estão se referindo ao mesmo objeto; é preciso que os dois conjuntos de descrições se interseccionem.

   Michael Dummett, o mais original e influente intérprete de Frege, protestou contra a ideia de que Frege teria proposto uma teoria descritivista dos nomes próprios.[97] A alegação de Dummett foi a de que Frege usou descrições porque eram maneiras fáceis de esclarecer o sentido de alguns exemplos, mas que isso não tem nada a ver com a ideia de Russell de que o nome próprio é a abreviação de uma descrição complexa, nem com a concepção referencialista do significado inerente à teoria das descrições... Além disso, escreveu Dummett, não há nenhum indício de que Frege concordaria com a ideia de que o sentido do nome próprio possa ser sempre expresso através de descrições. Segundo ele, o importante para Frege é que o nome próprio seja associado a um critério para reconhecer um dado objeto como o seu referente. Dummett ilustrou o seu ponto considerando as múltiplas maneiras possíveis de se identificar o rio Tâmisa.[98] Muitas vezes, escreveu ele, isso é feito indiretamente, a partir de informações colaterais, como é o caso de uma pessoa que percebe que se trata do mesmo rio que passa sob a ponte de Radcot ou através da cidadela de Henley... E uma pessoa pode saber que ele passa por Oxford sem saber que ele é o mesmo rio que atravessa Londres, ainda assim identificando o rio corretamente. Não há, concluiu ele, nenhuma condição suficiente que todos precisem saber para a identificação do Rio Tâmisa.

   Contudo, nenhuma das razões aduzidas por Dummett justifica seu protesto. Primeiro, é perfeitamente possível adotar o descritivismo sem se comprometer com a concepção referencialista do significado implícita na exposição russelliana, o que me parece o cultprit da reação dummettiana. Depois, o descritivista não precisa defender que tudo pode ser expresso por meio de descrições: representações táteis, visuais e auditivas não podem ser em si mesmas resgatáveis através de palavras. Descrições são geralmente expressões linguísticas de regras convencionais ou convencionalmente fundadas – que é como poderíamos chamar as combinações de regras convencionais – pelas quais significações se assomam à linguagem. O que realmente conta são essas regras semântico-criteriais, as quais se deixam exprimir através de descrições e que por isso, em alguma medida, vinculam o nome próprio ao seu portador. Esse entendimento, porém, é complementar à própria ideia de Dummett de que o importante para o sentido do nome próprio é que ele seja associado a um critério de identidade para o objeto, permitindo que ele seja reconhecido outra vez como sendo o mesmo.[99] Finalmente, um filósofo como Frege estava longe de pensar em uma descrição como condição suficiente para a aplicação do nome próprio. Penso que Dummett tinha uma visão demasiado restritiva do que pode ser uma teoria descritivista dos nomes próprios, tendo sido falsamente orientado por uma aplicação simplificadora mas bastante usual da teoria das descrições de Russell. Isso ficará mais claro quando compararmos o seu exemplo do rio Tâmisa com o exemplo de Russell sobre Bismark.

   Passemos então à concepção de Russell. Como já foi notado, ele via os nomes próprios da linguagem ordinária como descrições definidas abreviadas, truncadas ou disfarçadas, sugerindo que elas pudessem ser analisados pelo mesmo método pelo qual ele analisara as descrições definidas. Como ele não estava primariamente interessado na prática linguística ordinária, ele pouco se deteve na questão. Mas para ele o nome próprio não abrevia uma única descrição, como muitos insistiram em interpretá-lo, e como ele próprio, por mera conveniência de exposição, costumava fazer parecer em seus textos mais técnicos. Isso fica claro em um texto com menos preocupações formais, como Os Problemas da Filosofia, onde ele demonstrou possuir um entendimento muito mais complexo da questão. Eis uma passagem:

 

Palavras comuns, mesmo nomes próprios, são geralmente descrições. Isto é, o pensamento na mente de uma pessoa usando um nome próprio corretamente só pode em geral ser explicitamente expresso se o substituirmos por uma descrição. Mais além, a descrição requerida para exprimir o pensamento irá variar para pessoas diferentes ou para uma mesma pessoa em diferentes tempos. (grifos meus)[100] 

 

O que essa passagem sugere é que há na linguagem um vasto repositório de informações sobre o objeto de um nome, as quais são muitas vezes exprimíveis na forma de descrições definidas. Quando proferimos o nome próprio, costumamos ter em mente uma ou mais dessas descrições, de modo que tudo o que é necessário para que o ouvinte entenda que se trata da mesma pessoa, escreveu Russell, é que ele saiba que as descrições se aplicam à mesma entidade evocada em sua mente.[101]

   Russell apresentou em seguida como exemplo o nome ‘Bismark’. Uma primeira e peculiar forma de acesso a Bismark é a que o próprio Bismark tinha a si mesmo em um juízo como “Eu sou Bismark”. Nesse caso, para Russell o próprio Bismark é um componente de seu juízo, sem passar por uma descrição. Uma outra maneira de se ter em mente Bismark é a das pessoas que lhe foram pessoalmente apresentadas. Nesse caso, o que elas consideram é o corpo e a mente de Bismark, conhecidos por intermédio de conjuntos de dados sensíveis a eles associados, geralmente aptos a serem expressos por descrições. Mas ainda outra maneira de se conhecer Bismark, escreve Russell, é através da história. Nesse caso associamos à sua pessoa descrições como ‘o primeiro chanceler do império germânico é um astuto diplomata’ (que é uma descrição composta, formada pela conjunção de uma descrição definida com uma descrição indefinida). No final das contas, o que geralmente temos em mente é um vasto conjunto de informações históricas exprimíveis sob a forma de descrições que podem ser capazes de identificar a pessoa univocamente. Como ele escreve:

 

Quando nós, que não conhecemos Bismark, fazemos um juízo sobre ele, a descrição em nossas mentes será provavelmente alguma mais ou menos vaga massa de conhecimento histórico – muito mais, geralmente, do que é requerido para identificá-lo. Mas aqui, por razão de ilustração, vamos assumir que pensamos nele como ‘o primeiro chanceler do império alemão’. (grifos meus)[102]

 

O texto é do próprio Russell e não me deixa mentir. O que ele sugere é que quando usamos um nome próprio em terceira pessoa, o que temos em mente deixa-se exprimir através de uma descrição complexa (a “massa de informações”), que só pode ser constituda pela composição de uma variedade de descrições. Essa descrição composta possui contornos vagos (que costumam variar de usuário para usuário e inclusive para um mesmo usuário em diferentes ocasiões), pertencendo a um ainda maior repositório de descrições que expressam uma totalidade de informações identificadoras do mesmo objeto.

   Que espécie de composição de descrições e repositório de descrições é algo que fica em aberto. Se quisermos poderemos tentar analisar essa totalidade como uma conjunção de descrições sobre o mesmo x, a saber, como uma conjunção de atribuições existenciais unívocas de propriedades. Se os predicados descritivos dessas propriedades forem simbolizados como os do conjunto {F1, F2... Fn}, uma descrição definida composta (formada por outras descrições definidas) será então analisada ao modo de Russell como (Ex) ((F1x & F2x... & Fnx) & (y) (F1yy = x) & (y) (F2yy = x)... & (y) (Fnyy = x)). Não importa a maneira pela qual decidiremos interpretar a noção de “massa de informações”; o fato é que a sugestão de que Russell defendia que ao usarmos nomes próprios temos em mente uma única descrição não passa de uma quimera interpretativa, uma caricatura do que ele realmente pensava.

   O que essas leituras textuais também demonstram é que Russell estava disposto a analisar o nome próprio ‘Bismark’ de uma maneira que não difere substancialmente daquela pela qual Dummett analisa o sentido do nome próprio ‘Tâmisa’. Uma descrição central, como ‘o primeiro chanceler do Império Germânico’, é para Russell apenas uma dentre a massa de descrições que alguém pode associar a Bismark, da mesma forma que para Dummett a descrição central ‘o rio que atravessa Londres’ é apenas uma dentre as muitas descrições que alguém pode associar ao nome ‘Tâmisa’.

   Se insistirmos em achar que Frege não foi um descritivista, então parece que deveremos concluir o mesmo de Russell. Mas como Russell sempre foi considerado o “descritivista-mor”, a conclusão só pode ser a de que Frege também foi um descritivista. E há uma razão para se pensar assim: se há uma unidade efetiva no objeto teórico das teorias descritivistas, então as suas várias versões não precisam ser alternativas inconsistentes entre si, mas aproximações mais ou menos congruentes de um mesmo fenômeno complexo, cada qual pondo em relevo diferentes aspectos dele, mesmo que divergindo em métodos e pressupostos.

 

Descritivismo (II): Wittgenstein, Strawson e Searle

Após Frege e Russell, vários outros filósofos ligados à filosofia da linguagem natural, principalmente Wittgenstein, P.F. Strawson e J.R. Searle, apresentaram sugestões de interesse no sentido de aprimorar a teoria dos nomes próprios como feixes ou agregados de descrições fragmentariamente exposta pelos primeiros. Quero considerar brevemente as sugestões de cada um deles.

   Na seção 79 das Investigações Filosóficas Wittgenstein adiciona alguns comentários à concepção de Russell. Segundo ele, ‘Moisés’ pode estar abreviando uma variedade de descrições como, por exemplo, ‘o homem que guiou os israelitas através do deserto’, ‘o homem que viveu naquele tempo e naquele lugar e que naquela época foi chamado de ‘Moisés’’, ‘o homem que em criança foi retirado do Nilo pela filha do faraó’ etc. A isso ele adiciona que o nome ‘Moisés’ ganha sentidos diferentes de acordo com a descrição que a ele associamos, reconhecendo assim que um nome tem um sentido cognitivo expresso pelas descrições que individualmente a ele associamos. A questão que emerge é: em que medida as descrições do feixe de descrições vinculadas ao nome precisam ser satisfeitas pelo objeto? Wittgenstein evade-se de uma resposta direta. Ele observa apenas que utilizamos nomes próprios sem uma significação rígida, de modo que mesmo que algumas descrições falhem em se aplicar, ainda assim poderemos nos servir das outras como suporte. A linguagem natural é inevitavelmente vaga. Mais ainda, com o tempo o corpo de descrições identificadoras do objeto referido por um nome próprio tende a se alterar: características que antes se afiguravam irrelevantes podem, em um conceito elaborado pela ciência, se tornar relevantes e convencionalmente aceitas, enquanto outras podem se enfraquecer ou serem rejeitadas...[103]

   Segundo Strawson, para cada nome próprio há em geral um conjunto de descrições pressupostas, o qual ele chama de conjunto pressuposicional (pressupositional-set), o qual possui limites indefinidos.[104] Para sabermos aplicar um nome próprio devemos normalmente conhecer uma razoável porção do conjunto, que seja constituida por descrições definidas que ele chama de descrições identificadoras (identifying descriptions), entendidas como aplicando-se univocamente ao portador do nome. Embora nem os limites do conjunto nem o que constitui uma razoável e suficiente proporção de suas descrições sejam coisas precisamente definidas, isso não nos deveria preocupar, pois, longe disso, essa indeterminação é parte daquilo que torna o uso dos nomes próprios flexível.

   Uma ideia importante é a do empréstimo da referência (reference borrowing). Strawson quer explicar como alguém pode ser bem sucedido em usar um nome próprio referencialmente, mesmo sem conhecer uma descrição identificadora. Para ele, quando não temos uma descrição identificadora podemos tomar de empréstimo suas credenciais de referência feitas por outra pessoa, a qual por sua vez toma de empréstimo suas credenciais de referência feitas por outras pessoas até chegar a quem conheça realmente uma proporção suficiente de descrições identificadoras para poder com segurança identificar o objeto.[105] Eis porque, após a aula, um aluno pode em um sentido se referir a Aristóteles sabendo apenas que ele foi um filósofo. Ele pode fazê-lo tomando de empréstimo a referência identificadora tida pelo professor e sugerida pela descrição definida ‘o filósofo citado pelo professor na última aula’.

   Quanto ao significado de um nome próprio, este seria para Strawson aquela descrição unicamente identificadora que alguém associa ao nome próprio quando o usa. Assim, podemos querer dizer coisas diferentes com um nome como ‘Aristóteles’, conforme associemos a ele a descrição ‘o maior discípulo de Platão’ e ‘o autor da Metafísica’. Isso torna préviamente indeterminado o que queremos dizer com o nome. Mas isso não é uma desvantagem, posto que a comunicação seria muito mais difícil se cada usuário do nome próprio precisasse conhecer todas as descrições do conjunto-pressuposicional para poder aplicá-lo.

   A formulação mais sistemática, clara e elaborada da teoria descritivista dos nomes próprios se encontra em um artigo de 1958 escrito por J.R. Searle. Para esse autor, um nome próprio tem suas condições de aplicação definidas pela aplicação a um único objeto de um número suficiente, mas indefinido, de descrições. Searle exemplifica isso com o nome ‘Aristóteles’, que se encontra associado a uma classe de descrições definidas que inclui:

 

1.      o tutor de Alexandre o Grande,

2.      o autor da Ética a Nicômano, da Metafísica e De Interpretatione,

3.      o fundador da escola do Liceu em Atenas,

 

Ele inclui entre as descrições do feixe mesmo algumas descrições indefinidas como ‘um grego’ e ‘um filósofo’. Para Searle o nome próprio ‘Aristóteles’ preserva a sua aplicação se um número suficiente e variável de tais descrições se aplica. E podemos supor que este seria, em um caso extremo, minimamente redutível a um único disjunto de uma disjunção de descrições.

   Essa questão das condições de aplicação de um nome próprio é também a do seu sentido. Na paráfrase sintética de Susan Haack: os sentidos que damos a um nome próprio são expressos por subconjuntos não previamente determinados de um conjunto aberto de descrições co-referenciais.[106] O fato de os nomes próprios não conotarem sentidos específicos não quer dizer que eles não conotam sentido algum. Os nomes próprios conotam descrições de forma solta (in a loose way). Longe de ser um defeito é isso o que dá ao nome próprio a sua muito superior flexibilidade de aplicação. Como escreveu Searle:

 

...o caráter único e a imensa conveniência pragmática dos nomes próprios em nossa linguagem repousa precisamente no fato de que eles nos permitem referir publicamente a objetos sem sermos forçados a levantar questões e a chegar a um acordo sobre que características descritivas exatamente constituem a identidade do objeto. Eles funcionam, não como descrições, mas como cabides para pendurar descrições.[107]

 

Essa versão do descritivismo permite explicar uma variedade de casos. É possível, por exemplo, que um objeto satisfaça apenas umas poucas, ou mesmo uma única das descrições pertencentes ao feixe de descrições costumeiramente associadas a seu nome. O que não pode acontecer é que o nome próprio se aplique sem que nenhuma das descrições relevantes seja satisfeita. Como Searle observou, Aristóteles não pode ser o nome do garçom de um restaurante em Berkeley ou o nome de um numero primo. Ou ainda:

 

Se um especialista em Aristóteles vier nos informar que descobriu que Aristóteles na verdade não escreveu nenhuma das obras a ele atribuídas, mas foi na verdade um mercador de peixes veneziano do renascimento tardio, nós entenderemos isso como uma piada de mau gosto e nos recusaremos a ver qualquer propósito no que ele está dizendo.[108]

 

De posse dessa teoria dos nomes próprios Searle tem condições de explicar melhor afirmações de existência com nomes próprios, bem como identidades analíticas e não-analíticas entre eles: dizemos “O Everest existe” quando um número mínimo, mas indeterminado, de descrições, se aplica ao objeto; afirmamos uma identidade analítica, como “O Everest é o Everest” quando os mesmos conjuntos de descrições de cada ocorrência do nome se aplicam ao mesmo objeto; e afirmamos identidades não-analíticas, como “O Everest é o Chomolungma”, quando diferentes conjuntos de descrições se aplicam ao mesmo objeto.[109] Essas explicações estão em perfeito acordo com as de Frege.[110] Às duas últimas ele poderia adicionar que os diferentes conjuntos de descrições que as pessoas podem ter em mente não podem ser disjuntos; se eles não forem idênticos, eles precisam ao menos se interseccionar para que saibamos que estamos falando de um mesmo objeto.

     Embora Searle tenha desenvolvido a melhor exposição do descritivismo em oferta, há objeções, boas e más, contra ela. Uma objeção interessante, proposta por William Lycan, é a seguinte[111]: mesmo que o número de descrições satisfeitas pelo objeto não seja definido, ele precisa ser superior à metade do feixe de descrições, pois menos do que isso permitiria que dois objetos totalmente diversos, cada um satisfazendo uma metade das descrições, fossem identificados pelo mesmo nome próprio. Contudo, parece perfeitamente possível que se descubra um objeto que satisfaça menos da metade das descrições, talvez apenas uma ou duas, e que mesmo assim ele seja referido pelo nome.

     Responder à objeção de Lycan não é difícil. Como todo critério de aplicação, o critério de satisfação parcial de um feixe de descrições tem seus limites de aplicação. Assim, se um objeto satisfaz uma metade das descrições e outro objeto satisfaz a outra metade (assumindo que elas possuem o mesmo valor), simplesmente não há mais como saber a que objeto devemos aplicar o nome próprio e ele perde a sua função referencial. Isso não impede, porém, a existência de casos nos quais apenas umas poucas descrições do feixe sejam satisfeitas e que isso seja suficiente para que o nome próprio se aplique: basta que não se tenha encontrado nenhum objeto concorrente que satisfaça um número tão grande de descrições identificadoras tão importantes quanto as já satisfeitas pelo suposto portador do nome próprio. A objeção mostra, pois, que a teoria de Searle demanda algum acréscimo para continuar sustentável. É preciso acrescentar ao menos a exigência da inexistência de concorrentes à altura do objeto em consideração. O problema com teorias as teorias descritivistas expostas nesse capítulo, como ainda veremos, não é bem o de que elas contém erros, mas o de que elas ainda são vagos e fragmentários esboços teóricos, o que lhe reduz o poder explicativo.

     O que esse breve excurso histórico demonstra é que, diversamente do que se tende a pensar, há uma forte unidade naquilo que os defensores do descritivismo tradicional sustentaram. Não se trata de várias teorias, mas de um único esboço teórico, que foi desenvolvido sob perspectivas e interesses diversos por cada autor, o que sugere algo a favor de seu potencial heurístico.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

5

NOMES PRÓPRIOS (II): CAUSALISMO

 

 

Em 1970 Saul Kripke proferiu em Princeton as palestras que deram origem ao texto de Meaning and Necessity. Esse texto extraordinariamente original não contém apenas um influente assalto às teorias descritivistas dos nomes próprios. Ele também contém (entre outras coisas) o esboço de uma inovadora teoria referencialista dos nomes próprios, em seus princípios muito próxima da teoria da referência direta de J.S. Mill, agora também estendida aos termos de espécies naturais. Desde então o descritivismo clássico de Frege, Russell, Wittgenstein e outros, foi eclipsado pelos defensores de uma nova teoria da referência, que acabou por se tornar para muitos modelar.

   Embora reconhecendo que essas novas ideias transformaram definitivamente o panorama da discussão, tornando-o mais difícil, intrincado e desorientador, estou convencido de que a nova concepção da natureza da referência não é em si mesma sustentável. O principal objetivo desse capítulo será explicar porque penso assim.

 

Objeções kripkianas ao descritivismo

Quero começar expondo as objeções de base feitas por Kripke às teorias descritivistas dos nomes próprios. Elas têm sido classificadas como sendo de três tipos[112]: a objeção de rigidez (o problema modal), a objeção da necessidade indesejada (o problema epistêmico) e a objeção da ignorância ou erro (o problema semântico). Quero me limitar aqui a uma rápida exposição crítica dessas objeções, deixando uma discussão mais detalhada para o próximo capítulo.

   Vejamos primeiro a objeção modal, a da rigidez. Ela parte da constatação feita por Kripke de que nomes próprios são designadores rígidos, a saber, termos capazes de designar um mesmo objeto em todos os mundos possíveis, ou pelo menos naqueles mundos possíveis nos quais esse objeto existe. Contudo, as descrições definidas não costumam ser designadores rígidos, aplicando-se a objetos diversos em diferentes mundos possíveis. Como os nomes próprios são sempre designadores rígidos, eles não podem equivaler a descrições definidas, posto que o seu perfil modal é diferente: o mecanismo pelo qual nomes próprios referem deve ser intrinsecamente diverso daquele pelo qual descrições definidas referem.

   Com efeito, parece que para qualquer descrição que venhamos a escolher como constitutiva de um nome próprio é sempre possível imaginar casos nos quais o objeto existe mas ela não se aplica. Podemos, escreve Kripke, imaginar um mundo possível no qual Aristóteles nunca tenha realizado os grandes feitos que descritivamente lhe atribuímos. Esse é o caso de um mundo no qual Aristóteles realmente existiu, mas morreu na adolescência. Nesse mundo ele não satisfaz as descrições definidas de ter sido o preceptor de Alexandre, nem o fundador do Liceu, nem a pessoa que escreveu os grandes textos filosóficos pelos quais o seu nome é lembrado. Sequer descrições contendo o lugar e data de nascimento são garantidas. Podemos perfeitamente imaginar um mundo possível no qual Aristóteles viveu quinhentos anos mais tarde, tendo sido ainda assim nosso mesmo Aristóteles.[113]

   Todavia, a objeção de rigidez só se aplica a teorias descritivistas que identificam o sentido de um nome próprio com uma descrição definida ou mesmo a um subconjunto escolhido de descrições definidas constitutivas do feixe. Mas para quem leu o capítulo anterior deve ter ficado claro que Frege não defendeu semelhantes ideias, nem Russell, sem falar dos descritivistas posteriores como Strawson e Searle. Uma teoria como a de Searle é de antemão imune à objeção modal por enfatizar que nenhuma descrição específica pertencente ao feixe precisa ser satisfeita, conquanto um número suficiente embora indefinido delas seja satisfeito. Mesmo que seja possível imaginar, como fez Kripke, que Aristóteles não satisfaça à grande maioria das descrições, não é possível imaginar que ele não satisfaça nenhuma delas. Não é possível imaginar, por exemplo, que ele não tenha sido um filósofo, mas um grande armador grego que viveu no século XX, seduziu Callas e se casou com Jackeline, pois esse sujeito com certeza não poderia ter nada a ver com o nosso Aristóteles. Mesmo quanto ao Aristóteles que em um mundo possível viveu 500 anos depois do Aristóteles tal como o conhecemos, para ser reconhecido como sendo o nosso Aristóteles ele deve ter feito pelo menos alguma coisa relevantemente “aristotélica”, por exemplo, ter escrito a Ética a Nicômano.

   Outro tipo de objeção é a epistêmica ou da necessidade indesejada. Se o nome próprio for equivalente a uma descrição, então ela necessariamente se aplica. Uma frase como “Aristóteles foi o autor da Metafísica” deveria ser a priori, pois se a descrição ‘o autor da Metafísica’ faz parte da definição de Aristóteles, então dizer que Aristóteles foi o autor da Metafísica seria fazer um enunciado tautológico, incapaz de suportar contradição. Mas não é isso o que acontece. Aristóteles poderia muito bem ter existido sem jamais ter escrito uma linha de sua Metafísica.

   Essa objeção da necessidade indesejada claramente não se aplica a teorias do feixe de descrições como a de Searle, que não demandam a aplicabilidade de nenhuma descrição individual pertencente ao feixe. Além disso, as leituras minimamente cuidadas de Frege, Russell e Searle realizadas no capítulo anterior demonstram que a objeção da necessidade indesejada na verdade não se aplica a nenhuma formulação da teoria descritivista, mas tão somente a uma tosca caricatura dessas teorias. A única necessidade que precisa ser sustentada pela teoria do feixe é a de que pelo menos uma descrição definida pertencente ao feixe necessariamente se aplique ao objeto nomeado, no caso desse objeto existir, não havendo nenhuma descrição específica ou mesmo conjunção de descrições que seja necessariamente aplicável. No próximo capítulo discutiremos um contra-exemplo de Donnellan no qual ele tenta contestar essa necessidade mínima, mas veremos que mesmo esse exemplo não resiste a uma análise cuidadosa.

   Finalmente, há a objeção semântica da ignorância e do erro. Kripke observou que podemos associar a um nome próprio tão somente uma descrição indefinida, sem por isso deixarmos de referir. Este é o caso do nome próprio ‘Feynman’. Muitas pessoas associam a este nome apenas à descrição indefinida ‘um físico norte-americano’. Mas somente uns poucos seriam capazes de responder que ele foi o inventor da eletrodinâmica quântica ou de dissertar sobre suas contribuições para a microfísica. Mesmo assim, as pessoas são capazes de se referir a Feynman através de seu nome. Uma descrição indefinida, entretanto, é incapaz de garantir a singularidade própria da referência. Logo, o descritivismo é insuficiente. Quanto ao problema do erro, Kripke observou que existiam em seu tempo pessoas que associavam ao nome ‘Einstein’ a descrição ‘o inventor da bomba atômica’. Apesar de a descrição não se aplicar ao portador do nome, essas pessoas conseguiam se referir a Einstein. Ora, se é assim, então parece que descrições pouco tem a ver com aquilo através do que o nome refere.

   A essa espécie de objeção Searle responderia que aquilo que mais importa é o conteúdo que as pessoas da comunidade linguística à qual pertence o falante tomam como relevante para a designação do objeto.[114] Assim, para Searle, se uma pessoa tem em mente uma descrição como ‘o indivíduo que minha comunidade chama de Einstein’, isso pode bastar para neutralizar o conteúdo divergente. Já ao saber que Feynman é o nome de um físico norte-americano, a pessoa realiza o que Strawson chamou de empréstimo da referência, rementendo o trabalho de efetivamente referir aos usuários especializados da palavra. Se essas justificações não lhe parecerem suficientes, uma resposta mais completa será dada com base na versão do descritivismo a ser apresentada no próximo capítulo.

   Há diversas outras objeções mais específicas, como alguns imaginativos contra-exemplos de Kripke e Donnellan. Mas só poderei respondê-las mais tarde, quando for capaz de aplicar minha própria versão da teoria descritivista a eles de modo a obter respostas mais completas. Contudo, as poucas considerações feitas acima já sugerem que as objeções de Kripke ao descritivismo não parecem ser tão decisivas[115] quanto os seus defensores gostariam de sustentar.[116]

     É difícil encontrar qualquer objeção decisiva contra uma formulação da teoria descritivista dos nomes próprios como a desenvolvida por Searle, e a razão disso está no fato de ela ter sido apresentada de forma não-simplificadora e suficientemente vaga. Mas, como se tornará claro no próximo capítulo, essa vantagem é também a sua maior fraqueza, pois, devido à sua própria vaguidade, essa teoria carece de recursos que proporcionem respostas mais eficazes e completas a uma variedade de contra-exemplos e objeções.

 

Batismo e cadeia causal-histórica 

A crítica de Kripke ao descritivismo só se torna atraente por ter sido complementada com uma versão mais sofisticada e consequente da concepção referencialista introduzida por J.S. Mill. Antes de expô-la vamos considerar o fenômeno da rigidez dos nomes próprios. Um nome próprio como Benjamin Franklin é rígido porque ele se aplica a um mesmo objeto – Benjamin Franklin – em qualquer mundo possível no qual esse objeto existe. Mas o mesmo não acontece com a maioria das descrições definidas. A descrição definida ‘o inventor das bifocais’ se aplica a Benjamin Franklin no mundo atual; mas ela poderia se aplicar a João da Silva em um mundo no qual João da Silva e não Benjamin Franklin tivesse descoberto as bifocais, ou mesmo no qual Benjamin Franklin nunca existiu. E ela poderia não se aplicar a ninguém em um mundo no qual Benjamin Franklin existiu, mas as bifocais nunca foram inventadas. Qual a explicação para isso?

   Para quem é simpático à solução atribuida a Stuart Mill, a explicação encontra-se à mão. Ela advém da ideia de que descrições referem indiretamente, por conotarem atributos de objetos, ao passo que nomes próprios referem diretamente aos seus próprios objetos, como se fossem rótulos que lhes tivessem sido colados. Ora, isso deve tornar a referência dos nomes próprios independente de propriedades acidentais descritivamente representáveis de seus portadores. A referência deve dizer respeito ao objeto em si mesmo.

   Kripke pensa de modo semelhante. Para ele os nomes próprios se referem aos seus objetos sem intermediários. Só isso explicaria porque, diversamente das descrições definidas, os objetos de referência dos nomes próprios continuam sendo os mesmos em qualquer mundo possível. Nomes próprios não podem se referir nem a substratos nus (bare particulars) subjacentes aos objetos, nem a feixes de qualidades abstratas (bundles of qualities) constitutivas do objeto. Como ele escreve:

 

O que eu nego é que um particular não seja nada além de um ‘feixe de qualidades’, seja o que for que se queira dizer com isso. Se uma qualidade é um objeto abstrato, um feixe de propriedades é um objeto com um grau até mais alto de abstração, não um particular. Filósofos chegaram à posição oposta através de um falso dilema: eles perguntaram: estão os objetos atrás do feixe de qualidades, ou o objeto não é nada além do feixe? Nada disso é o caso. Essa mesa é de madeira, é marrom, está no quarto etc. Ela tem todas essas propriedades e não é uma coisa sem propriedades, atrás delas. Mas não deveria ser por isso identificada com um conjunto ou ‘feixe’ de suas propriedades, nem com o subconjunto de suas propriedades essenciais.[117]  

 

Com efeito, o dilema não é aceitável: objetos não são nem feixes de qualidades abstratas sem critério de individuação, nem substratos nus incognoscíveis enquanto tais. Mas apesar de Kripke rejeitar o dilema, ele não oferece qualquer solução alternativa. Ele apenas nos pede para aceitarmos o fato de que identificamos particulares pelo que eles são, fazendo de conta que essa exigência não requer maior explicação, como se essa identificação acontecesse de uma forma mágica. Não obstante, parece que a única maneira de evitarmos a magia e encontrarmos o caminho da explicação é admitindo que isso acontece pelo reconhecimento de propriedades ou combinações de propriedades identificadoras do objeto, sejam elas o que forem.

   Se não houvesse nenhuma alternativa, a resposta de Kripke seria admissível e a insatisfação ficaria por nossa conta. Mas há uma alternativa. Ela consiste em se recorrer à emergente ontologia dos tropos. Segundo essa já mencionada teoria ontológica, os objetos físicos nada mais são do que agrupamentos (mais ou menos sistemáticos) de propriedades espaciotemporalmente localizadas, as quais são mais propriamente chamadas de ‘tropos’, ‘particulares abstratos’ ou, digamos, ‘propriedades singularizadas’. Segundo a teoria dos tropos, objetos físico-materiais não precisam mais ser identificados com conjuntos de propriedades abstratas, como já se pensou, mas com grupos ou combinações tidas por adequadas de tropos compresentes (ou seja, tropos que possuem similar localização espaciotemporal), podendo esses grupos ser identificados através de regras criteriais. Tais propriedades particularizadas, os tropos, nada tem a ver com as problemáticas propriedades abstratas (formando supostos ‘feixes de qualidades’) visadas pela crítica de Kripke, dado que a teoria dos tropos identifica universais (entidades abstratas) com conjuntos de tropos qualitativamente idênticos entre si (ou com quaisquer tropos idênticos a um dado tropo, como prefiro dizer, de modo a circundar o conceito supostamente abstrato de conjunto). Sendo assim, ao menos em princípio temos uma auspiciosa resposta à objeção kripkiana de que não existe um conjunto de propriedades ou um subconjunto de propriedades essenciais a serem identificadas com o objeto.

   Essa alternativa, contudo, não era apenas ignorada na década de 1960, quando Kripke desenvolveu suas ideias, mas lhe teria sido de muito pouca valia, pois parece conformar-se melhor com alguma forma de descritivismo. Afinal, se o objeto referido por um nome for algo como um agrupamente mais ou menos sistemático de tropos compresentes, parece que a maneira pela qual o nome a ele se refere deve ser pela identificação dos tropos adequadamente escolhidos, melhor dizendo, de combinações de tropos através das quais esse sistema nos pode ser apresentado e identificado como tal. Esses variados tropos e suas combinações, por sua vez, seriam eventualmente aquilo que satisfaz as configurações criteriais demandadas pelas descrições de algum modo unificadas por alguma regra – aquilo que Ernst Tugendhat sugeriu ser a regra de identificação do nome próprio. Veremos no próximo capítulo como essa regra pode ser efetivamente construída.

   Admitindo, para efeito de discussão, que a resposta de Kripke seja correta, a pergunta que emerge é sobre a constituição dos nomes próprios: como se formam esses designadores rígidos capazes de se referir aos seus portadores sem a intermediação de propriedades conotadas? A resposta que ele oferece encontra-se em sua teoria[118] causal-histórica da relação referencial, segundo a qual os nomes se referem por meio de uma apropriada relação causal com os seus objetos.[119] Eis como ele a apresentou:

 

Um ‘batismo’ inicial se dá. Aqui o objeto pode ser nomeado por ostensão, ou a referência do nome pode ser fixada por uma descrição. Quando o nome é passado ‘de elo a elo’ o receptor do nome deve, eu penso, ter a intenção de usá-lo com a mesma referência do homem do qual ele o ouviu.[120]

 

Em outras palavras: primeiro há um ato de fixação da referência (reference fixing) através do batismo de um objeto com um nome ou através de descrição provisoriamente fixadora da referência. Depois, o mesmo objeto passa a ser referido pelo mesmo nome por outros falantes, que o ouvem e o comunicam de um para outro, em um processo de empréstimo da referência (reference borrowing). Mesmo que a descrição que eles possam vincular ao nome se demonstre insuficiente ou errônea, a referência ocorrerá, conquanto a cadeia causal seja mantida e os diversos falantes preservem a intenção de se referir ao mesmo objeto específico referido por quem primeiro lhe emprestou o nome. Note-se que essa intenção de se referir ao mesmo objeto não poderia ser confundida com a intenção de se referir a um objeto específico, uma vez que a última precisaria ser então determinada através de cognições capazes de ser linguisticamente resgatadas por descrições identificadoras do objeto.

   Chamando de nomeadores originários às pessoas que fixaram práticas sociais de referência de um nome (como acontece com os responsáveis pelo batismo, mas também com especialistas) e chamando de nomeadores subsequentes os demais usuários do nome, eis o esquema de uma cadeia causal-histórica que irá terminar com o proferimento do nome por um falante:

 

                          Nomeador(es) originário(s)   ß  relação causal  ß  objeto

                                  ¯... (relações causais)

                          Nomeadores subsequentes

                                  ¯... (relações causais)

                          Proferimento do nome por um falante...

 

Há alguns nomes próprios que são introduzidos através de descrições e não de batismo, como o próprio Kripke reconheceu. Considere o caso do nome próprio de um objeto inferido, como o planeta Netuno. O astrônomo Le Verrier calculou que deveria existir um novo planeta situado em certa região do espaço, responsável pelos desvios na órbita de Urano. Le Verrier chamou esse planeta de ‘Netuno’ antes mesmo de encontrá-lo, tendo em mente as descrições correspondentes ao lugar e massa aproximada. Apesar disso, é possível argumentar que uma vez que o objeto seja encontrado, a referência passa a ser sustentada pela cadeia causal que com ele se inicia, podendo a descrição até mesmo revelar-se falsa sem que o nome perca a sua referência.[121]

   Do que consideramos até agora devemos concluir que há um elemento intuitivo bastante convincente na teoria causal-histórica, que mesmo um descritivista precisa levar em conta. Esse elemento é derivado do fato de que nosso universo nada mais é do que um colossal e indescritivelmente intrincado oceano causal. Assim, se agora profiro o nome ‘Aristóteles’, é inegável que só posso designar esse filósofo porque existe um enormemente complexo tear causal que terminou em meu proferimento atual e que de algum modo precisa em suas origens ter envolvido o próprio Aristóteles como fator causal determinante do ato de batismo. Mais além, essa função causal pode existir mesmo de forma indireta, como no caso do batismo prévio do planeta Netuno, onde a mera suposição de existência foi o que inicialmente originou a cadeia causal. Quanto a isso não há dúvida. Um descritivista que saiba o que é causalidade precisará admitir esse ponto. A questão que me concerne é a de se saber o quanto nos serve invocar esse imenso e desconhecido tear causal na explicação da função referencial. Meu palpite é o de que não serve para nada.

 

Problemas internos

Quero agora passar a uma análise crítica da concepção kripkiana, começando por considerar duas dificuldades internas à teoria causal-histórica da referência dos nomes próprios proposta por Kripke.

   Uma primeira é a seguinte. Nas passagens onde Kripke introduz sua ideia da cadeia causal-histórica, ele recorre explicitamente a ao menos uma intenção, que é a de “usar o nome com a mesma referência do homem de quem a ouviu”.[122] Essa intenção serve para selecionar o objeto referido na cadeia comunicacional como sendo o mesmo, tanto para o falante quanto para o ouvinte. Contudo, se essa intenção de preservar a mesma referência for entendida como preservando os mesmos conteúdos cognitivos vinculados ao nome, nós recaímos no descritivismo, pois esses conteúdos são os mesmos que, para serem interpessoalmente acessíveis, devem se deixar exprimir por intermédio de descrições. Mas se assim for, o descritivismo emerge do interior do próprio externalismo kripkiano, o que faz com que a suposta vantagem da teoria causal-histórica – a de ter superado as limitações do descritivismo – pareça se perder.

   Pode-se tentar contornar a falha recém-exposta sugerindo que a intenção seja a de preservar a mesma referência na independência de sermos capazes de conceber qualquer coisa de seu objeto intencional. Contudo, se o ouvinte não precisa ter ideia alguma de qual possa ser a intenção do falante, então a intenção de com o mesmo nome se referir ao mesmo objeto se reduz a uma aposta arbitrária. É como se alguém dissesse: “Vou comprar a  mesma roupa que você comprou, mas não precisas me dizer qual foi” – o que traduz uma intenção vazia que de nada serve. A intenção de referir-se à mesma coisa sem que se saiba nada sobre o que a coisa é de nada serve e seu poder explicativo é nulo. Se alguém me perguntar quem foi Aristóteles, de nada adianta eu dizer: “Siga a mesma cadeia causal que estou seguindo quando profiro o nome ‘Aristóteles’... mas não se esqueça de ter a intenção de se referir à mesma pessoa a quem eu estou me referindo”.

   A segunda dificuldade diz respeito às mudanças na denotação. Gareth Evans formulou um contra-exemplo decisivo a respeito, que diz respeito ao nome próprio ‘Madagascar’.[123] Sabe-se que originariamente o nome ‘Madagascar’ se referia à região mais oriental do continente africano. Mas quando Marco Polo esteve por lá, alguma tradução incorreta levou-o a pensar que ‘Madagascar’ fosse o nome da grande ilha situada próxima à costa oriental da África. Mais tarde, devido aos relatos de Marco Polo, as pessoas passaram a chamar a ilha pelo nome de Madagascar, esquecendo-se da referência original. Certamente, se a referência do nome fosse fixada apenas por apelo a um batismo inicial, essa alteração não poderia ter ocorrido. Marco Polo tinha até mesmo a intenção de se referir à mesma coisa que a pessoa da qual ele ouviu o nome próprio pela primeira vez e não a de introduzir uma nova referência para o mesmo nome.

   Uma resposta para esse tipo de objeção foi sugerida por Michael Devitt.[124] Segundo esse autor, o sentido de um nome próprio não tem a ver propriamente com a referência, mas é uma habilidade de designar um objeto. Essa habilidade não costuma ser aprendida por um único batismo, mas por muitos, em um processo que ele chamava de fundamentação múltipla (multiple grounding). Assim, o nome Madagascar havia sido fixado através de múltiplos batismos como uma região oriental do continente africano, até ter sido inadvertidamente rebatizado por Marco Polo. Se nos usos subsequentes as pessoas passaram a seguir Marco Polo referindo-se à ilha é porque a fundamentação múltipla entrou novamente em ação formando um novo hábito de referir, um sentido diverso para o nome.

   O que me parece problemático nesse apelo à fundamentação múltipla produtora de um hábito é que ela recorre a um mecanismo psicológico-empírico que em si mesmo pode não ser capaz de refletir o elemento convencional do uso do nome próprio. Afora isso, embora ela possa se aplicar a Madagascar, ela não parece se aplicar a Aristóteles, que foi de uma só vez assim batizado e do qual estamos demasiado distanciados no tempo para rebatizar. Uma resposta que intenta evitar o problema pode ser a proveniente do próprio Kripke.[125] Para ele, uma intenção, no caso, a intenção de Marco Polo de se referir a uma ilha, sobrepuja a intenção dos antigos usuários do nome, estabelecendo uma nova prática social. A partir disso o nome próprio ganha um novo sentido e uma nova referência. Trata-se, pois, de mera homonimia. Embora essa resposta possa ser mais apropriada, ela ainda sofre de descritivismo camuflado ao refletir o convencional na forma de intenção. Afinal, a intenção de Marco Polo de se referir à ilha só parece valer se ela for cognitivamente capaz de ser expressa por descrições como ‘a grande ilha sub-equatorial próxima da costa oriental do continente africano’, já que era algo assim que ele devia ter em mente.

   Uma dificuldade adicional, que quero rapidamente considerar, diz respeito ao significado de nomes próprios diversos de um mesmo portador. Há casos em que esses nomes próprios têm o mesmo conteúdo informativo (ex: “Todos chamam a Beatriz de Bia”). Mas há casos em que este último difere. Por exemplo: o padre Marcial Maciel foi fundador da ordem dos Legionários de Cristo e também um criminoso. Entre os seus muitos atos ilícitos estava o de possuir falsas identidades. Uma delas foi a de Raúl Rivas, que se dizia um empregado da Shell e agente da CIA. Rivas conheceu em 1976 a senhora Blanca Gutiérrez, a qual se apaixonou por ele. Rivas teve com ela dois filhos sem que ela descobrisse a sua verdadeira identidade. Os conteúdos informativos dos nomes ‘Marcial Maciel’ e ‘Raúl Rivas’ são (ou foram) certamente, muito diversos. A teoria do feixe não encontraria problemas em explicar essa diferença. O seu defensor diria que o conjunto de descrições definidas abreviadas pelo falso nome teria sido no início publicamente considerado como sendo completamente diferente do conjunto de descrições abreviadas pelo nome verdadeiro, sendo essa a razão pela qual os seus significados eram muito diversos. Mais tarde, contudo, foi descoberto que o primeiro conjunto de descrições era na verdade um subconjunto do segundo, ou seja, que o conteúdo de significação do nome falso era parte do conteúdo de significação do nome verdadeiro. Isso explica não só por que se tratava da mesma pessoa mas também por que era possível à Blanca Gutiérrez não saber que se tratava da mesma pessoa.

   Parece mais difícil encontrar uma explicação para o que se sucedeu sob a perspectiva da teoria causal-histórica. Suponhamos, primeiro, que na teoria causal-histórica o significado do nome próprio fosse dado por sua fonte causal última, o objeto do ato de batismo. Sendo essa fonte a mesma para ambos os nomes próprios, parece então que eles deveriam ser vistos como possuindo uma mesma referência. Mas isso seria contra-intuitivo, posto que deixaria inexplicada a razão pela qual Blanca Gutiérrez não pôde identificar Raúl Rivas como sendo a mesma pessoa que Marcial Maciel. Suponhamos, alternativamente, que a fonte do significado e da função referencial seja o próprio ato do batismo. Nesse caso teremos dois atos diferentes, um para cada nome próprio (ao que parece, Marcial Maciel se auto-batizou com o nome de Raúl Rivas). Contudo, parece que com isso não temos mais nenhuma razão intrínseca para dizer que os dois nomes se referem ao mesmo objeto. A melhor solução seria então a de sugerir que embora os atos de batismo dos dois nomes tenham se dado em diferentes épocas, sendo o objeto de referência causalmente envolvido é o mesmo... Blanca Gutiérrez ficou sabendo da cadeia causal por ela passada através do auto-batizado Raúl Rivas com a intenção de fazê-la referir-se a ele mesmo, embora ela nada soubesse da cadeia causal-histórica iniciada pelo batismo da Marcial Maciel junto à intenção de fazer referência ao último. Mas como a teoria causal-histórica seria capaz de explicar que, considerando que Raúl Rivas e Marcial Maciel são a mesma pessoa, Blanca não se tornou consciente de que Raúl Rivas era Marcial Maciel? Como explicar que a intenção que ela tinha de se referir a Rivas não poderia ser a intenção de se referir a Marcial Maciel? A suspeita que emerge é a de que algo importante está faltando. Teorias causais-históricas não parecem capazes de se porem de pé sozinhas.[126]

 

Referências indiretamente causais

Há outras dificuldades apontadas na teoria causal-histórica, cuja consideração pode ser instrutiva. Uma delas é a que concerne nomes que não tem ou não parecem ter relação causal com as suas referências. Quero começar considerando dois exemplos de John Searle, para quem a causação do nome pelo seu portador não existe.[127] Primeiro, sabendo que existe a 5ª avenida em Nova York, podemos inferir que existe uma 4ª avenida, referindo-nos assim a alguma coisa de que nunca ouvimos falar e que não pode estar na origem causal de nosso proferimento. O segundo exemplo concerne o faraó Ramsés VIII. Tudo o que sabemos acerca do faraó Ramsés VIII é que ele veio depois de Ramsés VII e antes de Ramsés IX. Mas com isso podemos inferir que Ramsés VIII existiu, sem que nenhuma cadeia causal tenha chegado até nós partindo de seu batismo. Outros exemplos são os de coisas que só existirão no futuro, como o furacão chamado ‘Katrina’, que recebeu esse nome antes de ele se formar, ou a cidade planejada chamada ‘Brasília’, que teria recebido esse nome em 1823, dado por José Bonifácio de Andrada e Silva, que tinha a proposta de levar a sede das decisões brasileiras para o interior do país. Somente a partir de 1956 a nova capital com esse nome começou a ser construída. Ainda outro exemplo é o da referência a coisas meramente possíveis, como Lauranda, que seria o ser humano que poderia ter nascido da célula espermática que originou Laura com o óvulo que originou a sua irmã Amanda.[128] E há também casos de nomes de objetos abstratos da matemática, como o número p em geometria, objetos que, como os meramente possíveis, não seriam capazes de possuir nenhuma eficácia causal. Kripke não nega que esses nomes todos tenham referência, mas sua teoria parece insuficiente para explicá-la.

   Há, porém, respostas possíveis em defesa da concepção causal-histórica. Uma delas consistiria em exigir apenas uma cadeia causal potencialmente existente, mesmo que ela não nos seja atualmente dada. Em todos os casos acima, com possível exceção do último, essa potencialidade existe. Mas essa solução pode ser demasiado fraca. Mesmo que ela seja uma condição necessária, não é suficiente, posto que não parece ser uma mera potencialidade o que nos permite usar o nome referencialmente. Uma variante intuitiva consistiria em exigir a existência de circunstâncias quaisquer que sejam causalmente possibilitadoras do uso referencial do nome próprio, as quais de um modo ou de outro envolvem o objeto referido, seja ele atual ou não, em termos causais. Isso acontece, por exemplo, no caso de Le Verrier, que calculou que um suposto planeta estaria causando as perburbações na órbita de Urano, chamando-o de Netuno: a força gravitacional do suposto planeta modificaria a órbita de Urano, tendo esse fato suposto, cuja suposição seria bem causada, determinado causalmente a formação da hipótese na cabeça de Le Verrier – se esse fato não fosse razoavelmente concebível, ele certamente não teria determinado a formação da hipótese. Essas duas condições podem ser unidas na formulação da seguinte condição causal:

 

                        Cc:

                        O uso referencial efetivo de um nome próprio só é possível se:

(i)                    ele for adequadamente causado por um batismo que envolve o seu objeto de referência,

                         ou se

(ii)                  existirem circunstâncias causais que de algum modo envolvem o objeto de referência do nome (seja ele atual ou não) e cujo conhecimento permitiria com suficiente probabilidade inferir a sua existência, a qual, por sua vez, seria posteriormente capaz de se tornar (por meio de um batismo) a mais adequada origem causal do uso referencial do nome.

 

Podemos aplicar Cc (ii) aos casos acima. Se aplicarmos tal condição aos dois exemplos de Searle é possível responder considerando que aquilo que chamamos de causa eficiente é apenas um elemento mais relevante de um conjunto de fatores causais que constitui uma situação, um estado de coisas, um processo, muitos desses fatores podendo ser apenas inferidos como existindo.[129] Assim, sabendo que a 5ª avenida é o fator causal efetivo que está na origem da cadeia causal que nos permite nomeá-la e sabendo que ele deve ser parte de um estado de coisas constituido por uma sequência de avenidas numeradas assumidas como fatores causais, nós inferimos que uma 4ª avenida provavelmente também deve existir. Junto a isso, aliás, nós concluimos também que a 4ª avenida seria uma causa potencial (batizável) de nosso uso referencial desse nome (o que pode bem ser uma conclusão falsa). Do mesmo modo, Ramsés VII e Ramsés IX fazem parte de um processo causal de sucessão de faraós que naturalmente deveria incluir Ramsés VIII como um elemento por nós desconhecido do processo causal iniciador da cadeia causal que chega até nós, o qual pode mesmo assim ser reconhecido como sendo um fator causal potencial. Não importa que tais fatores causais não façam parte do que foi o fator causal eficiente de nossas ilações; importa que eles devem ter sido partes constitutivas dos respectivos estados de coisas e processos que através de fatores causais ditos eficientes deram início à cadeia causal-histórica que a nós chegou.

   No caso do furacão Katrina, existiam conhecidos fatores causais que permitiriam prever o seu aparecimento, mas esses elementos, embora responsáveis pelo nome, não podem fazer parte do furacão, embora o tenham causado. No caso de Brasília tampouco: a cidade existia apenas na mente de José Bonifácio e mais tarde na mente dos arquitetos e urbanistas que a planejaram. O que a originou foi a simples intenção do presidente Juscelino Kubitscheck de construir uma nova capital federal.[130] Essas condições, porém, já são fatores causais que envolvem o objeto de referência (mesmo que meramente concebido e não-atual) como fatores causais determinantes de sua realização. E tanto Katrina quanto Brasília se tornaram, uma vez existentes, fatores causais determinadores do uso referencial dos respectivos nomes próprios. No caso de Lauranda, devemos apenas nos lembrar que um objeto meramente possível não é um objeto existente e que por consequência esse nome próprio deve carecer de referência; mesmo assim existem as circunstâncias causais possibilitadoras, mesmo que sejam de algo que não venha a se atualizar. Finalmente, o número p talvez possa ser considerado resultante de quaisquer circunstâncias de fixação da referência através das quais dividimos o diâmetro de um círculo pelo seu raio (a suposta ausência de causalidade pode ser apenas aparente, uma vez que inevitavelmente percebemos, desenhamos ou imaginamos círculos reais aproximados na geometria aplicada).[131] Parece, pois, que em qualquer um dos casos até agora considerados, ao menos a condição Cc(ii) é passível de ser satisfeita.

   Outra espécie de objeção é a que resulta da elaboração de situações imaginárias nas quais a cadeia causal-histórica inexiste. Searle imaginou uma pequena comunidade linguística na qual cada nome próprio é estabelecido indexicalmente na presença de todos os outros falantes, de modo que nenhuma cadeia causal precisa se formar. Esse argumento demonstra que a cadeia causal-histórica pode ser desnecessária, mas não demonstra que nenhuma relação causal seja necessária à constituição da função referencial dos nomes próprios.[132]

   Apesar de tudo é possível pensarmos em dificuldades mais resistentes, concernentes a referências aparentemente coincidentais de certos nomes próprios.

   Primeiro, parece possível imaginar situações em que o uso referencial bem sucedido do nome próprio não passe por Cc(ii). Digamos que exista um vidente que, olhando para a sua bola de cristal, seja capaz de adivinhar nomes próprios e de nos informar toda espécie de coisas sobre a sua referência. Ele olha para a sua bola de cristal e clama: ‘Kamchatka!’, dissertando sobre os muitos vulcões dessa isolada península. Ele olha outra vez para a bola e clama ‘Tom Castro!’, passando a dissertar sobre a vida desse notório vilão. Se, depois de fazer todos os testes concebíveis, não descobríssemos nenhum truque, começaríamos a desconfiar que sem precisar recorrer nem a cadeias causais-históricas nem a circunstâncias que permitam inferir sob assunções causais a existência dos portadores de nossos nomes próprios, o vidente através deles efetivamente refere (mesmo que recorra a descrições para prová-lo). Mesmo assim, devemos notar que o nome tem referência sempre que sabemos causalmente que ele a tem. Além do mais, mesmo que a relação causal do que o vidente vê com a cadeia causal-histórica nunca seja esclarecida, isso não demonstra que ela não existe.

   Podemos mesmo conceber uma situação extrema, um mundo possível no qual as pessoas funcionam de modo semelhante a mônadas leibnizianas, não precisando aprender os sentidos ou referências dos nomes próprios, nem comunicá-las umas às outras, apreendendo o seu uso intuitivamente. A cada pessoa ocorreriam nomes próprios, havendo uma concordância inexplicável entre os sentidos e referências que cada pessoa desse a cada nome; um nome próprio seria pronunciado apenas para comunicar sobre o seu portador algo contingente que as outras pessoas ainda desconheçam. Não obstante, essa hipótese parece demasiado implausível. Não é assim que usamos os nomes próprios para referir em nosso mundo, nem somos capazes de imaginar como isso seria possível.

   Parece que nenhuma das objeções consideradas até agora é suficientemente forte para destruir a concepção causal da nomeação, tal como apresentada pela condição Cc ou por alguma formulação similar, mesmo que Cc enfraqueça a intuição original tendendo a transformá-la no lugar comum que consiste na admissão de que a nomeação envolve causalidade.

 

Referências coincidentais

Há, porém, ainda outros exemplos possíveis que ao menos à primeira vista parecem resistir à ideia de que a condição Cc seja indispensável à referência: trata-se do que poderíamos chamar de referências coincidentais.

   Considere o seguinte caso de um nome próprio sem nenhum relacionamento causal com o seu objeto. Digamos que Jaime, um jovem dado a fazer brincadeiras sem graça, conheça bem uma menina de nome Elaine. Suponha agora que ele invente um nome, digamos, ‘Ivny’, para uma boneca de louça possuída por Elaine adicionando a isso que a boneca lhe foi dada quando ela era criança e que esteja guardada no fundo do guarda-roupa. Com isso Jaime produziu um grupo considerável de descrições meramente inventadas que ele associa ao nome próprio ‘Ivny’. Digamos que por uma incrível coincidência essa estória se revele verdadeira. Nesse caso, poderíamos dizer que Jaime se referiu à Yvny? Não devemos admitir que ele se referiu a Yvny, mesmo que por uma absurda coincidência? Seria possível objetar que o nome ‘Yvny’ tem um sentido descritivo e que por isso é capaz de determinar a sua referência. Nesse caso a conclusão parece ser a de que, ainda que não haja nenhuma cadeia causal-histórica entre o objeto e o proferimento, a referência é possível. Mas ela só é possível porque o nome possui significado no sentido de demandar um adequado conteúdo descritivo a ele associado.

   O mesmo fenômeno parece ser em princípio constatado com respeito a proferimentos indexicais. Digamos que alguém de olhos vendados tente adivinhar o que foi colocado em cima da mesa à sua frente dizendo:

 

1.     Sobre essa mesa há um vaso de flores.

 

Digamos que a pessoa casualmente acerte: um vaso de flores foi realmente colocado sobre a mesa. Será que a pessoa, ao adivinhar, pensar e dizer a frase (1) se refere ao vaso de flores sobre a mesa? Pode ser lembrado que a frase é verdadeira, e que sendo verdadeira a pessoa parece ter se referido ao vaso de flores. Um defensor da teoria causal poderá objetar que a própria pessoa não sabe que a frase é verdadeira, pois embora o pensamento expresso pela frase seja verdadeiro, ele só é verdadeiro para alguma testemunha, ou seja, um intérprete presente que ouça a frase e compare o pensamento que ela exprime com o fato correspondente. Seja como for, temos a impressão de que nesse caso, como no anterior, a referência é feita, embora de forma meramente coincidental.

   Diante de exemplos como esses, a verdadeira questão é a de se saber se uma referência meramente coincidental é uma referência no sentido próprio da palavra. Não pretendendo confundir nem o leitor nem a mim mesmo, minha resposta é negativa! A referência coincidental me parece tão pouco real quanto um nome gravado em uma pedra em uma região isolada, que por acaso é o mesmo do viajante que por acaso a encontra e o lê. O processo representacional é de natureza causal, por mais indireta que essa relação possa ser. A referência é uma associação que fazemos entre a palavra e o mundo e essa associação deve inevitavelmente envolver elos causais. A melhor explicação aqui seria a de que a referência coincidental é – mesmo quando possa não parecer – uma forma meramente ilusória de referência.

 

Nomes Próprios Vazios

Um problema resiliente deixado pela teoria causal-histórica é o que diz respeito a nomes próprios sem referência. Eis alguns exemplos:

 

  1. Vulcano
  2. Eldorado

3.     Atlântida

4.     Rumpelstiltskin

5.     Sherlock Holmes

6.     Gandalf

7.     Urville

 

Tais nomes não podem satisfazer Cc, pois não possuem sequer um objeto potencialmente causal. Como eles possuem significado, eles não constituem problema para teorias fregeanas ou descritivistas da referência, segundo as quais a existência do sentido não depende da existência da referência. Contudo, nomes sem referência são um grave problema para as teorias causais como a de Kripke, que fazem depender a função referencial do nome de sua referência, a qual parece ser o que verdadeiramente os torna nomes próprios.

   Uma estratégia para o defensor da teoria causal-histórica é a de sugerir que nomes próprios sem referência não são verdadeiros nomes próprios, mas descrições definidas disfarçadas, as quais referem por um mecanismo conotativo completamente diferente daquele pelo qual o nome próprio refere. O problema é que um exame cuidadoso revela que muitos nomes próprios vazios são demasiado similares aos nomes próprios mais comuns para serem idoneamente considerados descrições disfarçadas.

   Considere primeiro os exemplos (1)-(3). Se os examinarmos mais de perto veremos que esses nomes não substituem uma única descrição definida, mas uma variedade de descrições, reconduzindo-nos à teoria do feixe. No caso de Vulcano, trata-se do nome de um pequeno planeta postulado por Urban Le Verrier no século XIX como encontrando-se a cerca de 21 milhões de Km do Sol, de modo a explicar as mudanças no periélio de Mercúrio (as quais foram mais tarde explicadas pela teoria da relatividade). É possível sugerir que essa última frase exprime apenas uma única descrição definida complexa. Mas (3) e (4) podem ser vistos como nomes próprios com conteúdo informacional ainda mais elaborado, não diferindo muito daquilo que feixes de descrições disjuntivas exprimem. O nome próprio ‘Eldorado’ procede de relatos e rituais indígenas variados, os quais levaram os conquistadores espanhóis a crer que em alguma região no oeste da Amazônia existiria uma cidade cujo rei se vestia de ouro e possuía inacreditáveis riquezas. Com base nessas e noutras descrições, aventureiros e exploradores desceram à foz do Amazonas procurando em vão encontrá-la e por vezes acabando como repasto de canibais. O nome lendário de ‘Atlântida’ foi associado por Platão a uma variedade de descrições que contam da existência de uma ilha situada entre o mar mediterrâneo e o oceano atlântico; essa ilha, que entre outras coisas teria sido habitada por um povo muito rico, teria desaparecido devido a um maremoto que se deu há cerca de 9.000 anos a.C. Se algo como Eldorado ou Atlântida fosse encontrado, seria porque pelo menos alguma coisa das descrições dos respectivos feixes se aplica.

   É verdade que os feixes de descrições dos exemplos acima são ainda pobres se comparados com os de nomes próprios usuais como Marte, Paris e Aristóteles. Mas a razão disso deve estar no simples fato de que os portadores dos nomes próprios usuais persistem em sua interação causal conosco, permitindo-nos com o tempo acumular informações identificadoras, enriquecendo sempre mais os seus feixes de descrições. Em contraste, os nomes próprios vazios encontram-se em situação semelhante à do planeta Netuno logo após a descoberta de sua existência por Le Verrier. Nada disso indica ser preciso postular um mecanismo de identificação essencialmente diverso daquele dado por descrições com suposta base causal.

   Compare agora o funcionamento do nome ‘Atlântida’ com o do nome ‘Tróia’. Também nesse último caso, tudo o que se tinha em mãos era um limitado feixe de descrições retirado da Ilíada de Homero. Contudo, diversamente dos casos anteriores, Tróia foi realmente encontrada. Como é sabido, tendo levado a sério essas descrições e as indicações locais de Frank Calvert, Heinrich Schliemann encontrou o sítio no qual se situam os restos da verdadeira cidade de Tróia. Qual a diferença entre os nomes ‘Eldorado’ e ‘Atlântida’, de um lado, e o nome ‘Tróia’, de outro? Em meu juízo só uma: os primeiros são certamente vazios, o último não. Fora isso, eles se comportam todos da mesma maneira. Logo, os primeiros são nomes vazios verdadeiros e a teoria causal-histórica não parece capaz de explicá-los. Podemos admitir que diversamente do nome próprio vazio, o nome próprio possuidor de referência é passível de uma relação causal adequada, atual ou potencial, com o seu objeto de referência. Mas isso não torna os primeiros essencialmente diversos.

   Consideremos agora os exemplos (4)-(6), os quais, diversamente de (1)-(3), são de nomes propositadamete ficcionais. Aqui também temos feixes de descrições identificadoras do objeto, apenas que elas não são aplicadas à realidade atual, mas apenas ao domínio de objetos pertencentes a mundos ficcionais. Rumpelstiltskin abrevia descrições identificadoras de um ganancioso anão em um conto de fadas, Sherlock Holmes abrevia as de um brilhante detetive de uma série de contos de Conan Doyle, Gandolf abrevia as de um mágico detalhadamente caracterizado no mundo ficcional criado por J.R.R. Tolkien. Os mecanismos de identificação permanecem os mesmos, alterando-se apenas o domínio de aplicação, que nesses casos é o de realidades meramente ficcionais. Há aqui uma relação causal com o conto de fadas

   Um último caso que gostaria de considerar é o da curiosa cidade ficcional de Urville. Essa cidade situa-se no sudeste da França. Ela foi fundada em 1.100 pelos fenícios, foi transformada em cidade-estado na Idade Média e tomada pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial... Essas são as principais descrições através das quais constituimos a regra que nos torna capazes de localizá-la. Urville é também a maior cidade da Europa, capital da França, com cerca de 12 milhões de habitantes... sendo essas (de forma resumida) as descrições constitutivas da regra pela qual a caracterizamos. Só que Urville, obviamente, não existe. Ela é o produto da imaginação de um desenhista autista chamado Gilles Tréhin, que por mais de vinte anos a concebeu em seus mínimos detalhes. Ele criou para o nome ‘Urville’ uma precisa e extraordinariamente complexa regra de identificação ficcional, embora realista: ela deve aparentar ao máximo ser aplicável ao mundo real, incluindo uma história causal fictícia. É como se ela pertencesse a um mundo possível muito próximo, no qual a história tivesse tido uma pequena mas significativa alteração: Urville no lugar de Paris.

   Mesmo admitindo que os nomes próprios vazios como (1)-(7) não abreviam descrições definidas isoladas, mas muitas vezes feixes de descrições, satisfazendo assim a concepção descritivista, há estratégias possíveis para a teoria causal-histórica a serem aplicadas mesmo a esses casos. Podemos admitir que eles são verdadeiros nomes próprios que, embora não se refiram a objetos reais, possuem ao menos circunstâncias fixadoras da referência.[133] Embora tais circunstâncias existam, o objeto da referência não existe no mundo real. Contudo, em muitos casos elas nos mostram como poderíamos encontrá-lo se ele existisse. Ele pode ser um objeto potencial, não menos que Lauranda. Mas as circunstâncias fixadoras da referência já têm um papel causal na determinação do uso referencial e supostamente do significado do nome próprio. Pode-se, pois, sugerir que um nome próprio pode ter significado e ser vazio na medida em que ele contenha circunstâncias fixadoras da referência capazes de tornar a existência de seu objeto de referência ao menos possível.

   Embora essa solução, como outras concebíveis, possa ser tentada, ela padece de uma grave deficiência no que concerne ao próprio conceito de circunstâncias fixadoras da referência. Não sendo objetos kripkianos, tais circunstâncias só podem ser ao final das contas entendidas em termos de propriedades ou conjunto de propriedades criteriais. Tais propriedades, por sua vez, podem ser descritas. E as suas descrições acabam por se evidenciar como sendo constituintes de descrições ou feixes de descrições que os nomes próprios vazios abreviam. Com isso voltamos a admitir assunções próprias de uma concepção dos nomes próprios de fundo descritivista.

 

Nomes vazios e designadores persistentes

A admissão de que nomes próprios podem ter sentido, mesmo não se referindo a coisa alguma, nos permite dissolver uma ambiguidade existente na concepção kripkiana de designador rígido. Kripke definiu inicialmente o designador rígido como o que hoje chamamos de um designador persistente: aquele que designa um mesmo objeto em qualquer mundo possível no qual esse objeto existe.[134] M  ais tarde e em outras passagens ele definiu o designador rígido como o que hoje chamamos de um designador obstinado: aquele que designa o mesmo objeto em todos os mundos possíveis, mesmo naqueles nos quais esse objeto não existe.[135] O próprio Kripke, embora em um primeiro momento tenha preferido não se decidir entre essas duas definições,[136] parece ter hoje escolhido a segunda e mais espinhosa alternativa.[137]

   Que nomes próprios sejam designadores persistentes está de acordo com a assunção de que eles só tem sentido porque seu uso resulta de um processo causal que costuma ter sua origem última no efeito do próprio objeto existente sobre aquele que o batiza: em um mundo no qual esse objeto não existe não deve existir o nome próprio caracterizado por sua função identificadora. Mas há uma vantagem em se admitir que nomes próprios são designadores obstinados, que é a de sermos capazes de explicar porque podemos falar deles como designando possibilidades não-atualizadas no mundo possível em questão. Considere, por exemplo, um mundo no qual Aristóteles nunca existiu. Mesmo assim, parece que podemos supor a possibilidade de ele existir nesse mundo. Mas essa suposição só parece viável se o nome próprio ‘Aristóteles’ tiver alguma referência, mesmo que ela não seja dada em tal mundo.[138] Uma resposta para quem aceita que nomes próprios são designadores obstinados é dizer que em mundos nos quais uma referência como Aristóteles não existe eles se referem ao objeto em nosso próprio mundo atual. Mas, como já vimos ao discutir o atualismo de Kaplan, essa resposta não parece coerente, pois não podemos usar um nome para um objeto em um mundo possível sem inserir o nome nesse mundo; e inserir o nome em um mundo possível exige relacioná-lo ao contexto daquele mundo. Disso se segue que usar um nome em um mundo possível de modo a que ele se refira ao nosso mundo atual seria o mesmo que tentar inseri-lo simultaneamente nos contextos dos dois mundos, o que levaria a uma contraditória confusão na satisfação de critérios de inserção contextual: Aristóteles teria escrito e não escrito a sua Metafísica, usaria barba e seria imberbe etc.

   A esse problema poderíamos adicionar a facilmente esquecida consideração de senso comum de que não existe referência sem objeto de referência. Como já foi notado no capítulo 2 desse livro, é parte da gramática de nosso conceito de referência que só podemos atribuir função referencial a um termo se admitimos que o seu objeto de referência existe, de modo que sempre que descobrimos que esse objeto não existe, nós lhe negamos o sucesso referencial.[139] Ou seja: em nenhum mundo possível pode um nome próprio se referir a algo que nele não existe.

   Vale, porém, a observação de que nossa intuição de que um nome próprio pode se referir a um objeto não atualizado (ex: Vulcano) em um mundo possível que não seja o nosso é diretamente dependente da admissão de que esse nome possui um sentido descritivo. Só assim é que podemos, através da imaginação, fazer um nome próprio vazio designar um objeto em um outro mundo possível no qual esse objeto virá a existir. Com efeito, quando falamos em possibilidades não-atualizadas estamos considerando apenas isso: a referência de nomes próprios em situações contrafactuais nas quais seus objetos de referência existem, o que não passa de uma referência meramente possível.

   Assim, a inexistência de atos de referência sem objetos de referência não significa que não possamos falar de possibilidades não-atualizadas de referência. Podemos, encontrando-nos em nosso mundo atual, nos referir a objetos que são possibilidades não atualizadas, como Vulcano, Eldorado, Atlântida... simplesmente no sentido de que podemos imaginar mundos possíveis nos quais esses nomes possuem referências. É fácil explicar como isso é possível se admitirmos que o significado de um nome próprio é dado por modos de apresentação descritivos, melhor dizendo, por regras de identificação descritivamente exprimíveis, pois mesmo que essas regras não sejam satisfeitas no mundo atual, elas podem ser concebivelmente satisfeitas em algum mundo possível, justificando assim a possibilidade de sua referência. Se admitirmos – contra Kripke – que nomes próprios não demandam a existência do objeto como garantia de seu status, o entendimento de um nome próprio como sendo um designador persistente se torna o mais natural. Por isso daqui em diante entenderei designadores rígidos como sendo designadores persistentes.

 

O problema do autômato kripkiano completo

Podemos também demonstrar a indispensabilidade do elemento cognitivo-representacional e potencialmente descritivo através de um reductio ad absurdum. Para tal precisamos recorrer à ideia do que poderia ser chamado de um autômato kripkiano completo. Este seria um autômato capaz de criar e usar nomes próprios. Ele é completo no sentido de não correr risco algum de incorrer em descritivismo, uma vez que não precisa satisfazer sequer a exigência de ser capaz de ter a intenção de usar as palavras com a mesma referência que os outros autômatos da mesma espécie em nenhum sentido cognitivo da palavra ‘intenção’. Trata-se, pois, de um mecanismo primitivo, desprovido de qualquer forma de mente ou consciência, mas ainda assim capaz de “identificar” pessoas através de seus sensores fotoelétricos e de “batizá-las” com “nomes próprios”. Imagine agora uma “sociedade” desses autômatos. Eles seriam então capazes de reter imagens e traços comportamentais da pessoa que “batizam” com o nome próprio e ainda de transmiti-las para outros autômatos similares, “comunicando-as” a esses nomeadores secundários, os quais a partir de então se tornam capazes de repetir o nome da pessoa quando a “vêem” ou quando apropriadamente “perguntados” sobre como se chama uma pessoa com tais e tais características. Como há de ser notado, o mecanismo de referência se reduz aqui a uma cadeia causal-histórica puramente externa, destituída de qualquer elemento psicológico.

   O interesse dessa experiência em pensamento é que ela evidencia o quão inconvincente se torna o ato de referir na ausência do elemento verdadeiramente cognitivo. Não entendemos realmente como é possível que, nos sentidos que efetivamente damos às palavras, um autômato kripkiano seja realmente capaz de usar nomes próprios para referir no sentido próprio da palavra. Palavras como ‘denotar’, ‘nomear’, ‘identificar’, ‘referir’, ‘comunicar’, ‘ver’, ‘sociedade’, foram todas aqui usadas entre aspas, devido ao uso simplificado e analógico que foi feito delas. O que esses autômatos seriam capazes de fazer seria apenas produzir imitações mecânicas dos processos referenciais que se dão em nossas mentes conscientes, o que se demonstra em sua ausência de flexibilidade, complexidade e sofisticação comportamental.

   Imagine, porém, que não se trate mais de autômatos kripkianos, mas de andróides extremamente sofisticados, tais como os que aparecem nos filmes de Steven Spielberg[140]: seres capazes de compartilhar com perfeição nossa forma de vida, de aprender todos os detalhes de nossa linguagem natural, usando os nomes próprios tão perfeitamente quanto nós mesmos.[141] Ora, nesse caso não ficaremos mais satisfeitos em considerar os seus atos de nomear elos terminais de uma cadeia causal puramente externa. Por analogia com nós mesmos será inevitável lhes atribuir mentalidade. Isso significa que seremos compelidos a identificar certos pontos nodais de seus caminhos causais como também sendo internamente descritíveis em termos psicológicos como cognições, representações ou intenções. Afinal, não temos como nos impedir de identificarmos a consciência alheia por analogia com a nossa. Não somos capazes de imaginar que andróides “completamente  destituídos de consciência” fossem capazes de falar e de se comportar de modo indistinguível dos seres humanos. Mesmo que eles viessem conversar conosco, tentando nos convencer que são completamente destituídos de consciência, não possuindo realmente pensamentos, nem intenções, nem vontade, não acreditaríamos em suas afirmações, pois elas nos soariam ridiculamente incoerentes e inverossímeis. Nós seríamos irreprimivelmente forçados a atribuir-lhes consciência.

   A conclusão é a de que se quisermos que os nomes próprios tenham referência no sentido próprio da palavra, a causação física externa terá de ser a tal ponto elaborada que irá inevitavelmente se refletir na forma de processos causais psicológico internamente avaliáveis, nos quais o elemento cognitivo-representacional-intencional ganha um papel preponderante, forçando o retorno do elemento descritivamente exprimível inicialmente rejeitado.

 

Cadeias causais, elos cognitivos e histórias causais

Mesmo concedendo que deva haver alguma razão causal indispensável para que um nome próprio possua referência, a questão é avaliar o seu poder explicativo. Uma teoria causal-histórica realmente consequente deveria ser fundamentalmente construída sem a admissão de quaisquer elos psicológicos como intenções, cognições ou representações que se deixassem expressar como descrições. Mas não parece que o simples recurso a uma cadeia causal externa, a saber, uma cadeia causal constituída de elementos interpessoalmente acessíveis, como ondas de som, fenômenos eletrofisiológicos, movimentos corporais... seja suficiente para explicar a referência. Mesmo que Kripke admita que precisamos ter a intenção de nos referir ao mesmo objeto, já vimos que para ser realmente consequente ele precisaria reduzi-la a uma intenção de reprodução de um conteúdo desconhecido, o que seria o mesmo que nada.

   Dificuldades mais sérias aparecem quando tentamos explicar a referência do nome próprio através de uma cadeia causal puramente externa. Uma primeira dificuldade é que existem incontáveis cadeias causais às quais estamos sendo continuamente expostos, mas cujo elo final pode ser qualquer coisa menos o uso de um nome próprio para referir. Ora, como então identificar a cadeia causal que tem como elo final o uso referencial de um nome próprio? Como saber, por exemplo, que a palavra ‘Cacilda’ está sendo usada como nome de pessoa e não como o nome de um restaurante ou como uma exclamação vulgar? Como saber que uma pessoa está usando o nome próprio ‘Aristóteles’ corretamente, como elo último de uma cadeia causal apropriada? Digamos que ao ouvir pela primeira vez o nome ‘Aristóteles’, um nomeador secundário conclua que o falante quer se referir a um colégio de sua cidade que possui esse nome. Como saber que essa não é a cadeia causal-histórica correta sem recorrer a cognições-descrições que relacionamos à própria pessoa de Aristóteles? Imagine agora, dado asas à imaginação, que ao batizar Aristóteles, os sons das palavras proferidas tenha feito balançar um espelho próximo, que por causa disso refletiu um foton que atravessou a extratosfera e foi até a Lua, de onde foi refletido outra vez, voltando por acaso à superfície da terra, onde foi absorvido por um átomo de carbono em uma plantação de cereais; imagine que essa ínfima quantidade de energia tenha permanecido guardada nesse átomo, mesmo que tenha este passado pelo corpo de algum animal que se tenha alimentado dos cereais, passando-se milênios até que o momento em que ela de alguma forma contribuiu (infimamente) para o movimento de suas cordas vocais quando você pronunciou o nome ‘Aristóteles’. Faria esse foton refletido parte da cadeia causal que fez com que você pronunciasse o nome Aristóteles? É importante notar a absurdidade física da questão, pois em geral somos muito pouco conscientes do fato de que vivemos o tempo todo imersos em um inextricável oceano causal. Como escolher, dentre inúmeras e imensamente complexas cadeias causais externas que simultaneamente ocorrem e se entrecruzam, aquela que é responsável pela referência? Tão certo quanto a sua própria existência é o fato de que a cadeia causal-histórica externa é, se considerada apenas em si mesma, completamente inexcrutinizável e inseparável das outras conexões que formam o imenso tear causal que nos envolve. Existe algum procedimento que nos permita, ao menos em princípio, encontrar certos elos causais mais relevantes?

   Há um procedimento em princípio concebível, capaz de identificar a cadeia causal externa relevante (acessível em terceira pessoa) e que tem algo a nos ensinar. Ele parte da suposição de que certos elos causais externos neurofisiológicos podem ser também de algum modo descritos em termos psicológicos, nomeadamente, como cognições, representações ou intenções de designar um certo objeto. Contudo, essa admissão significa que é praticamente inevitável considerarmos primeiro cognições ou representações internas para então nos tornarmos capazes de perceber uma correlação entre essas cognições ou representações internas e a sua contraparte física na forma de elos neurofisiológicos constitutivos da cadeia causal externa, seja ela qual for. Contudo, como essas cognições e representações internas comunicáveis são geralmente exprimíveis através de descrições, se admitirmos que é esse o caminho natural para a identificação das cadeias causais, parece que acabamos por nos comprometer com alguma forma de descritivismo.

   Podemos fazer experiências em pensamento que no ajudem a comprovar a tese de que cognições e consequentes descrições são, no final das contas, inevitáveis. A primeira é a seguinte. Imagine que se invente um cerebroscópio capaz de identificar quando uma pessoa ao dizer o nome ‘Aristóteles’ segue os elos finais da cadeia causal correta, uma vez que o aparelho é capaz de ler o tipo[142] de elo neurofisiológico adequado no comportamento neuronal de seu cérebro. Com isso, o cerebroscópio será capaz de nos dizer quando uma outra pessoa está usando a palavra ‘Aristóteles’ na sequência final de uma cadeia causal correta por ler em seu cérebro um tipo de elo neurofisiológico similar ao de uma primeira pessoa. Contudo, só será possível saber que o cerebroscópio está lendo o elo causal final correto porque os falantes concordam que estão se referindo ao Aristóteles geralmente mencionado em filosofia e não a um outro Aristóteles qualquer. Esse acordo, contudo, é cognitivo e no final das contas descritivo, sendo ele o critério final para a conclusão de que o cerebroscópio identificou o elo causal final correto. Em outras palavras: a identificação da relação causal certa irá depender da cognição, o que sugere uma grave petição de princípio pesando sobre o objetivo final do argumento kripkiano.

   Do ponto de vista dos usuários do nome, pelo menos, algum elemento cognitivo interno termina sendo em algum momento imprescindível. Quero ilustrar o mesmo ponto crucial com um exemplo concreto de explicação psicológica. Suponha que eu decida comprar um presente para alguém em agradecimento a um favor. Se me perguntarem “Por que você decidiu comprar o presente?”, eu responderei: “Por me sentir grato por um favor que a pessoa me fez”. Trata-se, no caso, de uma decisão em nível psicológico, a qual é explicada por um sentimento também psicológico, sustentando uma identidade de nível entre o explicandum e o explicans. Mas suponha que seja possível explicar minha decisão de comprar o presente apelando aos processos neurofisiológicos em meu cérebro correspondentes ao meu sentimento de gratidão com relação ao favor que foi feito. Seria essa explicação isolada suficiente e adequada para a minha decisão de comprar o presente? Seguramente não. Pois ela só poderá ser considerada adequada se já de antemão for sabido que o processo neurofisiológico em questão corresponde à decisão de comprar o presente e ao sentimento de gratidão para com o comportamento de outra pessoa. Ou seja: mesmo que possível, a explicação causal externa de atos conscientes só se justifica na medida em que formos capazes de traduzi-la como de algum modo correspondendo, como uma sombra, à sua superveniente explicação causal interna, psicológica. Algo similar acontece quando consideramos uma possível explicação da referência pelo recurso a cadeias causais externas: tais explicações só farão sentido na medida em que forem vistas como contendo traduções externas de processos internos, nos quais o elemento semântico é de algum modo em algum momento e em suficiente medida psicologicamente instanciado.

   Imagine agora que seres alienígenas quase oniscientes, de visita ao nosso planeta, decidissem estudar nossa praxis linguística. Suponha que eles fossem capazes de registrar todos os nossos atos comunicacionais e de identificar as cadeias causais-históricas que nos levam a proferir nossos nomes próprios nos mais diversos contextos. Parece razoável pensar que eles se tornariam no final capazes de identificar essas cadeias sem recurso a nossas descrições de elos cognitivo-representacionais. Isso sugere que uma explicação puramente causal em terceira pessoa é logicamente possível. Contudo, essa sugestão é ilusória. Não é apenas pelo fato de que não possuimos essa perspectiva quase onisciente em relação a nós mesmos ou de que os alienígenas sabem que por tudo o que somos capazes de fazer com as palavras não podemos ser autômatos, mas seres conscientes, capazes de acesso cognitivo-representacional às referências dos nomes próprios que usamos. O ponto crucial é que para identificar nossa linguagem enquanto linguagem e nossos usos referenciais enquanto tais, os alienígenas precisam ter consciência do que é uma linguagem e possuírem eles mesmos estados cognitivos-representacionais correspondentes. Ou seja: em algum estágio anterior do processo será sempre necessário que seja dado um padrão constituído por estados cognitivos-representativos-descritivos, explícitos ou não, que por tal razão se demonstram como sendo os verdadeiros elos causais interpretáveis em termos fisicalistas. O elemento psicologicamente dado é o critério último para a identificação dos elos causais externos, de terceira pessoa, ainda que esses últimos sejam irredutíveis.

   Resumindo o ponto fundamental: como explicação isolada para a referência, o externalismo causal acaba incorrendo em uma inevitável falácia do tipo petitio principii. Para se evitar o recurso a um elemento cognitivo-descritivo comprometedor, apela-se a uma cadeia causal puramente externa. Mas, considerando-se a descomunal pletora de cadeias causais que podem ser associadas ao proferimento de um nome, como distinguir aquela que conduz ao seu proferimento correto? Ora, a única maneira de responder a isso é apelando a cognições ou representações internas, que constituem a apresentação psicológica de elos principalmente neurofisiológicos constitutivos de uma cadeia causal externa. Contudo, tais cognições ou representações internas costumam ser, por sua vez, susceptíveis de exposição descritiva, o que nos compromete outra vez com alguma forma de descritivismo. Kripke evita o descritivismo através do recurso a uma teoria causal que acaba sempre por pressupô-lo.

   Devemos concluir desses argumentos que o recurso à cadeia causal externa é incapaz de desempenhar qualquer papel no sentido de explicar a referência? Creio que não. Embora o rastreamento do tear causal externo (os sons proferidos em atos de batismo, os seus efeitos específicos nos cérebros dos participantes etc.) seja praticamente impossível, é muitas vezes possível uma identificação do que poderíamos chamar de história causal, que seria a história de manifestações cognoscíveis relevantes, derivadas do percurso espaciotemporal delineado pela efetiva cadeia causal-histórica.

    Considere, por exemplo, o nome ‘Sócrates’. Sabemos que Sócrates existiu devido aos testemunhos deixados por contemporâneos que o conheceram pessoalmente, como Platão, Xenófanes e Aristófanes, os quais foram mais tarde lembrados por Aristóteles e pelos socráticos menores. Podemos discernir nisso histórias causais embasadas em cadeias causais que, através das mais variadas ramificações, chegaram até nós. Embora nunca venhamos a reconhecer as cadeias causais específicas que se deram entre o Sócrates histórico e o que ele possa ter produzido nos que possam tê-lo batizado com esse nome e mais tarde tenha repercutido nos cérebros de Platão, de Aristóteles e dos socráticos menores... somos ainda assim capazes de identificar uma história causal que tenha deixado marcos repetíveis permanentes, como os eventos causais que ficaram marcados nos escritos de Platão, Aristóteles e outros. Informações sobre a história causal podem se tornar relevantes para a explicação da referência. Podemos tomar ciência dela. E a constatação da completa ausência de histórias causais pode até mesmo levar-nos a rejeitar uma suposta referência como ilegítima.

   É importante enfatizarmos, porém, que as histórias causais só ganham qualquer força explicativa com relação à determinação da referência porque nós tomamos consciência dos elos que as constituem, ou seja, porque somos capazes de representá-los cognitivamente, o que normalmente significa torná-los susceptíveis de representação descritiva. Daí que uma teoria descritivista dos nomes próprios deveria ser mesmo capaz de incorporar ao feixe de descrições constitutivas do sentido de um nome próprio informações sobre a história causal, exigindo então que a comunidade linguística (ao menos através de alguns de seus membros) fosse capaz de, em algum momento, produzir representações descritivas dessa história de modo a justificar o uso referencial. Veremos ao menos um caso concreto disso mais tarde, ao examinarmos criticamente o exemplo de Donnellan sobre Tales, o primeiro filósofo da tradição ocidental, que por ter sido o primeiro possui uma história causal particularmente relevante.

   Quero, finalmente, esclarecer melhor o modo de ver recém-sugerido apelando para o exemplo de um nome próprio muito simples. Trata-se de uma cadela chamada Dodó (corruptela de ‘Dona’), que minha mulher e eu uma vez tivemos. Antes de ela ter um nome nós já sabíamos identificá-la como ‘o nosso cão’. Nós a identificávamos perceptualmente pelo seu pequeno tamanho, pela cor marrom dos pelos, pela forma e cor branca do focinho e pelo fato de ela ser o único habitante canino da casa. Quando ela passou a ser chamada de Dodó, nós usávamos o nome tendo em mente o animal com as características recém-descritas. Assim, o que fizemos foi associar o nome a representações capazes de ser interpessoalmente compartilhadas e em certa medida expressas na forma descritiva de um retrato falado, caso isso fosse necessário. Quem realmente conheceu a Dodó, conheceu uma descrição da forma: ‘a cadela com tais e tais características, que morou em tal e tal lugar e que pertenceu a tais e tais pessoas’. Claro, eu pude passar o nome a outras pessoas que nunca a viram sem o auxílio dessa descrição, dizendo que tinha um cão. Essas pessoas conheceram, portanto, a representação expressa pela descrição parcial: ‘o cão do Claudio’. Note-se que há aqui uma cadeia causal-histórica e que ela é indispensável. Contudo, é ainda mais importante notar que os elos da cadeia causal que acabei de expor podem ser descritos em termo de conteúdos cognitivo-representacionais internos, similares ou complementares, que se repetem atualizando-se (talvez de forma não-reflexiva) nas mentes das pessoas e sendo em boa medida exprimíveis através de descrições expressivas de regras de identificação (regras-descrições).

   É verdade que ao falarmos de Dodó nós cumprimos com a exigência de Kripke de ter a intenção de fazer referência ao mesmo objeto. Mas essa intenção não foi em momento algum um querer destituído de conteúdo, mas a intenção de designar o mesmo objeto por compartilhar de elementos intencionais similares aos de outros usuários do nome. Claro que esses elementos intencionais só existiram porque os elos do tear causal são em geral eventos neurofisiológicos de um certo tipo, sejam eles quais forem, os quais puderam ser-nos apresentados internamente em termos de conteúdos cognitivo-representacionais em geral passíveis de apresentação descritiva. Esses elos, quando pensados pelos diversos falantes, apresentavam o necessário grau de similaridade e complementariedade entre si. Também esse exemplo sugere que, contrariamente ao que se possa supor, cadeia causal-histórica e cognição-representação-descrição são coisas que se complementam ao invés de se opor.

 

O Descritivismo dos elos Causais

As considerações feitas até aqui sugerem que a concepção causal-histórica só será capaz de ganhar algum poder explicativo se for integrada a um descritivismo dos elos causais. A existência de alguma conexão causal externa entre o nome e a sua referência, por mais indireta que seja, é condição indispensável para que o nome próprio realmente possua ou venha a possuir referência. Isso é indiscutível e já era sabido mesmo por filósofos descritivistas como P. F. Strawson. Mas essa condição não é suficiente. É preciso que a conexão causal possa ser reconhecida como sendo adequada à função referencial do nome. Contudo, ela só será reconhecida como adequada se for aquela cujos elos causais são capazes de preservar a relação de referência que o nome tem com o seu objeto. E o candidato natural a elo causal capaz de preservar essa relação é aquele constituído por conteúdos cognitivos (representacionais, intencionais) que se reiteram e se complementam no estabelecimento da relação referencial. Esses elos cognitivos poderiam então instanciar regras descritivamente exprimíveis, capazes de identificar o referente através de suas propriedades singularizadoras, quaisquer que elas fossem. Se assumirmos a condição da existência da cadeia causal externa como sendo em alguma medida resgatável pelas descrições que expressam cognições envolvidas em adequados momentos de histórias causais, essas histórias e as resultantes descrições dos elos causais cognitivos instanciadores de regras de conexão com o objeto seriam capazes de no final das contas fornecer elementos explicativos da função referencial do nome próprio. Afinal, é só a esses elementos que temos ou podemos ter efetivo acesso como usuários conscientes da linguagem. Consequentemente, uma versão menos inadequada da teoria causal-histórica precisaria ao menos supor, como elos causais externos, coisas como tipos de estados neurofisiológicos externos capazes de serem descritos internamente como elos causais cognitivos geralmente exprimíveis através de descrições que expressam procedimentos de identificação que se afiguram como padrões complementares e reiteráveis no delineamento do tear causal.[143]

   O esquema que se segue visa ilustrar a estrutura do tear causal cujos elos mais evidentes podem ser internamente interpretados como conteúdos cognitivo-representacionais geralmente passíveis de formulação descritiva:

 

                 Nomeador originário:

                 (primeiro elo causal:      ¬     relação causal     ¬     objeto

                  nome + cognições)

 

                                  ¯... (relações causais cognitivas)

                 

                  Nomeadores secundários:

                  (elos causais cognitivos...)

 

                                  ¯...

                  Proferimento do nome pelo falante...

 

É preciso lembrar que os elos causais relevantes devem ser afinal estados cognitivos que em muitos casos podem ser apenas em alguma medida reproduzidos por falantes que sejam nomeadores secundários. Esses elos são geralmente descritíveis internamente, em primeira pessoa, como cognições (representações, ideias, intenções...), devendo também poder ser em princípio descritíveis externamente, em terceira pessoa, na forma de comportamento neuronal. Nós não teríamos como nos guiar por qualquer forma de identificação externa (seja a de histórias causais, seja a de supostas cadeias causais-históricas), a não ser pelo recurso à superveniência das cognições internas sobre elos causais externos.

   Mesmo com as admissões acima mencionadas, a teoria causal-histórica parece longe de se tornar satisfatória. Afinal, não é somente o elo causal do batismo (que em muitos casos nem se dá) que chega até nós. Considere o caso de Aristóteles. Que ele tenha escrito o Corpus Aristotelicum é um fato extremamente importante sobre Aristóteles, que pressupõe uma cadeia causal-histórica que chegou até nós e sem a qual não poderíamos ganhar conhecimento dele. Que Aristóteles nasceu em Stagira em 384 a.C. e faleceu em Chalcis em 322 também é um fato importante acerca de Aristóteles; mas ele só é sabido por nós porque existem cadeias causais-históricas que vem desde o registro desse fato por outros até nossa tomada de consciência dele. O mesmo podemos dizer do fato de ele ter aos 17 anos viajado para a Magna Grécia para se encontrar com Platão, do fato de ele ter sido preceptor de Alexandre, de ter se casado com Pythias, de ter fundado o Liceu. Nossas consciências desses eventos tem sempre como fundamento último cadeias histórico-causais que sabemos existir mesmo que elas sejam completamente desconhecidas de nós mesmos. Mas então, por que selecionar uma cadeia histórico-causal específica, aquela do batismo, como a única apropriada? O que o batismo de uma pessoa, através de um mero signo linguístico sonoro ou visual em si mesmo perfeitamente acidental, tem de superior a outras cadeias histórico-causais produtoras de cognições relevantes associadas ao nome próprio, como as cognições localizadoras e caracterizadoras de seu portador?

 

Considerações finais

O ponto fundamental de minha crítica a uma teoria causal-histórica é que ela incorre em uma petição de princípio, pois a identificação da cadeia causal externa termina sempre na pressuposição de critérios identificadores cognitivo-representacionais em princípio descritivamente resgatáveis. Ou seja: se quisermos justificar a referência valendo-nos de cadeias causais externas, isso será logicamente possível, mas ao preço do abandono da teoria causal; pois só seremos capazes de identificar as cadeias causais externas corretas por meio de uma identificação prévia dos eventos cognitivos que lhes são supervenientes, eventos descritivamente explicitáveis, com base nos quais usamos o nome próprio na identificação consciente de seu objeto.

 

 

 

 

 

 

 



[1] Tugendhat 1976, p. 425 ss.

[2] A palavra ‘indexical’ vem da noção de índice de C.S. Peirce. Outros termos usados no mesmo sentido são particulares egocêntricos (Russell), termos token-reflexivos (Hans Reichenbach), indicadores (Nelson Goodman, W.V. Quine), demonstrativos (John Perry) e dêiticos (Ernst Tugendhat, John Lyons, S.C. Levinson).

[3] Utilizo aqui a distinção proposta por David Kaplan em 1989, pp. 490-491.

[4] Note-se que nem sempre esses termos funcionam como indexicais. Considere: (i) “Todo adolescente pensa que ele é um adulto” (ocorrência como variável ligada), (ii) “Maria teve um filho; ela está muito feliz” (ocorrência anafórica). Contudo, esses pronomes podem ser excluídos sem prejuízo do significado: (i’) “Todo adolescente pensa que é adulto” e (ii’) “Maria está muito feliz por ter tido um filho”. Isso indica que eles tem aqui uma função derivada, diversamente de suas funções indexicais primárias.

[5] Searle 1983, p. 221.

 

[6] Os nomes próprios de pessoas costumam ser em sua expressão fonética e ortográfica multiplamente ambíguos, de modo que a unicidade de sua designação acaba por depender do contexto em que são usados. Contudo, esse fato não nos leva a confundir nomes próprios com indexicais, pois o contexto desambiguador do nome próprio não é o do proferimento, mas o de uma pluralidade de crenças interligadas conectadas ao contexto do proferimento, as quais, como veremos, fazem valer um certo domínio de objetos que contém aquele a ser selecionado por uma específica regra de identificação para o nome. (Cf. capítulo 6.)

[7] 1959, parte I.

[8] Mesmo admitindo que o indexical dependa do uso de conceitos para ser capaz de identificar algo, parece claro que o indexical deve ter um papel fundamental no aprendizado inicial de novos conceitos.

[9] Estou considerando esse processo em termos tendenciais. Naturalmente, um nome próprio também pode gerar uma descrição definida, como no caso da descrição laudatória ‘o mestre dos que sabem’ usada por Dante para se referir a Aristóteles.

[10] O ítem (e) foi adicionado por David Kaplan para dar conta de sentenças indexicais modais como “Se fosse filósofa, ela seria uma boa filósofa”, querendo dizer que em certos mundos possíveis seria verdadeiro que ela é uma boa filósofa.

[11] 1950, p. 6.

[12] 1979.

[13] Costa 1996, pp. 113-134.

[14] O reconhecimento disso demonstra uma revoltante artificialidade em semânticas de mundos possíveis nas quais a referência do enunciado é o seu valor-verdade (quando deveria ser o fato correspondente) e nas quais a referência de um predicado é a extensão formada pelos objetos aos quais ele se aplica, a qual em geral sequer conhecemos (quando deveria ser uma propriedade particularizada (um tropo), que por sua vez é propriedade de objeto, possibilitando concluir que os objetos que a possuem também podem constituir uma extensão). (Cf. Costa 2018, cap. IV)

[15] 1989.

[16] Kaplan prefere recorrer a ocorrências-type como entidades abstratas ao invés de recorrer a proferimentos-token. Isso pode importar para sua lógica dos indexicais, mas os exemplos dados são inconvincentes. Considero apenas um deles: o enunciado (i) “Se hoje é sábado então hoje é sábado”. Ele não deve ser entendido como proferimento, pois nesse caso deixará de ser uma tautologia. Por exemplo, se a primeira parte for proferida antes da meia noite de sábado e a segunda parte depois, ele será falso. Mas isso é inevitável, pois (i) é naturalmente entendido como uma abreviação de (ii)   “Se o hoje de logo antes da meia noite é sábado, então o hoje de logo depois da meia noite é sábado”, que é falso. Na verdade, a única maneira a sentença (i) ser uma tautologia é se ela for entendida como a ocorrência-type (ii) “Se hoje for sábado então hoje será sábado”. Mas nesse caso ela se demonstra como não sendo um enunciado propriamente indexical, uma vez que possui um sentido lexical desacompanhado de seu fundamental conteúdo semântico.

[17] Proposições estruturadas podem ser definidas como complexos de entidades que possuem partes ou constituintes de algum modo associados entre si. Elas podem ser entendidas como fatos (estados de coisas, eventos) no mundo, como em Kaplan, mas também como sentidos fregeanos abstratos (como o próprio Frege os entendia) ou mesmo como tropos mentais de pensamento, ou seja, como complexos cognitivos reidentificáveis, como eu mesmo gostaria de interpretá-las.

[18] Costa, 2018, cap. 6.

[19] Segundo Kripke, a segunda definição é de jura, encontrando-se no prefácio de Meaning and Necessity, enquanto a primeira foi incompletamente apresentada no corpo do livro. Ele também hoje defende que é no segundo sentido que descrições definidas não são designadores rígidos. As críticas que farei também poderiam ser aplicadas à segunda definição, mas prefiro não fazê-lo por duvidar de sua inteligibilidade. Ver Saul Kripke, “Naming and Necessity Revised”, School of Advanced Studies, 2019 (Lecture). Para discussão, ver Kaplan 1989, p. 569. Cf. comentário de G.K. Fitch 2004, pp. 36-37.

[20] 1996.

[21] Prefiro uma definição intuitiva a uma definição técnica mas que nada diz como “um conjunto consistente maximamente completo de proposições sobre o mundo”. (Lycan)

[22] 1989, pp. 492-3.

[23] Kaplan: “Demonstratives”, IX. Simplifico (melhor dizendo, “descomplico”) o exemplo de Kaplan, de modo a tornar patente o que é claramente equívoco no argumento.

[24] Obviamente, ao identificar João não preciso sequer me recordar do signo linguístico ‘João’, mas de algo suficientemente relevante de seu conteúdo capaz de sustentar a predicação de que ele foi para Brasília.

[25] 1989, XVII.

[26] Adapto o exemplo de Braun 2001.

[27] See Wettstein 2004, pp. 115-116.

[28] Uma variante do exemplo acima, também apresentado por Braun (2014, 4) com base em Perry (1979), concerne a enunciados indexicais inteiros e, portanto, ao que eles enunciam, ou seja, fatos. Trata-se do pensamento (i) “Ele está fazendo uma bagunça”, que ocorre quando a pessoa em um supermercado vê no espelho o açúcar de um carrinho de compras sendo derramado no chão, mas logo depois olha para trás e percebe que é o açúcar do seu próprio carrinho que está derramando e pensa (ii) “Eu estou fazendo uma bagunça”. Se a proposição estruturada no mundo fosse a mesma, (i) e (ii) deveriam querer dizer exatamente a mesma coisa. Mais além, pode ser que junto a (i) ele também pense (iii) “Eu não estou fazendo uma bagunça”, o que está em contradição com (ii), tornando João irracional. A solução parece descritivista: Em (i) João vê no espelho “o homem usando camisa verde, calças vermelhas e sapatos brancos carregando um carrinho”, mesmo que (pace Braun) esse conteúdo esteja implícito, uma vez que é ele que lhe permite distinguir aquela pessoa das outras e mesmo que o espelho modifique a cor púrpura da calça como parecendo vermelha, é exatamente pelo elemento perspectivista expresso na descrição que um mesmo objeto pode aparecer como possuindo mais de uma cor.

[29] Cf. a reconstrução de experiências visuais dinâmicas usando fMRI e modelos computacionais por Jack Gallant e sua equipe da UCLA-Berkeley. Fica difícil, diante de tais evidências, rejeitar a existência e intermediação dos sense data. O problema filosófico real não é o da existência dos sense data, mas o de seu exato papel epistêmico na percepção do mundo externo.

[30] Frege: 1918, p. 66.

[31] Luntley: 1999, p. 334. O platonismo fregeano pode ser evitado se entendermos o pensamento simplesmente como um pensamento-modelo psicológico dado (um tropo de pensamento) ou qualquer outro pensamento (tropo de pensamento) qualitativamente idêntico a ele. Isso é suficiente para não fazer do pensamento algo dependente de um único indivíduo psicológico que o pense. Cf. Costa 2018, cap. IV.

[32] Para Frege a referência do predicado é o que ele chama de ‘conceito’ (Begriff), uma função que tem como input objetos e como output valores-verdade. Não é, pois, sem razão que não lhe reste nada a dizer sobre o sentido do predicado, que deveria ser mais corretamente chamado de ‘o conceito’ por ele expresso.

[33] “O sentido literal como aquele que é apreendido em um contexto informacionalmente pobre”. Katz 1977, p. 14.

[34]  Digo próximo ao de Frege porque rejeito a sua estranha ideia de que a referência do predicado seja o conceito (Begriff). Mais plausível é que a referência seja a propriedade particularizada (tropo ou conjunto de tropos...) enquanto o conceito é mesmo o que geralmente chamamos de um conceito, ou seja, o sentido do termo predicativo. Também rejeito, obviamente, a tese fregeana de que a referência da frase é o seu valor-verdade, preferindo identificá-la com o fato, que para ele era o pensamento verdadeiro.

[35] A melhor exposição da ontologia dos tropos continua sendo em meu juízo a de seu próprio originador, o filósofo D.C. Williams no clássico artigo intitulado, “The elements of being”, partes I e II (1953). Uma importante tentativa de desenvolver a teoria foi o livro de Keith Campbell de 1990. A ideia básica é a de que universais são classes de propriedades espaciotemporalmente singularizadas e qualitativamente idênticas entre si chamadas ‘tropos’, enquanto objetos materiais são minimamente conjuntos de tropos compresentes no sentido de serem espaciotemporalmente co-localizados. A posição de Williams é radical. Para ele qualquer mundo possível, o nosso inclusive, não pode ser constituído por outra coisa senão tropos. Essa posição foi enfraquecida por outros, mas é exatamente esse radicalismo que é distintivo da teoria dos tropos, tornando-a uma teoria ontológica em princípio suficientemente robusta para substituir os realismos e os nominalismos. (Cf. apêndice do capítulo III de meu livro de 2018.)

[36] Note-se que nesse primeiro nível a paridade real consiste apenas na função lexical geral dos indexicais de se referirem a objetos (particulares) diferentes em contextos diferentes. Mas cada indexical terá uma função lexical própria, como as apresentadas nas listas (A) e (B). O conteúdo semântico, por sua vez, consiste na especificação dos detalhes do contexto em usos singulares de indexicais e, além disso, em outras características adicionais, algumas inclusas na forma sensível do indexical (como o sexo e a pluralidade no caso de pronomes pessoais no plural) mas outras, me parece, embutidas, como tentei mostrar em meus primeiros exemplos.

[37]  Costa 2018, cap. IV.

[39] Gareth Evans ressaltou o elemento causal: se estou diante de um objeto real ao qual me refiro pelo demonstrativo ‘isso’,  meu conteúdo de crença é causado pelo objeto, de modo que se o objeto se alterasse ou deixasse de existir, meu conteúdo de crença indexical (pensamento) também se alteraria ou deixaria de existir. Não obstante, isso não é suficiente para desfazer a natureza cognitiva do pensamento demonstrativo. Cf. Evans 1982, 5.1, 9.4, 9.5.

[40] 1979, pp. 3-20.

[41] 1983, pp. 218-19

[42] 1977, pp. 487-8.

 

[43] 1977, p. 485 ss.

[44] 1983, p. 219.

[45] Prefiro reconstruir o conceito fregeano de pensamento, mesmo do pensamento indexical, em termos de regra verificacional, da qual deveria fazer parte a regra de identificação da referência do indexical, o que demandaria aqui critérios de localização espaciotemporal. Meu modo de entender o problema do verificacionismo será rapidamente apresentado mais adiante nesse capítulo.

[46] No exemplo original de Perry, Heimson é um imitador de Hume que, tendo se convencido de ser o próprio Hume, diz “Eu escrevi o Treatise”, o que é obviamente falso, pois só o próprio Hume poderia dizer isso de modo verdadeiro. Nenhuma descrição, insiste Perry, pode substituir aqui o pronome pessoal ‘eu’ dito pelo próprio Hume. Com efeito, o pronome pessoal ‘eu’ não parece ser substituível por coisa alguma de forma absolutamente congruente. Mas, como veremos, uma congruência parcial pode ser suficiente. Na maioria dos contextos, aliás, “Hume escreveu o Treatise” faz o mesmo serviço que o proferimento acima.

[47] Frege 1893.

[48] Não compro aqui, obviamente, o implausível platonismo fregeano. Os sentidos são regras sempre atualmente ou potencialmente instanciáveis em mentes humanas ao menos como possibilidades concebíveis de sua aplicação efetiva ao mundo.

[49] 1918, p. 64 (paginação original).

[50] Glock 1996. Wittgenstein 1984d.

[51] Wittgenstein 2001, p. 29.

[52] Wittgenstein 2001, p. 28.

[53] 1951, p. 9.

[54] Estou convencido de que esse entendimento inadequado do princípio sugerido pela primeira vez por Wittgenstein teve consequências desastrosas para grande parte da filosofia analítica posterior, uma vez que se rejeitamos a existência de regras de verificação teremos de rejeitar a possibilidade de analisar o significado cognitivo do enunciado em termos outros que não o da decomposição de significados em significados. Para uma defesa qualificada do verificacionismo semântico, que põe a descoberto as confusões tanto do verificacionismo quanto do anti-verificacionismo do positivismo lógico e das estratégias suas e de seus herdeiros, buscando resgatar o insight original de Wittgenstein, ver Costa 2018, cap. V.

[55] Outro conceito plástico seria o de identidade pessoal. Há usos nos quais uma pessoa de 80 anos é considerada a mesma pessoa que foi ao nascer, quando talvez sequer fosse uma pessoa. Há outros usos nos quais essa pessoa já pode ser identificada com a criança que foi aos quatro anos de idade, tempo do qual ainda se recorda. E ainda há outros usos (que Chisholm chamou pejorativamente de frouxos (loose)) nos quais ela não é a mesma pessoa que era antes de ter se casado ou antes de ter ido para a guerra ou mesmo antes de ter bebido. (Cf. Costa 2011, “Identidade pessoal: por uma criteriologia mista”.)

[56] Pequenas diferenças semânticas podem ter maior importância se o contexto for o de um discurso filosófico, como Wittgenstein e outros demonstraram. Ignorá-las pode produzir confusões se elas forem usadas por filósofos na produção de pequenos ou grandes mal-entendidos. (A palavra ‘sofista’, usada pejorativamente por Platão, não possui um ponto de corte específico; depende do rigor de quem julga. Se for muito alto poderá se aplicar até mesmo ao próprio pensamento platônico; se for exageradamente alto pode ser que nenhuma filosofia mais se salve.)

 

[57] 1949, p. 687.

[58] 1984e 5.476; 1984b I, sec. 201.

[59] Embora sob uma perspectiva referencialista e (em meu juízo) confusivamente técnica, David Kaplan (1978) também percebeu a relação entre indexical e descrição ao sugerir que ‘esse’ possa ser entendido como um d-esse (dthat), que se deixa explicar como esse-(descrição definida ou nome) no contexto de C e WC, por exemplo: “Esse (o atual rei do Butão) é íntegro”.

[60]  A teoria das descrições de Russell será considerada no próximo capítulo. Contudo, se nossa análise é correta, ela se aplica também ao conteúdo intersubjetivamente resgatável dos proferimentos indexicais.

[61] 1905, pp. 479-493. Ver também Russell 1919, cap. 16.

 

[62] Russell 1905, p. 51.

[63] Costa 2018, cap. III, sec. 3.

[64] 1950.

[65] Strawson 1952, p. 184 ss.

[66] Russell 1957, pp. 245-6.

[67] Cf. Neele 1990, pp. 26-28.

[68] Sainsbury 1979, pp. 120-121; Peter Hilton 2003, p. 230; Blackburn 1984, pp. 309-310. 

[69] Exemplos similares encontram-se em Neale 1990, p. 27.

[70] Wettstein 1981, pp. 241-257.

[71] Stanley & Williamson 1995.

[72] 1976.

[73] 1977.

[74] Ver cap. 4.

[75] Há o problema decorrente do fato de que se a frase subordinada se refere ao seu sentido ela precisa exprimir um sentido idêntico de nível superior através do qual faça essa referência, o qual parece permanecer resistente à apreensão intuitiva, além de produzir eventuais regressos. O bom senso nos diz que não é preciso complicar desnecessariamente as coisas, bastando admitir que sentidos de nível superior nesse caso não existem. A referência usual deixa de entrar em questão e a única referência que resta é o próprio sentido. A frase subordinada expressa um sentido ao mesmo tempo que se refere a ele em função de sua dependência da frase principal.

[76] Essa ideia é plausível demais para ser rejeitada, dado que a linguagem é expressão de um sistema de convenções capazes de se combinar e que convenções são regras compartilhadas pela comunidade linguística – uma descoberta tão antiga quanto o Crátilo de Platão. Até mesmo a ideia de Russell de que o sentido de um nome próprio lógico como “Isso-vermelho” é o próprio sense-datum do vermelho torna-se admissível se ele for, ao invés, identificado com uma regra-convenção que associe a palavra ‘isso’ à cognições de sense data de vermelho (Cf. Russell 1918; Costa 2018, cap. IV.)

[77] 1981, pp. 194, 229.

[78] Ver Tugendhat 1976, p. 262. Ver também Tugendhat & Wolf 1983, p. 185.

[79] Cf. Costa 2018, capítulo IV e, principalmente, capítulo V, onde o anti-verificacionismo semântico é desmascarado como uma falácia do boneco de palha.

[80] Frege 1882, par. 53. A análise da existência como propriedade de ordem superior que aqui assumimos é hoje disputada por análises da existência como propriedade de primeira ordem. Uma crítica às últimas encontra-se em Costa 2018, cap. IV, sec. 19.

[81] Questões adicionais como a da existência da existência etc., foram abordadas em Costa 1918, cap. IV, sec. 11-19.

[82] Certamente, cada um desses três casos pode ser expresso pela lógica predicativa, na medida em que transformarmos as expressões referenciais em expressões predicativas, delas predicando existência: Considere a frase “Mamíferos voadores existem”; simbolizando ‘mamíferos’ por M e ‘voadores’ por V, temos x (Mx & Vx). Considere uma descrição definida como em “A estrela da manhã existe”; simbolizando o predicado ‘estrela da manhã’ como M temos x (Mx & (y) (My → y = x)). Para o nome próprio na frase ‘Sócrates existe’, abreviando o conteúdo descritivo que o nome possa conter através do predicado ‘socratiza’ e simbolizando este último por S, temos x (Sx & (y) (Sy → y = x)). Considere, ainda, a frase predicativa singular “Sócrates é calvo”, que pode ser traduzida como “Existe somente um algo que é Sócrates e ele é calvo”. Entendendo-se ‘Sócrates’ como a abreviação de descrições analisáveis através de predicados, abreviando esses predicados por meio do predicado ‘socratiza’ simbolizado como S, e simbolizando o predicado ‘calvo’ como C, temos x (Sx & (y) (Sy → y = x) & Cx).

[83] Cf. Costa 2018, cap. VI.

[84] Russell 1918.

[85] Gareth Evans 1982, p. 56, nota que as descrições definidas podem se referir a indivíduos diferentes em diferentes mundos possíveis, diversamente dos nomes próprios. Mas como veremos no capítulo 6, as descrições definidas só são flácidas enquanto se encontram semanticamente vinculadas a nomes próprios, caso contrário elas se tornam rígidas. Isso demonstra que não há nada de especial diferenciando a semântica dos nomes próprios usuais, diversamente do que referencialistas modernos como Kripke acreditam.

[86]  “Advogo que uma expressão denotativa é essencialmente parte de uma sentença, e não tem, como a maioria das palavras isoladas, qualquer significação por si mesma”. Russell 1905, p. 489.

[87] Podemos especular se não seriam os predicados da descrição analisada expressões que nos permitiriam designar propriedades singularizadas geralmente externas, ou seja, complexos de tropos físicos estabelecidos como univocamente existentes pelos quantificadores existencial e universal com base em sense data, eles mesmos tropos internos. Minha sugestão foi a de que a leitura dos sense data como nos remitindo a complexos de tropos externos poderia ser definitoriamente determinada pela satisfação conjunta das condições de realidade externa, nomeadamente, da máxima intensidade sensorial, da independência da vontade, da intersubjetividade e do seguimento de leis naturais. Cf. Costa 2018 cap. VI, sec. 28 ss.

[88] Podemos complementar a descoberta de Frege adicionando que uma frase como essa é ambígua. Ela exprime dois sentidos: um sentido fundamentador, que apresenta um mesmo fato fundamentador, desambiguado pela frase de identidade “Vênus = Vênus”, e um fato aspectual, na verdade um sub-fato que é desambiguado pela frase diferenciadora “A estrela da manhã ≠ A estrela da tarde”. Afinal, tanto esse sub-fato aspectual quanto o modo de apresentação desse sub-fato são diferentes. Essa seria a intuição que o bidimensionalismo semântico tenta resgatar usando uma semântica de mundos possíveis que em meu juízo tende a perpetuar erros que nasceram com Frege e foram aprofundados por Rudolph Carnap e outros, como as ideias de que a referência de um enunciado é o seu valor-verdade ou de que a referência do predicado é a classe dos objetos aos quais ele se aplica. Cf. Costa 2018, cap. IV, sec. 27.

[89] Não deve ser esquecido que a falta de intersubstitutividade das frases subordinadas em enunciados de atitude proposicional é apenas um dos variados casos considerados por Frege (1892).

[90] Cf. Costa 2018, caps. IV e V. Rejeito, obviamente, a contenciosa crítica feita por Frege à teoria correspondencial da verdade e seu conceito de fato como pensamento verdadeiro em seu artigo de 1918.

[91]  Esse entendimento não precisa ser o único, pois pode ser que George IV não saiba quem é Scott. Nesse caso a expressão “que ele conhece” deve ser excluída, bastando que ele saiba que Scott é um nome próprio.

[92] Mill 2002, livro 1, cap. 2, seção 5, p. 20. Esse trecho nos fornece os elementos para a interpretação standard de Mill que nos ficou.

[93] Mill 2002, livro 1, cap. 2, seção 5, p. 22.

[94] Ver Devitt & Sterelny 1999, p. 45. Lycan 2006, pp. 256-7. S.P. Schwartz 1977, pp. 18-19. Essa interpretação foi difundida por Saul Kripke, que por sua vez parece tê-la tomado de John Searle.  

[95] Gottlob Frege 1892, p. 28, paginação original.

[96] Frege 1918, pp. 64, 76.

[97] Autores norte-americanos, influenciados por Saul Kripke, associam Frege ao descritivismo, enquanto autores ingleses, influenciados por Michael Dummett, costumam rejeitar essa associação. Ver Dummett 1981, pp. 97-98, 110-111, p. 186 ss. Corroborando a interpretação de Dummett estão Lynski 1977, pp. 42-43 e, mais recentemente, Luntley 1999, p. 261.

[98] 1982, pp. 97-98, 101-111.

[99]  1981, p. 73.

[100] 1980 (1911), p. 29. Essa passagem, como a próxima a ser citada, encontra-se idêntica no artigo de Russell de 1918.

[101]  1980, p. 30.

[102]  1980, p. 3

[103] Leonard Linsky interpretou Wittgenstein como tendo aqui sugerido a ausência de limites convencionais para fixar as descrições (ver Linsky 1977, p. 99). Mas não há suficiente evidência textual para essa ideia. Seja como for, se Wittgenstein tivesse pensado assim ele estaria errado. Não parece concebível que o nomes próprio possa manter uma referência única e separável se os limites de sua aplicação resultarem de decisão arbitrária.

[104] 1952, pp. 181-192.

[105] 1952, pp. 152 ss.

[106] 1978, p. 58. 

[107] Searle 1958, p. 171.

[108] Searle 1967, p. 490.

[109] 1969, p. 171.

[110] Searle pensa que não porque ele interpreta erroneamente o exemplo de Frege de Herbert Garner e Leo Peter como exigindo que nosso aporte descritivo para o nome deva ser o mesmo. Mas não há nada na passagem de Frege a suportar essa afirmação. Ver Searle 1969, p. 169.

[111] 2003.

[112] Ver Salmon 2005, p. 23-31.

[113] Kripke 1982, p. 62.

[114] Ver Searle 1983, p. 253. Searle dedicou o ultimo capítulo de seu livro de 1983 a uma brilhate defesa de seu descritivismo contra as objeções de Kripke e Donnellan. É curioso observar que essa defesa permaneceu praticamente sem resposta da parte dos defensores da concepção causal-histórica.

[115] Essa também é a conclusão chegada por especialistas como David Braun e Marga Reimer em seus respectivos artigos para a Stanford Encyclopedia of Philosophy. 

[116] Ver, por exemplo, Soames 2002, cap. 2.

[117] Kripke 1982, p. 52.

[118] Kripke com razão nega que esteja propondo uma teoria no sentido estrito; trata-se apenas de uma sugestão, de um esboço rudimentar. Mas como também teorias descritivista como a de Frege não passam de esboços rudimentares, prefiro usar a palavra ‘teoria’ em um sentido genérico, que cubra ambos os casos. Teorias filosóficas, aliás, não costumam ir muito além de esboços conjecturais.

[119] Há outras versões da teoria causal-histórica como as de Keith Donnellan e de Michael Devitt. Por simplicidade de exposição apresento apenas a de Kripke, que com o tempo acabou por se estabelecer como uma espécie de versão standard.

[120] Kripke 1982, pp. 96, 91.

[121] G.W. Fitch 1992, p. 41.

[122] Kripke 1982, pp. 91, 96. Searle percebeu a dificuldade ao notar que as explicações dadas por Kripke e por Donnellan para a introdução do nome próprio são inteiramente descritivistas: “Implicitamente”, escreveu Searle, “ele, também recorre a uma intenção quando fala da percepção do objeto pelo falante e ouvinte no ato do batismo, posto que a percepção possui um conteúdo intencional, o que acaba por pressupor o descritivismo.” Contudo, podemos relevar esse ponto, imaginando que o ato de batismo (mesmo que intencional) inclua um compartilhamento mecânico, não-intencional, da referência, e supondo que isso seja tudo o que importa como fator causal. Cf. Searle 1983, pp. 234-235.

[123] Evans 1973.

[124] Devitt 1981, 2.1-2.3

[125] Saul Kripke 1982, p. 163, apêndice.

[126] Desconsidero aqui a dificuldade suplementar de que para Kripke a frase “Raúl Rivas é Marciel Marcel” é feita por dois designadores rígidos, constituindo por isso uma identidade necessária, só não percebida pela Sra. Gutiérrez.

[127] A maioria desses exemplos foi considerada por Searle em 1983, pp. 238-9.

[128] Cristopher Hughes 2004, p. 45, baseado em Salmon.

[129] Segundo J.L. Mackie (1974, caps. 2 e 3), o que chamamos de ‘causa’ é resultado da escolha pragmática de um fator causal que é parte necessária, mas não suficiente, de um conjunto de fatores causais que é suficiente, embora não necessário, para que o efeito se dê. Há muito mais sobre causação, mas a definição de Mackie serve bem ao contexto da presente discussão.

[130] A teoria descritivista não encontra problemas em explicar nada disso. Sempre podemos encontrar descrições definidas, como uma descrição localizadora de Brasília como sendo a cidade situada no centro geográfico do país e uma descrição caracterizadora de Brasília como sendo a sua capital (Cf. cap. 6). Tendo em vista tais casos, alguém poderia apelar para a causalidade regressa, sugerindo que no caso de nomes próprios referentes a objetos existentes no futuro o efeito (o proferimento do nome) viria antes da causa (o objeto a ser batizado). O problema óbvio é que a ideia de que a causa deve preceder o efeito (ou, em casos derivados, vir junto a ele) parece fazer parte daquilo que entendemos como a relação causa-efeito, de modo que se admitirmos que efeitos podem vir antes das causas, a própria distinção se perde.

[131] Se admitimos que objetos formais como o número p não pertencem a um reino platônico, mas têm alguma existência no mundo real através de suas instanciações, então é concebível que eles possam ter um efeito causal indireto.

[132] Searle adiciona que essa nomeação só é possível porque as pessoas formam representações intencionais dos objetos ao batizá-los. Ver Searle 1983, pp. 240-241.

[133] Em meu juízo essa resposta não difere muito da solução tentada por Keith Donnellan em “Speaking of Nothing” (1974). Segundo Donnellan, o nome próprio vazio é aquele cuja cadeia causal termina em um “block”. Entendo aqui que esse “block” nada mais seria do que as próprias circunstâncias fixadoras da referência.

[134] Kripke 1971.

[135] Kripke 1982, pp. 21, 48.

[136] Em uma carta a Kaplan, Kripke notou que preferiria se manter neutro a esse respeito. Ver Fitch 2004, p. 36.

[137] Ver Saul Kripke, “Naming and Necessity Revised”, School of Advanced Studies, 2019 (Lecture). Não me importa aqui interpretar detalhes demasiadamente sutis dos argumento kripkianos, uma vez que eles não são suficientemente fortes para tornarem a ideia de que podemos fazer referência a algo que por definição não existe (um objeto que inexiste em um mundo possível) razoável.

[138] Fitch 2004, pp. 45, 46.

[139] É verdade que podemos nos referir a objetos ficcionais como Sherlock Holmes e Gandolf. Mas nesse caso estamos apenas assumindo a existência (ficcional) desses objetos em domínios ficcionais. O que não podemos é nos referir a coisas supostamente pertencentes ao mundo real mas que certamente não existem, como Vulcano e o Eldorado.

[140] Especialmente A.I. Artificial Intelligence.

[141] Digo isso supondo que a sua construção seja fisicamente possível. Parece-me óbvio que não. Parece-me muito mais defensável a ideia de que somente seres biológicos produzidos pela química do carbono, com vidas semelhantes às nossas, seriam realmente capazes de usar a linguagem natural tal como o fazemos. Não é preciso aprender muita biologia para se perceber que computador e cérebro humano são coisas incomensuravelmente diversas.

[142] Digo ‘tipo’ (type) pois espero com isso circundar uma possível objeção de múltipla realizabilidade.

[143] É importante notar a proximidade dessa ideia com a versão da teoria causal-histórica defendida por Michael Devitt, segundo a qual o fixador cognitivo do referente não é uma descrição, “mas um sistema de cadeias-d geradas por vínculos de papel conceitual que vão de pensamentos para estímulos periféricos e de estímulos para o mundo externo” (1989, p. 227). Esse sistema em geral não é externo, pois “uma grande parte do sistema de cadeias-d para um nome consiste em processo e funcionamento mental” (p. 217), embora quase nada disso precise ser consciente (p. 227). Em meu juizo, o que Devitt está identificando com o sentido é uma mistura de representações psicológicas explicitáveis em termos de descrições de regras, mesmo que não-conscientes, com a leitura dessas mesmas representações em termos de tipos neurofisiológicos. Mas parece claro que tudo o que se apresenta em termos psicológicos também deve ser passível de descrição em termos de comportamento neuronal. Assim, o que Devitt está defendendo é no fundo uma forma de cognitivismo causal-descritivista, que ele equivocadamente interpreta em termos externalistas.